Seculo

 

Crise Ambiental


23/08/2017 às 15:00
“A crise da educação no Brasil não é uma crise, é um projeto”. A célebre frase de Darcy Ribeiro parece refletir uma máxima verdadeira para todas as camadas da “cebola política” brasileira – meio ambiente incluso.
 
Apesar de ser abençoado pela ausência de desastres naturais como vulcões, terremotos e tufões, o Brasil amarga a desgraça de suas catástrofes ambientais. E nós, capixabas, juntamente com nossos vizinhos mineiros, tivemos a infelicidade de sediar o ápice dessas tragédias: a enxurrada contaminante do Rio Doce e seu estuário, que infringiu brutalmente as políticas públicas do Ministério do Meio Ambiente Brasileiro, mas, nem por isso, deixou de ser solenemente ignorada.
 
Se por um lado a sociedade brasileira ainda luta para assimilar o caráter imprescindível da preservação ambiental na busca por uma consciente ordem e progresso da nação, por outro lado, os destruidores aceleram a implementação de projetos cada vez mais escancarados.
 
O evento mais recente de planejamento estratégico contra o meio ambiente nacional alcança o absurdo e junto a ele expõe o menosprezo à cidadania impregnado em nossa política. Tratam-se das Ações Diretas de Inconstitucionalidade nº4717e nº3646, as quais propõem a votação de leis para permitir o descumprimento da Legislação Ambiental vigente, sobretudo no que se refere aos pilares do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Ou seja, o placebo social para não cometer crimes ambientais seria a descriminalização da destruição de unidades de conservação.
 
O alarde das ONGs conservacionistas diante dessa ameaça não deixa dúvidas. Seria o verdadeiro cataclisma! Essa simples medida poderia atingir de uma só vez todos os ambientes protegidos do país, escalonando o crime contra o Rio Doce à mera ponta de um “iceberg” de devastação da vida.
 
Novamente, nós, capixabas, teríamos muito a perder. Das nossas florestas de tabuleiro habitadas por onças pintadas e gaviões reais à rica cadeia de montanha submersa de nossa costa, nossas restingas, manguezais e os campos de altitude... 
 
Uma vasta diversidade natural que historicamente representa uma potência de desastres ambientais, como uma bomba relógio. Mais do que nunca, o Espírito Santo e o Brasil precisam de um melhor planejamento econômico – um que não esteja disposto a rifar as riquezas da humanidade!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba