Seculo

 

Grupo de deputados quer ter protagonismo no processo eleitoral de 2018


10/08/2017 às 13:43
De olho no processo eleitoral do próximo ano, um grupo de deputados se une na Assembleia Legislativa para conquistar o protagonismo na disputa. Para isso, os parlamentares contam com um trunfo para as articulações, projetando o nome do deputado Amaro Neto (SD) para o pleito ao Senado, em 2018. 
 
Outro nome na manga seria o de Erick Musso (PMDB). O presidente da Casa pode compor chapa como vice do governador Paulo Hartung, caso ele dispute mesmo a reeleição para o governo do Estado.
 
O grupo reúne mais da metade do plenário, com chances de atrair mais deputados. Além de Erick Musso e Amaro Neto, também fazem parte da composição os deputados Dary Pagung (PRP), Rafael Favatto (PEN), Eliana Dadalto (PTC), Enivaldo Dos Anjos (PSD), Gildevan Fernandes (PMDB), Gilsinho Lopes (PR), Hudson Leal (Podemos), Jamir Malini (PP), Janete de Sá (PMN), José Esmeraldo (PMDB), Marcelo Santos (PMDB), Marcos Mansur (PSDB), Raquel Lessa (SD), Rodrigo Coelho (PDT)  e Sandro Locutor (PROS). 
 
Os deputados entendem que o capital político de Amaro Neto cria condições de fortalecer o grupo no processo do próximo ano, garantindo uma boa ocupação de espaços, mesmo com as incertezas do cenário e das regras eleitorais do próximo ano. 
 
O deputado também parece disposto a entrar na disputa ao Senado. Essa movimentação assusta os ocupantes das vagas atuais, principalmente o senador Magno Malta (PR), que tem um eleitorado com perfil parecido com os dos eleitores de Amaro. Embora não tenha muito traquejo político e um apagado desempenho parlamentar, Amaro Neto tem uma grande popularidade graças ao programa policialesco que apresenta. 
 
A presença dele no palanque puxando uma candidatura ao Senado, levaria o grupo de deputados juntos, fortalecendo suas disputas à reeleição para a Assembleia no ano que vem. O nome ao lado de Amaro deverá ser o do senador Ricardo Ferraço (PSDB), mas o deputado do SD não deve fazer campanha conjunta como geralmente acontece nas disputas ao Senado. O parlamentar tem uma popularidade intransferível e tem se descolado cada vez mais de aliados. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Caetano Roque
Pressão neles
O movimento sindical deve conscientizar o trabalhador sobre quem estará na disputa do próximo ano contra ele
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Bicho-papão

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento