Seculo

 

A terapia do choque de Hartung


28/08/2017 às 18:23
Reportagem publicada nesse sábado (26) por André Barrocal, no site de Carta Capital  - “’Doutrina do choque’ explica Brasil de Michel Temer” -, abre citando Paulo Hartung (PMDB). O jornalista afirma que o governador do Espírito Santo é um adepto de medidas neoliberais. Em seguida, pinça uma frase de recente entrevista do governador ao jornal Valor. “Estamos em guerra”, alerta Hartung, advertindo sobre a urgência de abraçar as reformas.
 
Mais à frente, o texto deixa o governador capixaba de lado para analisar o novo pacote de privatizações do governo Temer, que inclui a Eletrobras, aeroportos, os Correios e até a Casa da Moeda. 
 
Paulo Hartung figura no abre do texto porque seu modelo de governo guarda semelhanças com o de Temer. Desde o início do seu governo, em 2015, Hartung vem trabalhando sua imagem com afinco para fora do Estado. Com a ajuda da grande mídia nacional, o modelo da política econômica de Hartung recebeu o selo de “aprovado” dos formadores de opinião do mercado, que passaram a enaltecer o Espírito Santo como um “caso de sucesso” a ser estudado e copiado. 
 
Depois da introdução, Hartung não é mais citado ao longo do texto de Carta Capital, mas o desenrolar da reportagem, que afirma que o Brasil está sob uma “doutrina do choque”, ajuda a entender o que está por trás do modelo político-econômico deste terceiro mandato de Paulo Hartung. 
 
A matéria de Carta, para analisar a política econômica de Temer, se sustenta na ideia descrita pela jornalista canadense Naomi Klein, no livro “Doutrina do Choque” (2007). 
 
A autora critica as ideias propagadas pela “Escola de Chicago”, que teve como idealista Milton Friedman (1912 - 2006), aluno e professor da Universidade de Chicago. Um dos principais defensores do liberalismo econômico e um dos idealizadores do neoliberalismo. O Nobel de Economia (1976) sempre exorcizou a ideia de o Estado meter a colher no mercado. Para Friedman, quanto menor o Estado, melhor.
 
Friedman, segundo Naomi Klein, apostava na doutrina do choque. A lógica proposta pelos “Chicago Boys” defende que a melhor oportunidade para impor as ideias radicais do livre-mercado é no período subsequente ao de um grande choque. “Esse choque pode ser uma catástrofe econômica. Pode ser um desastre natural. Pode ser um ataque terrorista. Pode ser uma guerra. Mas, a ideia é que essas crises, esses desastres, esses choques abrandam a sociedades inteiras. Deslocam-nas. Desorientam as pessoas. E abre-se uma ‘janela’ e a partir dessa janela se pode introduzir o que os economistas chamam de ‘terapia do choque econômico’”, afirmou a jornalista em entrevista reproduzida pelo site de Luiz Nassif, em 2015. 
 
Qualquer semelhança da doutrina do choque com a política de Hartung não é mera coincidência. O peemedebista rompeu o acordo de continuidade com o então governador Renato Casagrande (PSB), alegando que o seu sucessor havia “quebrado o Estado”. Estava criado o clima de caos.
 
Durante a campanha, Hartung construiu um quadro de futuro apocalíptico para o Espírito Santo, tentando convencer o eleitor que era o único preparado para tirar o Estado do fundo do poço. 
 
Venceu a eleição e antes de se sentar na cadeira de governador foi logo avisando que a população capixaba teria que “comer muito sal” nos próximos anos para vencer a crise. Hartung deitava a população no divã para receber a “terapia do choque”. A jornalista Naomi Klein descreve no seu livro como o capitalismo se impõe durante a crise. 
 
Hartung usou a terapia do choque para fazer cortes lineares nos investimentos durante os dois primeiros anos de governo, inclusive em áreas essenciais, como saúde, segurança e educação. 
 
Foi se sustentando na terapia do choque que o governador negou conceder reposição salarial aos servidores do Estado e entrou num embate com os familiares da Polícia Militar, que reivindicavam melhorias salariais e de trabalho. O governo não cedeu à pressão e manteve a corda esticada com a PM durante intermináveis 22 dias, período em que o Estado ficou de cabeça para baixo. Os números de homicídios e os crimes contra o patrimônio explodiram. Os policiais voltaram ao trabalho, mas o clima de tensão na caserna continua, e o governo não sabe quando a pressão vai romper o muro dos quartéis e voltar às ruas. O mesmo serve para os servidores, que também não foram “domados” pela terapia do choque. 
 
O modelo da política econômica de Hartung, à medida que avança, confirma a tese da doutrina do choque de Klein. Hartung, que pode ser considerado um “chicago boy dos trópicos”, usou a crise nacional e do vizinho Rio de Janeiro para criar um clima apocalíptico no Estado. Nas entrelinhas alertava: “Se não aceitarem a terapia, nosso destino será tão catastrófico quanto o do Rio, que não consegue honrar a folha de pagamento dos servidores”. 
 
A crise superdimensionada criou as condições necessárias para Hartung impor a terapia do choque. Serviu também para consolidar o Espírito Santo como um “caso de sucesso”. Para seu modelo ganhar essa conotação de caso extraordinário, era preciso, porém, passar a ideia de que o Estado chegou, devido à inépcia do antecessor, à parte mais funda do poço, reagiu ao choque e conseguiu vencer a crise de forma espetacular. 
 
A teoria da doutrina do choque de Naomi Klein também defende que não é possível introduzir, por meio da democracia, esse tipo de ideia. Nesse ponto a teoria também se encaixa ao modelo político do governo de Paulo Hartung. Um governo que usa uma embalagem democrática, mas que por dentro esconde conceitos totalitários: concentra poder, persegue adversários, é avesso à transparência e aparelha as instituições. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018