Seculo

 

Prefeito interino desiste de candidatura na eleição extemporânea em Fundão


11/08/2017 às 17:08
O cenário político em Fundão se complicou. As mudanças desta semana reduziram para dois palanques a eleição extemporânea pela prefeitura do município. Depois da desistência do empresário Adriano Grazziotti (Pros) foi a vez do prefeito interino Eleazar Ferreira (PCdoB) sair da disputa. Com a desistência de Elazar, seguem na disputa João Manoel (DEM) e Joílson Nunes, o Pretinho (PDT).
 
Nos meios políticos, a desistência do prefeito estaria ligada a uma pressão forte de grupos interessados no contrato de coleta de lixo no município. No início do ano foi encaminhada à prefeitura uma denúncia de irregularidades nos contratos do serviço de coleta e gerenciamento de lixo no município. A prefeitura determinou uma sindicância que teria revelado vários problemas no serviço, oferecido pela empresa Fortaleza Ambiental e Gerenciamento de Resíduos Ltda – EPP.
 
A partir daí uma série de pressões de todos os lados vieram para cima do prefeito, seja por parte do grupo que defende a manutenção do contrato com a empresa, seja pelo grupo que quer a interrupção imediata do contrato e a realização de licitação emergencial para que uma nova empresa assuma os serviços de coleta e gerenciamento dos resíduos na cidade. 
 
A reportagem tentou ouvir Eleazar para entender os motivos que o levaram a sair da disputa e a polêmica envolvendo a auditoria no contrato do lixo, mas ele não retornou a ligação. 
 
Nas redes sociais, porém, o prefeito se manifestou sobre a auditoria. Isto porque foi divulgado no município que ele havia sido incluído no rol de denunciados, o que, afirmou Eleazar, não é possível, afinal, a auditoria compreendeu a gestão de 2013 a 2016. Como o prefeito interino assumiu a cidade em janeiro deste ano, não havia como ser responsabilizado pelas supostas irregularidades. 
 
“Esclareço que quem solicitou a devida auditoria foi a Prefeitura Municipal de Fundão, referente aos serviços prestados anos de 2013 a 2016; logo seria impossível a inclusão de meu nome no rol de responsáveis apontados neste relatório de auditoria. Esclareço também que o relatório está em caráter preliminar, cabendo ainda todo o contraditório e ampla defesa dos envolvidos, e sequer foi remetido ao meu gabinete para apreciação e conhecimento”, disse o prefeito interino em sua página no Facebook no último dia 20 de julho.
 
Para algumas lideranças locais, o comunista acabou incomodando grupos poderosos da cidade ao revirar a papelada na administração, o que o colocou em meio ao fogo cruzado. 
 
Polarização 
 
A saída de Eleazar Ferreira da disputa extemporânea em Fundão deixa o pleito do próximo dia 1 de outubro polarizado entre o palanque de Pretinho e João Maonel. Eleazar deixa a disputa, mas deve apoiar João Manoel na nova eleição. 
 
O candidato Pretinho disputou a vice na chapa de Anderson Pedroni (PSD) na eleição de 2016. Como Pedroni teve a candidatura impugnada, o município passará por nova eleição e ele não poderá disputar. Vai tentar transferir seus votos para Pretinho, que vai compor chapa com a candidata a vice Alexsandra Pedroni (PSD), esposa de Anderson. 
 
João Manoel (DEM) parte para sua quarta disputa para prefeito do município. Ele terá ao seu lado no palanque o vereador Elielton Rocha (PMN). O grupo é considerado forte e pode rivalizar bem a disputa com os aliados de Pedroni. 
 
Uma situação que pode ajudar o palanque do demista é fato de parte do eleitorado de Pedroni estar decepcionado com as promessas do então candidato que ganhou, mas não levou. Pedroni passou todo o período da eleição do ano passado, dizendo que seu problema na Justiça seria facilmente contornado e ele tomaria posse como prefeito, o que não aconteceu. 
 
Outro questionamento é o sobre a escolha de Pedroni sobre o palanque a apoiar. Pedroni teve muita influência na escolha de Eliazar para a presidência da Câmara de Fundão, o que o tornou, automaticamente, prefeito interino. Mas ao demonstrar interesse na nova disputa, pregando a continuidade do trabalho desenvolvido até aqui, perdeu o apoio do padrinho político.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Só rabo preso

Se Majeski não conseguir acomodação para alçar voos mais altos em 2018, mercado já irá considerar Hartung reeleito no Estado. Assim, de mão beijada?

OPINIÃO
Piero Ruschi
Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho
Renata Oliveira
Hartung, o economista
O governador vem sendo incluído em uma casta de pensadores da economia brasileira; grupo arregimentado por Rodrigo Maia
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Caetano Roque
Uma questão de adequação
A CUT capixaba tem que analisar onde está seu erro e como consertar a saída das ruas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Só rabo preso

Parte dos tucanos quer Majeski como opositor de Hartung, mas PSDB não assume candidatura

Sejus rescinde contrato com empresa que forneceu comida imprópria a presos

Ministério Público arquiva inquérito contra ex-prefeito da Serra

Tribunal absolve funcionária pública acusada de acúmulo indevido de cargos