Seculo

 

Ministério Público quer cobrar da ECO-101 indenização a usuários de rodovia


10/08/2017 às 17:41
O Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF/ES) está movendo uma ação civil pública contra a concessionária ECO-101, que administra o trecho capixaba da BR-101, para que os usuários da via sejam indenizados pelo não duplicação da rodovia, como previsto em contrato. O MPF sugere a cobrança de R$ 10 milhões por dano moral coletivo e pede que o valor seja convertido integralmente em desconto na tarifa de pedágio. A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), responsável pela fiscalização, também está sendo processada.

O caso tramita na 4ª Vara Federal Cível de Vitória (ES), tombada sob nº 0022716-65.2017.4.02.5001. Na ação, o procurador da República, André Pimentel Filho, destaca que a concessionária não tem executado obras obrigatórias e essenciais para a segurança e fluidez do tráfego, previstas no Plano de Execução da Rodovia (PER). Apesar disso, o usuário continua a pagar a tarifa cheia, mesmo com a prestação de um serviço aquém do previsto no contrato, caracterizando assim flagrante descumprimento contratual por parte da concessionária, de acordo com o órgão ministerial.

Em relação à ANTT, o MPF sustenta que a agência estatal não vem usando de seu poder sancionatório para fazer valer as obrigações contratuais da concessionária, tampouco realizando as devidas revisões de modo a impactar negativamente na tarifa básica cobrada. Desta forma, a Procuradoria da República entende que a empresa não se vê forçada a cumprir com suas obrigações.

Segundo a denúncia, foi identificado que os atrasos se dão principalmente nas obras de duplicação em trechos de pista simples: Subtrecho E (km 255,8 a 305,8) e Subtrecho D (km 228,9 a 255,8); na construção do Contorno de Iconha; nas obras de construção de 27 quilômetros de vias locais; na construção de 16 passarelas de pedestres; nas retificações de traçado; e em outros investimentos, tais como implantação de sistema de telefonia de emergência e desapropriação e indenizações.

Outro ponto destacado na ação é o de que a concessionária tem responsabilidade pelo emprego de máxima e devida diligência para obter as liberações ambientais junto aos órgãos competentes, “o que parece não vem acontecendo”, destaca o documento. O MPF também rechaça as justificativas dadas pela empresa para não cumprir o acordo como, por exemplo, a perda de arrecadação. Para o órgão, a ECO-101 tem plena ciência de que o risco de tráfego é seu.

O autor da ação destaca que o trecho capixaba da BR-101 é especialmente relevante para a economia do Espírito Santo. A rodovia corta o estado de norte a sul, sendo o principal corredor logístico rodoviário e meio de ligação, direta ou indireta, da maioria dos municípios capixabas. Por essa razão, no entendimento do MPF, a ampliação e melhoria da rodovia é fundamental e estratégica. “A duplicação, em especial, é um dos benefícios, senão o principal, que justificou a concessão da rodovia à iniciativa privada”, diz a ação.

Para o MPF, as notáveis falhas regulatórias e os descumprimentos contratuais da concessionária em relação a obrigações essenciais e sobre as quais havia e ainda há grande expectativa da sociedade fazem surgir dano moral coletivo, o qual deve ser arcado pela concessionária como forma de punição pelas falhas apontadas e prevenção de reincidência. Por conta disso, a Procuradoria quer que a Eco101 seja condenada a pagar dano moral coletivo, sugerindo valor de R$ 10 milhões, montante que deve ser pago pela concessionária com desconto na tarifa de pedágio, em cálculo a ser efetuado pela ANTT.

A ECO-101 é controlada em 27,5% pela Centaurus Participações - formada, por sua vez, pelos grupos Águia Branca - Rio Novo Participações Ltda (24%), Coimex (24%), Tervap Pitanga (25%), A. Madeira Indústria e Comércio (10%), Contek Engenharia (10%), Urbesa (5%) e MMF (3%).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Só rabo preso

Se Majeski não conseguir acomodação para alçar voos mais altos em 2018, mercado já irá considerar Hartung reeleito no Estado. Assim, de mão beijada?

OPINIÃO
Piero Ruschi
Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho
Renata Oliveira
Hartung, o economista
O governador vem sendo incluído em uma casta de pensadores da economia brasileira; grupo arregimentado por Rodrigo Maia
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Caetano Roque
Uma questão de adequação
A CUT capixaba tem que analisar onde está seu erro e como consertar a saída das ruas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Só rabo preso

Parte dos tucanos quer Majeski como opositor de Hartung, mas PSDB não assume candidatura

Sejus rescinde contrato com empresa que forneceu comida imprópria a presos

Ministério Público arquiva inquérito contra ex-prefeito da Serra

Tribunal absolve funcionária pública acusada de acúmulo indevido de cargos