Seculo

 

Apresentação vai unir Ticumbi e música clássica no mesmo palco


28/08/2017 às 12:38
Texto e fotos Rogério Medeiros
 
Numa pequena e antiga propriedade em Conceição da Barra, cercada por árvores frutíferas, algumas remanescentes da mata atlântica, e animais circulando livremente, aconteceu um encontro para lá surpreendente, para não dizer inusitado. Um cenário um tanto raro no município, que é dominado pela monocultura do eucalipto. No local, os integrantes do Ticumbi costumam se reunir para ensaiar e manter viva uma das manifestações folclóricas mais importantes do Estado e do país.
 
A área situada no caminho para o município de São Mateus, próxima à saída do rio Cricaré, também recebe apresentações de forró e outras manifestações locais. Mas por ali, até então, nunca havia soado a música clássica. Neste sábado (28), o ensaio teve a presença do maestro da Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo (Oses), Helder Trefzger.
 
 
Foi a primeira vez que elementos da música erudita chegaram a esse ambiente forte, influenciado pela cultura negra, que fica relativamente à parte do que ocorre no Espírito Santo. Ali se encontravam integrantes do Ticumbi, que é bom assinalar, são todos negros, cultivam um ambiente de São Benedito – para eles mais do que um santo padroeiro, mas sim um deus, tradição que remonta ao passado, quando os negros eram combatidos pelas elites rurais da região, o que lhe restava era rogar ao santo.
 
Voltando ao encontro, o maestro Trefzger estava acompanhado de outros dois integrantes da orquestra. Eles estavam ali para ver o que pode ser utilizado no concerto especial – o Ticumbi do Espírito Santo – marcado para os dias 13 e 12 de dezembro, no palco do Theatro Carlos Gomes, em Vitória. As apresentações terão a participação especial do Mestre Terto (Tertulino Balbino), que está há 60 anos à frente do Ticumbi de São Benedito.
 
De caderninho na mão e caneta, eles ficam surpreendidos com a riqueza musical do grupo – composto por 18 integrantes, sendo que a maioria estava presente. Uma surpresa foi com o que acontece geralmente nos ensaios na época natalina, quando eles fazem o que se chama de forró de sapezeiro – um integrante toca sanfona e o restante do grupo toca pandeiro, mas ali não se toca forró, mas são tirados versos e jogando na roda, na sequência, outro pega um verso e por assim vai, mostrando um sentido de criatividade fantástico.
 
 
Logo depois, o Ticumbi deu uma visão das partes que se dá na apresentação de gala que ocorre sempre no dia 1º de janeiro – quando o grupo se reúne para sua própria sociedade, visto até pelo horário da apresentação, que se inicia às 9 horas e se encerra com uma saudação do rei de bamba que diz “Viva a nossa bela sociedade!”.
 
O maestro conversou muito com o grupo, estando de frente com uma cultura eminentemente negra. Geralmente os integrantes do Ticumbi fazem parte de uma família que está presente no grupo desde a escravatura, que pode ser vista como uma elite negra. Quem também acompanhava os músicos da Oses era o secretário estadual de Cultura, João Gualberto, presença constante em apresentações da cultura popular no Estado.
 
 
Essa será uma nova experiência musical para a Oses, que já tocou com banda de congo, bateria de escola de samba e incorporou outros estilos musicais ao clássico, como o rock e a bossa nova. O forró de sapazeiro poderá fechar o concerto, contando ainda com as embaixadas –  que são tiradas pelos reis de Congo (cristão) e de Bamba (pagão), quando eles fazem um confronto (luta de espada) dentro da apresentação para saber quem dará o baile de São Benedito.
 
Todos saíram confiantes que encontraram algo de diferenciado na cultura popular do Espírito Santo, porque o Ticumbi é um quadro único.
 
Serviço
Apresentação do Ticumbi e Orquestra Sinfônica do ES
Quando: 12 e 13 dezembro
Onde: Theatro Carlos Gomes - Vitória. 
As apresentações terão a participação especial do Mestre Terto (Tertulino Balbino), que está há 60 anos à frente do Ticumbi de São Benedito

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Hartung, o suspense

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia