Seculo

 

Crise Ambiental


23/08/2017 às 15:00
“A crise da educação no Brasil não é uma crise, é um projeto”. A célebre frase de Darcy Ribeiro parece refletir uma máxima verdadeira para todas as camadas da “cebola política” brasileira – meio ambiente incluso.
 
Apesar de ser abençoado pela ausência de desastres naturais como vulcões, terremotos e tufões, o Brasil amarga a desgraça de suas catástrofes ambientais. E nós, capixabas, juntamente com nossos vizinhos mineiros, tivemos a infelicidade de sediar o ápice dessas tragédias: a enxurrada contaminante do Rio Doce e seu estuário, que infringiu brutalmente as políticas públicas do Ministério do Meio Ambiente Brasileiro, mas, nem por isso, deixou de ser solenemente ignorada.
 
Se por um lado a sociedade brasileira ainda luta para assimilar o caráter imprescindível da preservação ambiental na busca por uma consciente ordem e progresso da nação, por outro lado, os destruidores aceleram a implementação de projetos cada vez mais escancarados.
 
O evento mais recente de planejamento estratégico contra o meio ambiente nacional alcança o absurdo e junto a ele expõe o menosprezo à cidadania impregnado em nossa política. Tratam-se das Ações Diretas de Inconstitucionalidade nº4717e nº3646, as quais propõem a votação de leis para permitir o descumprimento da Legislação Ambiental vigente, sobretudo no que se refere aos pilares do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Ou seja, o placebo social para não cometer crimes ambientais seria a descriminalização da destruição de unidades de conservação.
 
O alarde das ONGs conservacionistas diante dessa ameaça não deixa dúvidas. Seria o verdadeiro cataclisma! Essa simples medida poderia atingir de uma só vez todos os ambientes protegidos do país, escalonando o crime contra o Rio Doce à mera ponta de um “iceberg” de devastação da vida.
 
Novamente, nós, capixabas, teríamos muito a perder. Das nossas florestas de tabuleiro habitadas por onças pintadas e gaviões reais à rica cadeia de montanha submersa de nossa costa, nossas restingas, manguezais e os campos de altitude... 
 
Uma vasta diversidade natural que historicamente representa uma potência de desastres ambientais, como uma bomba relógio. Mais do que nunca, o Espírito Santo e o Brasil precisam de um melhor planejamento econômico – um que não esteja disposto a rifar as riquezas da humanidade!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações