Seculo

 

PDT e PSB nacionais se aproximam e estaduais observam movimentação


12/08/2017 às 18:33
Duas siglas importantes e cobiçadas nacionalmente têm aberto dialogo para o processo eleitoral do ano que vem, o que faz com que as lideranças estaduais dos dois partidos passem a observar essa conversa com interesse. Nessa semana, o presidente Nacional do PDT, Carlos Lupi, deu início a uma aproximação com o PSB, de Carlos Siqueira, e falou sobre o assunto com o a Folha de Pernambuco
 
Com a saída do PSB do governo de Michel Temer, os partidos puderam retomar um diálogo que sempre existiu entre as siglas e que pode se repetir em 2018. Nesse contexto, as movimentações nos estados também devem ser importantes. O PDT tem como presidenciável o ex-ministro de Lula, Ciro Gomes. No PSB há muitas correntes debatendo o futuro do partido, uma delas com candidatura própria, outra defendendo uma postura mais à direita e outra mais à esquerda. 
 
O partido pode vir a perder deputados insatisfeitos com a movimentação interna do ninho da pomba, o que pode levar a um enfraquecimento da sigla. Assim, uma aliança com o PDT pode ser bem proveitosa para os projetos socialistas.
 
No Espírito Santo, as lideranças dos dois partidos observam a movimentação nacional e a acomodação nos palanques locais. Entre as lideranças com as quais Lupi afirma ter conversado está o ex-governador Renato Casagrande, com quem o presidente do PDT nacional afirma ter excelente relação.
 
De fato, Casagrande tem boa relação com o PDT, sobretudo com o deputado federal Sérgio Vidigal, de quem já foi secretário de Meio Ambiente, na gestão do pedetista na Serra. Na última eleição, Vidigal e seu grupo estiveram ao lado de Paulo Hartung, mas hoje estariam, segundo os meios políticos, insatisfeitos com a falta de espaço do partido no governo peemedebista.

Não há, porém, uma garantia de que Casagrande venha mesmo a disputar o governo, mas se as articulações entre PDT e PSB avançarem, o grupo pode precisar de um palanque no Estado. Como Ciro Gomes tem sido visto como uma espécie de Plano B à candidatura de Lula, esse grupo pode atrair também o PT, que no Estado também já caminhou em vários momentos ao lado do PSB e do PDT.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Só rabo preso

Se Majeski não conseguir acomodação para alçar voos mais altos em 2018, mercado já irá considerar Hartung reeleito no Estado. Assim, de mão beijada?

OPINIÃO
Piero Ruschi
Instituto Nacional Imoral da Mata Atlântica
O longo caminho até esse crime contra o patrimônio cultural foi repleto de ações tão indecorosas quanto seu indigno desfecho
Renata Oliveira
Hartung, o economista
O governador vem sendo incluído em uma casta de pensadores da economia brasileira; grupo arregimentado por Rodrigo Maia
JR Mignone
Radiamadores
Os radioamadores continuam na sua ação principal, aquela de ajudar, informar, localizar, conhecer e explorar as distâncias
Caetano Roque
Uma questão de adequação
A CUT capixaba tem que analisar onde está seu erro e como consertar a saída das ruas
BLOGS
Blog do Phil

Phil Palma

Um homem nu.
Flânerie

Manuela Neves

Sizino, o pioneiro
Panorama Atual

Roberto Junquilho

A Força Nacional e o marketing de uma falsa segurança
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

A árvore da via
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Só rabo preso

Parte dos tucanos quer Majeski como opositor de Hartung, mas PSDB não assume candidatura

Sejus rescinde contrato com empresa que forneceu comida imprópria a presos

Ministério Público arquiva inquérito contra ex-prefeito da Serra

Tribunal absolve funcionária pública acusada de acúmulo indevido de cargos