Seculo

 

A terapia do choque de Hartung


28/08/2017 às 18:23
Reportagem publicada nesse sábado (26) por André Barrocal, no site de Carta Capital  - “’Doutrina do choque’ explica Brasil de Michel Temer” -, abre citando Paulo Hartung (PMDB). O jornalista afirma que o governador do Espírito Santo é um adepto de medidas neoliberais. Em seguida, pinça uma frase de recente entrevista do governador ao jornal Valor. “Estamos em guerra”, alerta Hartung, advertindo sobre a urgência de abraçar as reformas.
 
Mais à frente, o texto deixa o governador capixaba de lado para analisar o novo pacote de privatizações do governo Temer, que inclui a Eletrobras, aeroportos, os Correios e até a Casa da Moeda. 
 
Paulo Hartung figura no abre do texto porque seu modelo de governo guarda semelhanças com o de Temer. Desde o início do seu governo, em 2015, Hartung vem trabalhando sua imagem com afinco para fora do Estado. Com a ajuda da grande mídia nacional, o modelo da política econômica de Hartung recebeu o selo de “aprovado” dos formadores de opinião do mercado, que passaram a enaltecer o Espírito Santo como um “caso de sucesso” a ser estudado e copiado. 
 
Depois da introdução, Hartung não é mais citado ao longo do texto de Carta Capital, mas o desenrolar da reportagem, que afirma que o Brasil está sob uma “doutrina do choque”, ajuda a entender o que está por trás do modelo político-econômico deste terceiro mandato de Paulo Hartung. 
 
A matéria de Carta, para analisar a política econômica de Temer, se sustenta na ideia descrita pela jornalista canadense Naomi Klein, no livro “Doutrina do Choque” (2007). 
 
A autora critica as ideias propagadas pela “Escola de Chicago”, que teve como idealista Milton Friedman (1912 - 2006), aluno e professor da Universidade de Chicago. Um dos principais defensores do liberalismo econômico e um dos idealizadores do neoliberalismo. O Nobel de Economia (1976) sempre exorcizou a ideia de o Estado meter a colher no mercado. Para Friedman, quanto menor o Estado, melhor.
 
Friedman, segundo Naomi Klein, apostava na doutrina do choque. A lógica proposta pelos “Chicago Boys” defende que a melhor oportunidade para impor as ideias radicais do livre-mercado é no período subsequente ao de um grande choque. “Esse choque pode ser uma catástrofe econômica. Pode ser um desastre natural. Pode ser um ataque terrorista. Pode ser uma guerra. Mas, a ideia é que essas crises, esses desastres, esses choques abrandam a sociedades inteiras. Deslocam-nas. Desorientam as pessoas. E abre-se uma ‘janela’ e a partir dessa janela se pode introduzir o que os economistas chamam de ‘terapia do choque econômico’”, afirmou a jornalista em entrevista reproduzida pelo site de Luiz Nassif, em 2015. 
 
Qualquer semelhança da doutrina do choque com a política de Hartung não é mera coincidência. O peemedebista rompeu o acordo de continuidade com o então governador Renato Casagrande (PSB), alegando que o seu sucessor havia “quebrado o Estado”. Estava criado o clima de caos.
 
Durante a campanha, Hartung construiu um quadro de futuro apocalíptico para o Espírito Santo, tentando convencer o eleitor que era o único preparado para tirar o Estado do fundo do poço. 
 
Venceu a eleição e antes de se sentar na cadeira de governador foi logo avisando que a população capixaba teria que “comer muito sal” nos próximos anos para vencer a crise. Hartung deitava a população no divã para receber a “terapia do choque”. A jornalista Naomi Klein descreve no seu livro como o capitalismo se impõe durante a crise. 
 
Hartung usou a terapia do choque para fazer cortes lineares nos investimentos durante os dois primeiros anos de governo, inclusive em áreas essenciais, como saúde, segurança e educação. 
 
Foi se sustentando na terapia do choque que o governador negou conceder reposição salarial aos servidores do Estado e entrou num embate com os familiares da Polícia Militar, que reivindicavam melhorias salariais e de trabalho. O governo não cedeu à pressão e manteve a corda esticada com a PM durante intermináveis 22 dias, período em que o Estado ficou de cabeça para baixo. Os números de homicídios e os crimes contra o patrimônio explodiram. Os policiais voltaram ao trabalho, mas o clima de tensão na caserna continua, e o governo não sabe quando a pressão vai romper o muro dos quartéis e voltar às ruas. O mesmo serve para os servidores, que também não foram “domados” pela terapia do choque. 
 
O modelo da política econômica de Hartung, à medida que avança, confirma a tese da doutrina do choque de Klein. Hartung, que pode ser considerado um “chicago boy dos trópicos”, usou a crise nacional e do vizinho Rio de Janeiro para criar um clima apocalíptico no Estado. Nas entrelinhas alertava: “Se não aceitarem a terapia, nosso destino será tão catastrófico quanto o do Rio, que não consegue honrar a folha de pagamento dos servidores”. 
 
A crise superdimensionada criou as condições necessárias para Hartung impor a terapia do choque. Serviu também para consolidar o Espírito Santo como um “caso de sucesso”. Para seu modelo ganhar essa conotação de caso extraordinário, era preciso, porém, passar a ideia de que o Estado chegou, devido à inépcia do antecessor, à parte mais funda do poço, reagiu ao choque e conseguiu vencer a crise de forma espetacular. 
 
A teoria da doutrina do choque de Naomi Klein também defende que não é possível introduzir, por meio da democracia, esse tipo de ideia. Nesse ponto a teoria também se encaixa ao modelo político do governo de Paulo Hartung. Um governo que usa uma embalagem democrática, mas que por dentro esconde conceitos totalitários: concentra poder, persegue adversários, é avesso à transparência e aparelha as instituições. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento

Ato público abre Semana Sem Petróleo no Espírito Santo