Seculo

 

Uma questão de adequação


15/08/2017 às 13:36
Este ano duas eleições do cenário sindical servem de parâmetro para observar o comportamento da Central Única dos Trabalhadores. De um lado os metalúrgicos fizeram uma eleição de chapa única, sem disputa e sem polêmicas. Do outro temos a eleição do Sindicato dos Comerciários que acabou judicializada. 
 
Cabe agora a CUT fazer a avaliação, a primeira não teve disputa porque a chapa manobrou bem? A outra eleição foi complicada porque o grupo manobrou mal? E como fica o papel dos trabalhadores das categorias nesse contexto? Os interesses do trabalhador, nas duas questões estão sendo contemplados?
 
Os metalúrgicos têm um desafio e tanto pela frente. O presidente do sindicato agora é funcionário da Samarco. A empresa responsável pelo crime ambiental em Mariana, que atingiu todo o rio Doce, agora tenta voltar ao funcionamento, enquanto tenta manobrar para não pagar por seus crimes. 
 
Caberá agora ao sindicato se posicionar. Não dá para colocar o galho dentro. Se o presidente atua apenas como sindicalista, defendendo emprego, vai deixar de lado sua função também social, esquecendo que a empresa é criminosa. Vai pagar esse preço? 
 
A responsabilidade do sindicato agora é brutal. A empresa não vem cumprindo os acordos trabalhistas e precisa ser enquadrada. Até porque as conquistas que estão lá são bem anteriores à atual crise e o fato de estar em crise não dá direito à empresa de fazer o que quiser. 
 
De uma forma geral, a CUT precisa avaliar qual o seu papel nas disputas sindicais, precisa encontrar uma forma de garantir a democracia. Uma dessas formas seria criar um estatuto padrão, mas também é preciso fiscalizar e impedir as manobras. É hora de depurar o movimento sindical e as eleições é uma excelente oportunidade para corrigir os desvios da função sindical.
 
É hora da mudança!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Tabuleiro de 2018

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018