Seculo

 

Não vai ser desta vez


12/08/2017 às 19:04
O governo do Estado é um caminho natural para os prefeitos da Grande Vitória, mas não vai ser desta vez que um deles irá para a prateleira de cima. O governador Paulo Hartung (PMDB) tem preparado um caminho eleitoral para 2018 em que ele possa disputar sem adversários para contrapor seu projeto de reeleição. Já os prefeitos ainda não conseguiram a musculatura necessária para um passo adiante. 
 
Ao conquistar a reeleição, o prefeito de Vitória, Luciano Rezende (PPS), poderia ser o nome que mais agregaria forças para a disputa. Poderia ser um Plano B no grupo de Renato Casagrande (PSB), mas hoje o prefeito da Capital não é mais visto assim pelo mercado político. Sua visão pouco ampla da cidade e o enfraquecimento de seu grupo político se unem ao fato de ter sido também citado na lista da Odebrecht, o que torna praticamente inviável uma aventura em 2018. 
 
Outro nome muito forte até bem pouco tempo atrás era o do prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede). Vencendo a eleição no mais populoso município da Grande Vitória, ele saiu fortalecido no embate contra Sergio Vidigal (PDT), mas a polarização do município começa a dar sinais de desgaste e a não decolagem de seu partido cria muitas dúvidas sobre a musculatura para 2018. 
 
Do outro lado da Grande Vitória, Geraldo Luzia, o Juninho, é do PPS, mas não é de Luciano. Tem uma relação muito boa com o governador Paulo Hartung, tem contrapartida nessa aliança, e deve se dedicar à conclusão de seu mandato pensando em um voo mais alto, provavelmente a Câmara dos Deputados, mas em 2022. 
 
Na cidade vizinha, Viana, Gilson Daniel (Podemos) é uma liderança a ser observada de perto e com cautela. Tanto que o próprio Hartung entendeu que não era interessante tê-lo do outro lado. Daniel, porém, também vai cuidar do segundo mandato e pensar em outras acomodações em um futuro mais distante. 
 
Quem também entende que seu momento será no futuro é Max Filho (PSDB). Um dos nomes mais respeitados no PSDB, o projeto do prefeito de Vila Velha vai ser o de concluir com sucesso o mandato. Antes mesmo de qualquer movimentação para 2016, Max Filho vinha sendo cotado para a disputa ao governo, mas sempre desviou do assunto, deixando o tema para ser discutido em 2022. 
 
Aliás, esse sim vai ser o pleito dessas lideranças. A tendência é de que o ciclo de Hartung no governo termine de vez com a reeleição ao governo e abra caminho para esses nomes. Quer dizer, para os que sobreviverem politicamente até lá.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Tapa na cara'

Na semana do Dia do Professor, os homenageados da Assembleia: Hartung, Haroldo Rocha e a vitrine Escola Viva. É mole ou quer mais?

OPINIÃO
Editorial
Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio
Hartung tem feito publicidade nacional para mostrar que o ES é o novo paraíso para investidores. Esconde, porém, os problemas internos, que não são poucos
Renata Oliveira
Hartung fica?
O tempo passa e nada de Hartung deixar o PMDB. Já tem gente apostando que ele não sai do partido
JR Mignone
Meio a meio
Seria esta a solução para ter uma programação de rádio com a participação de emissora de fora?
Geraldo Hasse
Está começando o ano 2018
Tudo indica que o único evento positivo do próximo ano será a Copa do Mundo
Caetano Roque
Sindicalismo unilateral
O processo de debate no movimento sindical deve ser participativo, mas não é isso que vem acontecendo no país
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Tapa na cara'

Está começando o ano 2018

Ricardo Ferraço tenta construir imagem de ficha limpa e prega tolerância zero à corrupção

Mais veneno para o Espírito Santo

Ajuste fiscal, a 'isca' do negócio