Seculo

 

Ex-prefeito de Ibitirama é absolvido de acusação de improbidade


11/08/2017 às 12:27
A juíza da Vara Única de Ibitirama (região Caparaó), Graciene Pereira Pinto, julgou improcedente uma ação de improbidade contra o ex-prefeito do município, Javan de Oliveira Santos. Ele foi acusado pelo Ministério Público Estadual (MPES) da abertura de créditos suplementares acima do permitido em lei. No entanto, a togada não vislumbrou a ocorrência de dolo (culpa). Essa foi a segunda vez que o político foi absolvido neste processo, ambas as vezes na primeira instância.

A primeira sentença, prolatada em abril de 2015, acabou sendo anulada pelo Tribunal de Justiça do Estado (TJES) em maio do ano passado. Naquela ocasião, o juízo considerou que o prefeito teria seguido as normas municipais, mas os desembargadores viram a necessidade de reapreciação do caso. Neste novo exame, a nova juíza chegou à mesma conclusão, absolvendo o ex-prefeito da acusação de improbidade.

“Assim, na espécie dos autos, registra-se que, embora tenha o prefeito municipal realizado a abertura e remanejamento de despesas de acordo com a Lei Municipal, tal ato, por si só, não importa ofensa aos princípios administrativos, uma vez que agiu amparado pela própria Lei Municipal. Nesse ínterim, não restou comprovado o dolo do agente público, razão pela qual, in casu, mostra-se improcedente o pedido inicial”, destacou Graciene Pinto.

Na denúncia inicial (0000584-06.2014.8.08.0058), o Ministério Público afirmou que Javan teria realizado a abertura de créditos suplementares no exercício de 2011 além do limite de 20% do total do orçamento. A defesa do prefeito alegou que a lei daquele ano foi omissa acerca da limitação de abertura e remanejamento de despesas. O MPES também arguiu a suposta inconstitucionalidade da norma, porém, a juíza citou precendentes em leis federais que permitem o remanejamento de recursos do orçamento aprovado.

A decisão foi assinada no dia 19 de junho, mas só foi publicada esta semana. A promotoria ainda pode recorrer da sentença.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Só rabo preso

Se Majeski não conseguir acomodação para alçar voos mais altos em 2018, mercado já irá considerar Hartung reeleito no Estado. Assim, de mão beijada?

OPINIÃO
Piero Ruschi
Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho
Renata Oliveira
Hartung, o economista
O governador vem sendo incluído em uma casta de pensadores da economia brasileira; grupo arregimentado por Rodrigo Maia
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Caetano Roque
Uma questão de adequação
A CUT capixaba tem que analisar onde está seu erro e como consertar a saída das ruas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Só rabo preso

Parte dos tucanos quer Majeski como opositor de Hartung, mas PSDB não assume candidatura

Sejus rescinde contrato com empresa que forneceu comida imprópria a presos

Ministério Público arquiva inquérito contra ex-prefeito da Serra

Tribunal absolve funcionária pública acusada de acúmulo indevido de cargos