Seculo

 

Uma questão de adequação


15/08/2017 às 13:36
Este ano duas eleições do cenário sindical servem de parâmetro para observar o comportamento da Central Única dos Trabalhadores. De um lado os metalúrgicos fizeram uma eleição de chapa única, sem disputa e sem polêmicas. Do outro temos a eleição do Sindicato dos Comerciários que acabou judicializada. 
 
Cabe agora a CUT fazer a avaliação, a primeira não teve disputa porque a chapa manobrou bem? A outra eleição foi complicada porque o grupo manobrou mal? E como fica o papel dos trabalhadores das categorias nesse contexto? Os interesses do trabalhador, nas duas questões estão sendo contemplados?
 
Os metalúrgicos têm um desafio e tanto pela frente. O presidente do sindicato agora é funcionário da Samarco. A empresa responsável pelo crime ambiental em Mariana, que atingiu todo o rio Doce, agora tenta voltar ao funcionamento, enquanto tenta manobrar para não pagar por seus crimes. 
 
Caberá agora ao sindicato se posicionar. Não dá para colocar o galho dentro. Se o presidente atua apenas como sindicalista, defendendo emprego, vai deixar de lado sua função também social, esquecendo que a empresa é criminosa. Vai pagar esse preço? 
 
A responsabilidade do sindicato agora é brutal. A empresa não vem cumprindo os acordos trabalhistas e precisa ser enquadrada. Até porque as conquistas que estão lá são bem anteriores à atual crise e o fato de estar em crise não dá direito à empresa de fazer o que quiser. 
 
De uma forma geral, a CUT precisa avaliar qual o seu papel nas disputas sindicais, precisa encontrar uma forma de garantir a democracia. Uma dessas formas seria criar um estatuto padrão, mas também é preciso fiscalizar e impedir as manobras. É hora de depurar o movimento sindical e as eleições é uma excelente oportunidade para corrigir os desvios da função sindical.
 
É hora da mudança!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba