Seculo

 

Bicicleta: Vitória ainda vive ‘conflitos’ no uso do espaço urbano


26/08/2017 às 19:00
A audiência pública realizada quinta-feira (24), na Câmara de Vitória, para discutir o uso da bicicleta como meio de transporte, mostrou que a capital capixaba ainda tem que superar desafios para se tornar menos hostil aos ciclistas. A fala inicial, do engenheiro da Secretaria Municipal de Desenvolvimento da Cidade (Sedec), Leonardo Shutle, apontou o embate com as vagas de estacionamento para instalar ciclovias.
 
Citou os 800 metros da ciclovia na Avenida Saturnino de Brito, que ligou a Praia de Camburi à Praça dos Namorados. A obra, inaugurada em 2014, foi embargada três vezes. A disputa judicial foi provocada para a manutenção dos estacionamentos sobre as calçadas. 
 
A implantação da ciclovia da Avenida Rio Branco é o mais novo capítulo dessa história. Shutle explicou que a equipe técnica da prefeitura elaborou pelo menos seis opções de projetos cicloviários para o local. A melhor é uma via bidirecional entre a Ponte Ayrton Senna e a Avenida Leitão da Silva, que elimina cerca de 90 vagas de estacionamento. “Para nós, era melhor eliminar as vagas de ambas as faixas, com duas ciclovias unidirecionais”, ressalvou.
 
A ciclovia da Rua da Grécia, entre a Praia do Canto e o Barro Vermelho, também está nos planos da prefeitura. “Ali, a gente tem, por incrível que pareça, atropelamento”, destacou. O tráfego ali é intenso: segundo Shutle, o trecho registra quase 120 ciclistas nas horas/pico, a sair para atravessar a rua.
 
O engenheiro também mostrou como ciclovias oferecem mais segurança ao ciclista: não há registro de mortes de ciclistas na região da Ciclovia do Porto, no Centro. Antes, disse, a taxa era de uma, ou até duas, por ano. Ali foram removidas 130 vagas  de estacionamento.
 
Membro do Programa Vida no Trânsito, do Ministério da Saúde, ele destacou que o Centro e a Avenida Fernando Ferrari estão entre os pontos mais críticos da cidade no registro de acidentes.
 
O secretário municipal de Trânsito, Transporte e Infraestrutura Urbana, Tyago Hoffmann, destacou o Bike Vitória, o programa municipal de compartilhamento de bicicletas. Ele contou que os principais dias de uso das bicicletas são segunda e quarta-feira, nos horários de pico matutino (6h às 8h) e vespertino (17h às 18h), o que indica que o uso para trabalho pode ser maior que o para lazer. 
 
Hoffman também destacou que a Avenida Maruípe é um grande desafio cicloviário. A avenida já foi alvo de protestos de cicloativistas cobrando instalação de ciclovias. “Há uma grande demanda de instalação de Bike Vitória lá. Mas não temos segurança de colocar o equipamento. As pessoas que circulam por lá já não se deslocam com segurança”, disse. 
 
Integrante de um grupo de pesquisa sobre mobilidade urbana da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), a estudantes Malena Ramos Silva deu um dado preocupante: segundo levantamento feito pelo grupo, 70% dos entrevistados apontaram a sensação de insegurança como principal aspecto de desestímulo ao uso da bike. Por insegurança, entende-se o alto risco de acidentes.
 
Representante da União dos Ciclistas do Brasil (UCB), Fernando Braga destacou que 90% dos leitos de traumatologia nos hospitais estão ocupados por vítimas de acidentes de trânsito. “As pessoas falam muito do 1,5 metro, mas gosto muito de reforçar o artigo 220 [do Código Brasileiro de Trânsito], que fala de redução de velocidade ao passar pelo ciclista”.
 
Representante do projeto Bike Anjo, Luiz Son chamou atenção que a audiência falou pouco das pessoas. “Todas as ferramentas estão aí, mas por que as coisas não acontecem? A gente bota a culpa no trânsito, mas quem é o trânsito senão as pessoas?”. Ele ponderou que o Bike Anjo não ensina pessoas a andar de bicicleta, mas integra as pessoas.
 
Na abertura das falas, o membro do Movimento Organizado de Valorização da Acessibilidade (Mova), José Olympio Rangel, cobrou de Hoffmann o cumprimento da sentença judicial que determina melhorias no Porta a Porta, programa municipal de transporte de pessoas com deficiência.
 
Antonio Guerra alertou para um dos grandes problemas cicloviários de Vitória: quando os ciclistas agem como os motoristas nas ruas e se acham donos das calçadas. Ciclista afugentando pedestres com buzina é cena comum na Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, no Centro.
 
Luiz Son contou que já fez campanhas no local para minimizar o problema. “Eu sou ciciclista e fiz três campanhas junto com a associação de moradores do Centro para falar para o ciclista que ele não pode passar nos pontos de ônibus pedalando. Quase fomos atropelados por ciclistas. Portanto, a segregação não é a solução”, disse. 
 
A solução, destacou, passa por campanhas pelo uso racional das vias. Luiz também disse que o problema está se repetindo no trecho da Rua de Lazer do Centro. “Quando começou, eu via idosos ocupando as ruas com cadeiras e crianças pulando corda”. O cenário mudou. “Hoje o que eu vejo é um monte de ciclistas pedalando não só na ciclofaixas, mas também na outra área estendida”, lamentou.
 
Ele sugeriu ao secretário Tyago Hoffmann a realização de campanhas educativas no local pedido para os ciclistas pedalarem devagar e respeitarem o pedestre. “A via também é do pedestre”. A audiência foi proposta pelo vereador Davi Esmael (PSB).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Prefeitura da Serra
‘Liberou geral’

Foi só o prefeito Audifax Barcelos ver ameaçada sua costura com o empresariado, que logo apareceu para ‘colocar a mão’ na Câmara da Serra

OPINIÃO
Editorial
Sem mérito
Governo Hartung explora gestão florestal para tentar esconder atuação pífia e direcionada na área
Piero Ruschi
Pets: uma questão de responsabilidade socioambiental
Felizes as pessoas que podem ter um animal de estimação! Felizes os animais de estimação que têm um dono responsável!
Gustavo Bastos
Odessey and Oracle
''uma pérola do psicodelismo e do pop barroco britânico''
Bruno Toledo
Por que negar os Direitos Humanos?
Não há nada de novo nesse discurso verde e amarelo que toma as ruas. É a simples manutenção das bases oligárquicas do Brasil
Eliza Bartolozzi Ferreira
Políticas de retrocesso
Dados educacionais do governo Paulo Hartung são alarmantes
Roberto Junquilho
Que novo é esse?
O presidenciável do PRB, Flávio Rocha, apresenta velhas fórmulas de gestão e envolve jovens lideranças
Geraldo Hasse
Tchernóbil 32 anos
Por causa do acidente nuclear de 1986, a longevidade da Bielorrússia caiu abaixo de 60 anos
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Para, relógio
MAIS LIDAS

Sindipol denuncia 'mentiras' do governo sobre médicos legistas

Advogado se defende da acusação de injúria em ação aberta pelo prefeito de Vitória

'O PT não se preparou para a disputa majoritária no Estado'

Encontro Regional de Agroecologia será realizado neste fim de semana no Estado

Secretária de Educação de Vitória cancela prestação de contas na Câmara