Seculo

 

Abayomi vai às ruas


24/08/2017 às 18:37
Membros da comunidade escolar foram às ruas nesta quinta-feira (24) protestar ao ato de racismo ocorrido no Centro Municipal de Educação Infantil Cida Barreto. A manifestação, que reuniu cerca de uma centena de pessoas, entre pais, professores e representantes de movimentos sociais, foi um ato em protesto à intolerância do pastor João Brito, da Igreja Evangélica Batista de Vitória. 
 
Há cerca de duas semanas, o religioso mandou retirar da parede da Cmei, que funciona num anexo da igreja, um cartaz feito pelos alunos que exibia uma boneca Abayomi. A atividade pedagógica do Cmei foi proposta com o intuito de trabalhar a diversidade e as questões étnico-raciais com as crianças. 
 
As bonecas eram confeccionadas pelas escravas nos porões dos navios negreiros com trapos de suas próprias vestes para entreter as crianças nas longas viagens da África para a América. Para o pastor, porém, a boneca Abayomi é um símbolo do mal. “É uma boneca que representa orixá, amuleto, comparado aos vodus haitianos”, disse Brito ao site BuzzFeed Brasil, após a polêmica vir à tona.
 
Os argumentos confirmam o posicionamento racista do pastor no episódio, que desrespeitou o princípio da laicidade na educação pública. 
 
A manifestação desta quinta-feira pressiona a Prefeitura de Vitória a descer do muro e tomar uma posição firme sobre a polêmica. Afinal, foi a administração municipal que decidiu pelo arranjo mal-ajambrado de alugar o espaço da Igreja Evangélica Batista para abrigar o Cmei. O contrato de locação de cerca de R$ 40 mil mensais de certo não confere ao pastor plenos poderes para arbitrar o que considera ofensivo ou não aos dogmas da sua religião. 
 
A Prefeitura de Vitória precisa deixar a politicagem de lado e tratar o episódio da Cmei Cida Barreto pelo viés da educação. O compromisso político com vereadores ligados a correntes religiosas na Câmara de Vitória não pode prevalecer sobre as diretrizes curriculares que devem garantir o respeito à diversidade e às questões étnico-raciais. 
 
Como bem assinalou Daniel Barboza, do Conselho Municipal do Negro (Conegro) no ato público, a Abayomi está permitindo conversar sobre esse tema com as crianças e também com a sociedade. “Bendita boneca”, disse Barboza.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento

Ato público abre Semana Sem Petróleo no Espírito Santo