Seculo

 

Ecos das masmorras


14/08/2017 às 23:26
Nos primeiros dias do terceiro mandato do governador Paulo Hartung (PMDB) o sistema prisional capixaba contabilizava mais uma vítima. Wesley Belz Guidoni morreu em circunstâncias suspeitas na Centro de Detenção Provisório de Colatina (CDPCol). 

Tribunal julga se é válida exclusão de diretores de denúncia de tortura e morte em Colatina
 
O inquérito policial pediu o indiciamento de 17 pessoas pela morte do interno. Todos funcionários da unidade. O diretor do CDPCol, Alexandre Magno Amaral Ferreira, e o diretor-adjunto, Mário Giurizzato, foram acusados de tortura qualificada na modalidade omissiva e por tortura qualificada pela morte de Wesley. 
 
De acordo com o inquérito, com a suposta conivência dos diretores, os agentes penitenciários precisaram de apenas 72 horas para pôr fim à vida de Wesley. Isso mesmo, o interno passou apenas três dias na unidade por desacato, resistência à prisão e danos. 
 
Wesley era um alcoolista conhecido na cidade, que fazia uso de medicamentos para epilepsia. Ele foi preso porque numa briga em um bar ameaçara o próprio pai. O corpo de Wesley apresentava sinais de tortura, com hematomas; punhos quebrados; estrangulamento; marcas de amarrações nos punhos e tornozelos; queimaduras nas costas, pescoço e coluna; e costelas quebradas. Até o pescoço foi quebrado. 
 
Os Processos Administrativos Disciplinares (PADs) abertos pela Secretaria de Estado da Justiça (Sejus) resultaram na suspensão dos servidores. A punição mais “severa” foi um “gancho” de 15 dias para os diretores. Os agentes pegaram 10 dias. 
 
Se a Sejus foi branda na punição administrativa, a Justiça foi ainda mais condescendente em relação ao crime em si. O juízo de Colatina não aceitou a denúncia contra os diretores, o que motivou a mãe da vítima, por meio da Defensoria Pública, a ingressar com um incidente processual no Tribunal de Justiça, pedindo a reforma da decisão da Justiça de primeiro grau, que livrou os diretores. 
 
Para chamar atenção para o caso, a família de Wesley organiza um protesto em frente ao TJES nesta quarta-feira (16), quando o recurso será julgado. Os familiares querem que a justiça seja feita e os culpados punidos pela tortura e morte de Wesley. 
 
Os amigos e familiares se mobilizam porque temem que os responsáveis saiam impunes. Eles têm motivos para desconfiança. Nos dois primeiros mandatos do governador Paulo Hartung o sistema prisional do Espírito Santo ficou conhecido nacional e internacionalmente pelos casos de violações de direitos, que deixaram um rastro de torturas e mortes no sistema.
 
No último ano do segundo mandato de Hartung, em 2010, o governador já era conhecido pela alcunha de “senhor das masmorras”. A gravidade dos fatos levou os casos de violações de direitos à Organização das Nações Unidas (ONU). Até hoje a Organização dos Estados Americanos (OEA) mantém medidas protetivas contra o Espírito Santo devido aos casos de torturas praticados no sistema prisional (masculino e feminino) e também nas unidades de privação de liberdade para adolescentes. 
 
Apesar do retrospecto de violações, marcado por casos como o de Wesley, que terminou em morte, este ano, Hartung tentou pôr a gestão prisional como modelo na “vitrine nacional” que exibe as conquistas de seu governo. 
 
Nesta quarta-feira o Tribunal terá a chance de incluir os diretores como corresponsáveis pela morte de Wesley e fazer justiça . Além de atender a um clamor da família da vítima, a decisão confrontaria a propaganda institucional ao mostrar que este é um governo que segue violando direitos. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018