Seculo

 

Crise Ambiental


23/08/2017 às 15:00
“A crise da educação no Brasil não é uma crise, é um projeto”. A célebre frase de Darcy Ribeiro parece refletir uma máxima verdadeira para todas as camadas da “cebola política” brasileira – meio ambiente incluso.
 
Apesar de ser abençoado pela ausência de desastres naturais como vulcões, terremotos e tufões, o Brasil amarga a desgraça de suas catástrofes ambientais. E nós, capixabas, juntamente com nossos vizinhos mineiros, tivemos a infelicidade de sediar o ápice dessas tragédias: a enxurrada contaminante do Rio Doce e seu estuário, que infringiu brutalmente as políticas públicas do Ministério do Meio Ambiente Brasileiro, mas, nem por isso, deixou de ser solenemente ignorada.
 
Se por um lado a sociedade brasileira ainda luta para assimilar o caráter imprescindível da preservação ambiental na busca por uma consciente ordem e progresso da nação, por outro lado, os destruidores aceleram a implementação de projetos cada vez mais escancarados.
 
O evento mais recente de planejamento estratégico contra o meio ambiente nacional alcança o absurdo e junto a ele expõe o menosprezo à cidadania impregnado em nossa política. Tratam-se das Ações Diretas de Inconstitucionalidade nº4717e nº3646, as quais propõem a votação de leis para permitir o descumprimento da Legislação Ambiental vigente, sobretudo no que se refere aos pilares do Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Ou seja, o placebo social para não cometer crimes ambientais seria a descriminalização da destruição de unidades de conservação.
 
O alarde das ONGs conservacionistas diante dessa ameaça não deixa dúvidas. Seria o verdadeiro cataclisma! Essa simples medida poderia atingir de uma só vez todos os ambientes protegidos do país, escalonando o crime contra o Rio Doce à mera ponta de um “iceberg” de devastação da vida.
 
Novamente, nós, capixabas, teríamos muito a perder. Das nossas florestas de tabuleiro habitadas por onças pintadas e gaviões reais à rica cadeia de montanha submersa de nossa costa, nossas restingas, manguezais e os campos de altitude... 
 
Uma vasta diversidade natural que historicamente representa uma potência de desastres ambientais, como uma bomba relógio. Mais do que nunca, o Espírito Santo e o Brasil precisam de um melhor planejamento econômico – um que não esteja disposto a rifar as riquezas da humanidade!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Tabuleiro de 2018

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018