Seculo

 

Pessoas com deficiência estudam ação na Justiça para garantir Porta a Porta


11/08/2017 às 13:31
O presidente do Movimento Organizado de Valorização da Acessibilidade (Mova), José Olympio Rangel Barreto, estuda ingressar na Justiça contra a falta de garantia à manutenção do Porta a Porta, programa municipal de transporte de pessoas com deficiência. Na última terça-feira (8), a Câmara de Vitória aprovou em segundo turno o projeto de Emenda à Lei Orgânica, de autoria do prefeito Luciano Rezende (PPS), que autoriza a integração do transporte municipal ao Sistema Transcol. 
O projeto, no entanto, não garante a manutenção do Porta a Porta. “Nós vamos esperar as coisas acontecerem e tomar as providências judiciais cabíveis para que não ocorra essa integração”, explica Olympio, que é autor de uma ação na Justiça que culminou com sentença, proferida em maio, contra a Prefeitura de Vitória determinando a efetivação de melhorias no programa. 
 
Entre elas, incremento de oito veículos à frota e agendamento mínimo de dois dias, incluindo dias úteis, feriados, pontos facultativos e finais de semana. A prefeitura, contudo, ignora a decisão. Hoje cerca de 400 pessoas estão na fila de espera para a utilização do Porta a Porta. A prefeitura se esquiva de melhorar o programa e sustenta a integração com o Transcol com o mesmo argumento: a crise do sistema municipal, no entanto ainda não comprovada em números ou dados.
 
Olympio rejeita a argumentação dos vereadores da base do prefeito Luciano Rezende segundo a qual o Porta a Porta não será extinto se efetivada a integração. 
 
“No tocante à parte de acessibilidade, não confiamos em ninguém, pois com um decreto de 2004 [que estabelece normas e critérios para a promoção da acessibilidade] para que tudo fosse plenamente acessível, é nítido e notório que a sociedade não quer a inclusão da pessoa com deficiência. Nem a Câmara de Vitória é acessível. Se os próprios vereadores não fazem o dever de casa, como acham que vão garantir o dever de casa de companheiros e de outros?”, dispara.
 
A perspectiva do presidente do Mova é pessimista em relação ao Porta a Porta caso a integração seja consumada. “Não acredito que o governo do Estado vai querer pegar esse pepino”, diz. Por outro lado, ele na justiça e promete galar até as últimas instâncias judiciais para defender o programa. 
 
“Temos várias leis a nosso favor, dentre tantas de pessoa com deficiência. Ainda temos o Código de Defesa do Consumidor e acima de tudo a nossa Convenção Internacional com peso de Emenda Constitucional. Acredito que nem o Supremo Tribunal Federal nos condena. Pelo contrário, nos apoiará caso necessitemos de ir às ultimas instâncias judiciais”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Carta ao inventor da música
''Mas que alma mora no sol?''
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Roberto Junquilho
Tem jabuti na árvore
Por trás da conturbada escolha do candidato ao governo, há uma clara demostração de poder de Hartung
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

'Devoção' cega

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete