Seculo

 

Culpa da crise


29/08/2017 às 10:24
A cada momento que passa a gente sente que a crise no país foi causada pela falta de informação e formação política da sociedade. Fica cada vez mais claro que a responsabilidade é do movimento sindical, que é quem tem estrutura, condições e que recebeu do governo os recursos para isso. 
 
O movimento social e dos bairros aderiu aos prefeitos, entregando as associações de moradores às gestões municipais e aos movimentos políticos dos agentes locais. Isso também diminuiu a possibilidade de ação vinda da sociedade, de organização política e conscientização de classe social. 
 
Com a omissão ou cooptação desses dois que teriam as condições para a aglutinação da sociedade, sobrou para o Movimento Sem Terra (MST) e o Movimento Sem Teto (MTST) a tarefa de lutar contra o gigante do capitalismo que se infiltrou no campo político e tem mantido a posição, contra tudo e contra todos. 
 
Isso torna a luta enfraquecida. Resguardando-se todos os méritos dos dois movimentos, são grupos de choque, de volume e luta na rua ou no campo. Não tem recursos, nem a estrutura que o movimento sindical tem. Faltou ao movimento sindical entender essa realidade e buscar a movimentação para que a luta pudesse ser organizada.
 
Fica a impressão de que o movimento sindical não importa com isso, pois assiste a tudo de braços cruzados. Todas as ações geradas no Congresso Nacional, pós-golpe, não se viu nenhuma movimentação de luta permanente contra as perdas de garantias da classe trabalhadora e das ações de manutenção do golpe. 
 
As direções sindicais, envolvidas apenas com suas eleições internas e brigas de grupo pela manutenção de poder à frente das entidades, não se dão conta de em breve isso tudo será inócuo. Estamos vivendo em uma séria crise de governo, que está ponto em risco a democracia e tudo que foi conquistado com ela. Enquanto, o movimento se prende nos anéis, o trabalhador já vem perdendo os dedos. 
 
Acorda, sindicato!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba