Seculo

 

Operação seletiva


17/08/2017 às 23:48
Depois de 22 dias de paralisação, a greve da Polícia Militar acabou em fevereiro passado. A polícia voltou às ruas, mas a tensão segue premente na caserna.  A crise na segurança pública que desestabilizou o governo é um fantasma que assombra o governador Paulo Hartung (PMDB) em véspera de ano eleitoral.
 
Sentindo-se vulnerável, a estratégia do governo é transmitir à sociedade que o Estado tem pleno controle sobre a polícia e que a crise foi superado. Dentro desse plano, o secretário de Segurança Pública André Garcia tem distribuído viaturas da PM em pontos estratégicos dos municípios da Grande Vitória para mostrar que a polícia está presente e cada vez mais próxima da população. 
 
Em conjunto com essa estratégia de fazer “vitrine”, o secretário de Segurança tem organizado megaoperações na região metropolitana para chamar a atenção da sociedade. Nesta quinta-feira (17), Garcia coordenou a uma megaoperação em Jesus de Nazareth - já havia feito outras duas:  uma no Baiiro da Penha, também em Vitória e outra em Ourimar, Serra. 
 
A operação iniciada às 5 horas da manhã desta quinta contou com cerca de 400 policias e teve apoio de um helicóptero, que pousou na Avenida Beira-Mar, dando um toque cinematográfico à ação. Apesar da caráter mega da operação, o balanço foi pífio. Algumas armas e drogas apreendidas e cinco pessoas detidas. 
 
Mandados coletivos de busca permitiram que os policiais entrassem nas casas inadvertidamente. Imagine ser acordado com a polícia invadindo a sua casa, revirando suas pertences e empunhando escopetas na frente de seus filhos? É assim que muitas famílias devem ter se sentido está manhã em Jesus de Nazareth.
 
A megaoperação para mostrar que o Estado está presente violou o Estado Democrático de Direito. O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil no Espírito Santo, Homero Mafra, condenou a o uso do mandado coletivo ou genérico na operação. “É criminalizar a pobreza e violentar a Constituição, violentar o mandamento que assegura a inviolabilidade do domicílio. É assim que o Estado quer combater o crime? Cometendo outro crime? Nada justifica o abuso e a prepotência”, lamentou Mafra.
 
O presidente da Ordem toca num ponto-chave. O governo do Estado, em nome de combater o crime, cometeu outro crime: violou frontalmente o Estado Democrático de Direito. 
 
Homero Mafra garantiu que a Ordem vai exigir explicações sobre as arbitrariedades cometidas contra os moradores de Jesus de Nazareth ao secretário André Garcia, que já avisou que planeja novos operações.  O presidente da Ordem afirmou que a megaoperação “é criminalização da pobreza, é estigmatização, é visão do direito penal da guerra, é uma violência contra a Constituição de forma absoluta”. 
 
É importante que o presidente da Ordem mantenha-se indignado e não recue no compromisso de impedir que o Estado continue violando direitos, sobretudo nos segmentos socialmente mais vulneráveis, predominante formados por pobres e negros. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Hartung, o suspense

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia