Seculo

 

Cruz e Sousa desbrava as trilhas da versão brasileira do Simbolismo


27/08/2017 às 13:43
Quando da primeira edição dos dois volumes da História da Literatura Brasileira, de Sílvio Romero, este consegue realizar uma análise rigorosa e crítica de muitas obras, Cruz e Sousa, no entanto, ainda não aparece nesta edição, pois trabalhos como Julieta dos Santos e Tropos e fantasias, de 1883 e 1885, continuavam inéditos para o crítico. Sílvio passa a conhecer um pouco depois a prosa de Missal e os sonetos de Broquéis, bem como os poemas de Evocações, mas Sílvio Romero mal situa o nome de Cruz e Sousa na sua segunda edição da História publicada em 1902.  
 
Sílvio Romero em sua primeira edição de sua História, vai ao longo do ensaio fazendo uma reflexão sobre a poesia brasileira num panorama geral que segue a Prosopopeia de Bento Teixeira, vai então delimitando os estertores do Romantismo na escola condoreira, fechando seu ciclo, e que depois reflete a ascensão parnasiana em Delfino, Bilac, Raimundo Correia, Alberto de Oliveira, Teófilo Dias, e que acerta no Simbolismo quando se depara com Cruz e Sousa.
 
Em 1899, sobre o livro Primícias, de Carvalho Aranha, Sílvio Romero publica o ensaio "O simbolismo", no qual ele descreve a inauguração da escola poética simbolista como um evento original. Sílvio então embarca numa poesia que ele define de um desnorteamento completo, em que ele confronta esta nova poesia como uma reação mórbida ao idealismo, uma poesia de visão aérea, obscura, e que ao fim se firma com sua afetação mística. Sílvio Romero descobre Cruz e Sousa como um exemplo de um poeta novo, mesmo que já morto, analisando Missal, Broquéis e Evocações como grandes trabalhos da Literatura Brasileira.
 
Na poesia de Cruz e Sousa temos uma composição que delimita uma elevação da alma, sentimentos nobres, inspiração que muitas vezes se volta para a natureza, sem esquecer os confrontos com a sociedade, e ainda pode conter as nuances doridas e prazerosas do coração, com o poder etéreo evocativo próprio do estro simbolista, em que a poesia não é descritiva e nem narrativa, pois se trata de uma poesia sugestiva, rarefeita, que desliza nos meandros do espírito.  
 
O Simbolismo, por sua vez, representa uma poesia que vai de encontro ao Naturalismo e suas grosserias, ao diletantismo esteta da arte pela arte do Parnasianismo, e que é assim uma reação espiritualista que envolve um clima lírico que pode, em certa medida, no seu auge de composição, retornar ao Romantismo na sua melhor expressão. A versão brasileira do Simbolismo, no entanto, terá de se desvencilhar de ladainhas e afetações como as de Bernardino Lopes e Alphonsus de Guimaraens, para, enfim, seguir a trilha aberta por Cruz e Sousa, que supera sua prosa abstrusa em Missal e nas Evocações, e que ganha propriedade lírica nos Faróis e nos Últimos Sonetos.  
 
POEMAS
 
RECORDA: O poema memorial e simbólico ao mesmo tempo evoca em poesia pura um recordar que é o poema mais que uma descrição de fatos específicos, como convém ao toque sugestivo e não enunciativo da poesia de estro simbolista: “Quando a onda dos desejos inquietantes,/Que do peito transborda,/Morrer, enfim, nas amplidões distantes,/Recorda-te, recorda .../Revive dessa música já finda/Que nas estrelas dorme./Volta-te ao mundo sedutor ainda/Da Ilusão multiforme!/Volta, recorda eternamente, volta/Aos faróis da Esperança,”. O poema exulta e também é dorido, esta oscilação comanda toda a inspiração que então se torna hiperbólica, grandiloquente, sem, no entanto, afetar pose extrema de esteta, no que temos: “Revive! Goza! Desolado, embora,/Sorrindo e soluçando,/Erguendo os véus de já passada aurora,/Recordando e sonhando .../Cada alma tem seu íntimo recato/Numa estrela perdida/E cada coração intemerato/Tem na estrela uma vida.”. O poema segue ainda exclamativo, intenso: “Recorda! Sonha! Nas estrelas erra,/Beduíno do Espaço./Aos sonhos brancos, que não são da Terra,/Dá, sorrindo, o teu braço ...” (...) “Ah! volta aos desenganos primitivos,/Volta à essência dos anos,/Volta aos espectros tristemente vivos,/Ah! volta aos desenganos!/Volta aos serenos, flóridos oásis,/Volta aos hinos profundos,/Volta às eflorescências dos Lilases,/Volta, volta a esses mundos!” (...) “Para o Amor, para a Dor e para o Sonho/Nas Esferas transborda .../E entre um soluço e um segredo risonho/Recorda-te, recorda ...”. E aqui faço a ligação do poeta com as Musas, encantos que da memória viram poesia, inspiração, portanto, divina.
 
CANÇÃO DO BÊBEDO: O poema transita com surto de bebedice, e vai ao encontro boêmio e importuna o infortunado bêbedo, personagem do poema: “Na lama e na noite triste/Aquele bêbedo ri!/Tua alma velha onde existe?/Quem se recorda de ti?” (...) “Por que é que ficas à lua/Contemplativo, a vagar?” (...) “Que flores de graça doente/Tua fronte vem florir/Que ficas amargamente/Bêbedo, bêbedo a rir?”. O bêbedo ri em meio à desgraça, miséria é teu nome, mas comicidade é sua fuga: “Que soluço extravagante,/Que negro, soturno fel/Põe no teu ser doudejante/A confusão da Babel?/Ah! das lágrimas insanas/Que ao vinho misturas bem,/Que de visões sobre-humanas/Tu`alma e teus olhos têm!” (...) “Bendito seja o carinho/Que já te faça morrer!/Sim! Bendita a cova estreita,/Mais larga que o mundo vão,/Que possa conter direita/A noite do teu caixão!”. A morte do bêbedo é a coda extrema de um poema que faz troça e aqui desata a miséria alcoolica.
 
ESQUECIMENTO: Este poema agora nos fala do esquecimento, no que vem: “Ó Estrelas tranquilas, esquecidas/No seio das Esferas,/Velhos biliões de lágrimas, de vidas,/Refulgentes Quimeras./Astros que recordais infâncias de ouro,/Castidades serenas,/Irradiações de mágico tesouro,/Aromas de açucenas.”. O poema então tem um estro celeste, estelar, em que as quimeras dançam em frutos da juventude, no que segue: “Desvendai-me as Mansões do Esquecimento,/Radiantes sentinelas./Dizei que palidez de mortos lírios/Há por estas estradas/E se terminam todos os martírios/Nas brumas encantadas./Se nessas brumas encantadas choram/Os anseios da Terra,/Se os lírios mortos que há por lá se auroram/De púrpuras de guerra.”. As imagens do poema são fortes e ricas, no que o céu aparece voluptuoso: “O céu é o berço das estrelas brancas/Que dormem de cansaço .../E das almas olímpicas e francas/O ridente regaço ...” (...) “O Esquecimento é flor sutil, celeste,/De palidez risonha./A alma das cousas languemente veste/De um véu, como quem sonha.”. O poema ridente tem um esgar de alegria poética, simples e ao mesmo tempo profunda, fundo em que reside um sorriso de veia triste: “Como que o coração fica sorrindo/De um modo grave e triste,/Languidamente a meditar, sentindo/Que o esquecimento existe.” (...) “Rio do esquecimento tenebroso,/Amargamente frio,/Amargamente sepulcral, lutuoso,/Amargamente rio!/Quanta dor nessas ondas que tu levas,/Nessas ondas que arrastas,/Quanto suplício nessas tuas trevas,/Quantas lágrimas castas!/Ó meu verso, ó meu verso, ó meu orgulho,/Meu tormento e meu vinho,”. O amargor só se cura com o verso, que aqui funciona como um vinho consolador: “Embora o esquecimento vão dissolva/Tudo, sempre, no mundo,/Verso! que ao menos o meu ser se envolva/No teu amor profundo!” (...) “Esquecimento! eclipse de horas mortas,/Relógio mudo, incerto,/Casa vazia ... de cerradas portas,/Grande vácuo, deserto,/Cinza que cai nas almas, que as consome,” (...) “Esquecimento! Fluido estranho, de ânsias,/De negra majestade,/Soluço nebuloso das Distâncias/Enchendo a Eternidade!”. A coda é o verso então como vinho enchendo a tão sonhada utopia, esta ideia rarefeita chamada eternidade.
 
POEMAS
 
RECORDA
 
Quando a onda dos desejos inquietantes,
Que do peito transborda,
Morrer, enfim, nas amplidões distantes,
Recorda-te, recorda ...
 
Revive dessa música já finda
Que nas estrelas dorme.
Volta-te ao mundo sedutor ainda
Da Ilusão multiforme!
 
Volta, recorda eternamente, volta
Aos faróis da Esperança,
Do Sonho estranho as grandes asas solta
A celeste Bonança,
 
Recorda mágoas, lágrimas e risos
E soluços e anseios ...
Revive dos nevoeiros indecisos
E dos vãos devaneios.
 
Revive! Goza! Desolado, embora,
Sorrindo e soluçando,
Erguendo os véus de já passada aurora,
Recordando e sonhando ...
 
Cada alma tem seu íntimo recato
Numa estrela perdida
E cada coração intemerato
Tem na estrela uma vida.
 
Aplica o ouvido à correnteza fria
Dos golfões da matéria
E recorda de que lama sombria
É composta a miséria.
 
Recorda! Sonha! Nas estrelas erra,
Beduíno do Espaço.
Aos sonhos brancos, que não são da Terra,
Dá, sorrindo, o teu braço ...
 
Dá o teu braço, pelos céus sorrindo
E recordando parte
E hás de entender os claros céus, sentindo
Que andas a recordar-te.
 
Bate à porta dos Astros solitários
Dos eternos Fulgores,
Em busca desses mortos visionários,
Almas de sonhadores.
 
Ah! volta aos desenganos primitivos,
Volta à essência dos anos,
Volta aos espectros tristemente vivos,
Ah! volta aos desenganos!
 
Volta aos serenos, flóridos oásis,
Volta aos hinos profundos,
Volta às eflorescências dos Lilases,
Volta, volta a esses mundos!
 
Fique na Sombra e no Silêncio d `alma
Todo o teu ser dolente.
Para tranquilo, com ternura e calma,
Recordar docemente ...
 
Na Sombra então e no Silêncio denso,
Como em mágicas plagas,
Faz acender o alampadário imenso
Das Recordações vagas ...
 
Pousa a cabeça, meigamente pousa
Nesse augusto Quebranto
E nem da Terra a mais ligeira cousa
Te desperte do Encanto.
 
Para o Amor, para a Dor e para o Sonho
Nas Esferas transborda ...
E entre um soluço e um segredo risonho
Recorda-te, recorda ...
 
CANÇÃO DO BÊBEDO
 
Na lama e na noite triste
Aquele bêbedo ri!
Tua alma velha onde existe?
Quem se recorda de ti?
 
Por onde andam teus gemidos,
Os teus noctâmbulos ais?
Entre os bêbedos perdidos
Quem sabe do teu – jamais?
 
Por que é que ficas à lua
Contemplativo, a vagar?
Onde a tua noiva nua
Foi tão depressa a enterrar?
 
Que flores de graça doente
Tua fronte vem florir
Que ficas amargamente
Bêbedo, bêbedo a rir?
 
Que vês tu nessas jornadas?
Onde está o teu jardim
E o teu palácio de fadas,
Meu sonâmbulo arlequim?
 
De onde trazes essa bruma,
Toda essa névoa glacial
De flor de lânguida espuma,
Regada de óleo mortal?
 
Que soluço extravagante,
Que negro, soturno fel
Põe no teu ser doudejante
A confusão da Babel?
 
Ah! das lágrimas insanas
Que ao vinho misturas bem,
Que de visões sobre-humanas
Tu`alma e teus olhos têm!
 
Boca abismada de vinho,
Olhos de pranto a correr,
Bendito seja o carinho
Que já te faça morrer!
 
Sim! Bendita a cova estreita,
Mais larga que o mundo vão,
Que possa conter direita
A noite do teu caixão!
 
ESQUECIMENTO
 
Ó Estrelas tranquilas, esquecidas
No seio das Esferas,
Velhos biliões de lágrimas, de vidas,
Refulgentes Quimeras.
 
Astros que recordais infâncias de ouro,
Castidades serenas,
Irradiações de mágico tesouro,
Aromas de açucenas.
 
Rosas de luz do céu resplandecente,
Ó Estrelas divinas,
Sereias brancas da região do Oriente,
Ó Visões peregrinas!
 
Aves de ninhos de frouxeis de prata
Que cantais no Infinito
As Letras da Canção intemerata
Do Mistério bendito.
 
Turíbulos de graça e encantamento
Das sidéreas umbelas,
Desvendai-me as Mansões do Esquecimento,
Radiantes sentinelas.
 
Dizei que palidez de mortos lírios
Há por estas estradas
E se terminam todos os martírios
Nas brumas encantadas.
 
Se nessas brumas encantadas choram
Os anseios da Terra,
Se os lírios mortos que há por lá se auroram
De púrpuras de guerra.
 
Se as que há por cá, titânicas cegueiras,
Atordoadas vitórias,
Embebedam os seres nas poncheiras
E no gozo das glórias.
 
O céu é o berço das estrelas brancas
Que dormem de cansaço ...
E das almas olímpicas e francas
O ridente regaço ...
 
Só ele sabe, o claro céu tranquilo
Dos grandes resplendores,
Qual é das almas o eternal sigilo,
Qual o cunho das dores.
 
Só ele sabe, o céu das quintessências,
O Esquecimento ignoto
Que tudo envolve nas letais diluências
De um ocaso remoto ...
 
O Esquecimento é flor sutil, celeste,
De palidez risonha.
A alma das cousas languemente veste
De um véu, como quem sonha.
 
Tudo no esquecimento se adelgaça ...
E nas zonas de tudo,
Na candura de tudo, extremo, passa
Certo mistério mudo.
 
Como que o coração fica cantando
Porque, trêmulo, esquece,
Vivendo a vida de quem vai sonhando
E no sonho estremece ...
 
Como que o coração fica sorrindo
De um modo grave e triste,
Languidamente a meditar, sentindo
Que o esquecimento existe.
 
Sentindo que um encanto etéreo e mago,
Mas um lívido encanto,
Põe nos semblantes um luar mais vago,
Enche tudo de pranto.
 
Que um concerto de súplicas, de mágoa,
De martírios secretos,
Vai os olhos tornando rasos de água
E turvando os objetos ...
 
Que um soluço cruel, desesperado
Na garganta rebenta ...
Enquanto o Esquecimento alucinado
Move a sombra nevoenta!
 
Ó rio roxo e triste, ó rio morto,
Ó rio roxo, amargo ...
Rio de vãs melancolias de Horto
Caídas do céu largo!
 
Rio do esquecimento tenebroso,
Amargamente frio,
Amargamente sepulcral, lutuoso,
Amargamente rio!
 
Quanta dor nessas ondas que tu levas,
Nessas ondas que arrastas,
Quanto suplício nessas tuas trevas,
Quantas lágrimas castas!
 
Ó meu verso, ó meu verso, ó meu orgulho,
Meu tormento e meu vinho,
Minha sagrada embriaguez e arrulho
De aves formando ninho.
 
Verso que me acompanhas no Perigo
Como lança, preclara,
Que este peito defende do inimigo
Por estrada tão rara!
 
Ó meu verso, ó meu verso soluçante,
Meu segredo e meu guia,
Tem dó de mim lá no supremo instante
Da suprema agonia.
 
Não te esqueças de mim, meu verso insano,
Meu verso solitário,
Minha terra, meu céu, meu vasto oceano,
Meu templo, meu sacrário.
 
Embora o esquecimento vão dissolva
Tudo, sempre, no mundo,
Verso! que ao menos o meu ser se envolva
No teu amor profundo!
 
Esquecer é andar entre destroços
Que além se multiplicam,
Sem reparar na lividez dos ossos
Nem nas cinzas que ficam ...
 
É caminhar por entre pesadelos,
Sonâmbulo perfeito,
Coberto de nevoeiros e de gelos,
Com certa ânsia no peito.
 
Esquecer é não ter lágrimas puras,
Nem asas para beijos
Que voem procurando sepulturas
E queixas e desejos!
 
Esquecimento! eclipse de horas mortas,
Relógio mudo, incerto,
Casa vazia ... de cerradas portas,
Grande vácuo, deserto,
 
Cinza que cai nas almas, que as consome,
Que apaga toda a flama,
Infinito crepúsculo sem nome,
Voz morta à voz que a chama.
 
Harpa da noite irmã do Imponderável,
De sons langues e enfermos,
Que Deus com o seu mistério formidável
Faz calar pelos ermos.
 
Solidão de uma plaga extrema e nua,
Onde trágica e densa
Chora seus lírios virginais a lua
Lividamente imensa.
 
Silêncio dos silêncios sugestivos,
Grito sem eco, eterno
Sudário dos Azuis contemplativos,
Florescência do Inferno.
 
Esquecimento! Fluido estranho, de ânsias,
De negra majestade,
Soluço nebuloso das Distâncias
Enchendo a Eternidade!
 

Gustavo Bastos, filósofo e escritor
Blog: http://poesiaeconhecimento.blogspot.com

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento