Seculo

 

Culpa da crise


29/08/2017 às 10:24
A cada momento que passa a gente sente que a crise no país foi causada pela falta de informação e formação política da sociedade. Fica cada vez mais claro que a responsabilidade é do movimento sindical, que é quem tem estrutura, condições e que recebeu do governo os recursos para isso. 
 
O movimento social e dos bairros aderiu aos prefeitos, entregando as associações de moradores às gestões municipais e aos movimentos políticos dos agentes locais. Isso também diminuiu a possibilidade de ação vinda da sociedade, de organização política e conscientização de classe social. 
 
Com a omissão ou cooptação desses dois que teriam as condições para a aglutinação da sociedade, sobrou para o Movimento Sem Terra (MST) e o Movimento Sem Teto (MTST) a tarefa de lutar contra o gigante do capitalismo que se infiltrou no campo político e tem mantido a posição, contra tudo e contra todos. 
 
Isso torna a luta enfraquecida. Resguardando-se todos os méritos dos dois movimentos, são grupos de choque, de volume e luta na rua ou no campo. Não tem recursos, nem a estrutura que o movimento sindical tem. Faltou ao movimento sindical entender essa realidade e buscar a movimentação para que a luta pudesse ser organizada.
 
Fica a impressão de que o movimento sindical não importa com isso, pois assiste a tudo de braços cruzados. Todas as ações geradas no Congresso Nacional, pós-golpe, não se viu nenhuma movimentação de luta permanente contra as perdas de garantias da classe trabalhadora e das ações de manutenção do golpe. 
 
As direções sindicais, envolvidas apenas com suas eleições internas e brigas de grupo pela manutenção de poder à frente das entidades, não se dão conta de em breve isso tudo será inócuo. Estamos vivendo em uma séria crise de governo, que está ponto em risco a democracia e tudo que foi conquistado com ela. Enquanto, o movimento se prende nos anéis, o trabalhador já vem perdendo os dedos. 
 
Acorda, sindicato!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações