Seculo

 

Caixa Econômica é condenada a pagar multa de R$ 1 milhão por assédio moral


01/09/2017 às 15:46
A Caixa Econômica Federal foi condenada ao pagamento de multa de R$ 1 milhão em ação contra assédio moral coletivo movida pelo Ministério Público da União e Sindicato dos Bancários do Estado (Sindibancários-ES). A sentença é do juiz Giovanni Antonio Diniz Guerra, da 2ª Vara do Trabalho de Cachoeiro de Itapemirim, na região sul.

A ação, ajuizada em 2014, buscou denunciar e reparar assédio moral praticado na agência de Castelo, no sul do Estado. Na sentença o juiz sustenta que ficou comprovado abuso do poder diretivo por parte do gerente geral, com consequente degradação do ambiente de trabalho, além de atos de perseguição e favorecimento, praticados com o conhecimento da direção do banco, que não dispôs de instrumentos eficientes para coibir o assédio.

As provas juntadas no processo atestam que a Superintendência Regional da Caixa tinha conhecimento dos fatos, mas não tomou as providências necessárias para combatê-los. “Se o banco toma ciência de uma irregularidade e fica inerte, ele é no mínimo conivente com essa prática. Por isso entendemos que a responsabilidade não é individual, mas do banco. O combate ao assédio passa, sobretudo, pelo fim da política de metas, que só vem piorando”, ressalta Giovanni Riccio, diretor do sindicato que atua na sub-sede de Cachoeiro de Itapemirim.

A sentença determina também a suspensão imediata da prática de assédio moral por quaisquer dos representantes do banco (administradores, diretores, gerentes supervisores e encarregados de setor), definindo como assédio, a título de exemplo, “práticas vexatórias, ultrajantes ou humilhantes contra todos os seus empregados, tais como pedir trabalhos urgentes sem a devida necessidade, pedir a execução de tarefas sem interesse, ignorar a presença do funcionário, atribuir-lhe erros imaginários, sobrecarregar o empregado, fazer críticas em público ou por e-mail direcionado a outros empregados, isolar o empregado, forçar sua demissão, desvalorizar sua atividade, fazer vigilância exagerada sobre seu trabalho, induzir o empregado a erro para criticá-lo ou rebaixá-lo, exigir tarefas impossíveis de serem executadas, ridicularizar funcionário por convicções religiosas ou políticas, dentre outras”.

O juiz também sentenciou outras medidas punitivas, como criação de mecanismos efetivos para denúncia de assédio moral com exposição mínima do empregado e elaboração de programa permanente de prevenção de assédio no ambiente de trabalho, com descrição das causas e das medidas necessárias para fazê-lo cessar. Todas as medidas preveem multa para casos de descumprimento. O banco também está obrigado a fixar cópia da sentença no quadro de avisos da unidade que originou a ação.

“A decisão ratifica as diversas denúncias do Sindicato de que há assédio moral na Caixa, muitas vezes incentivado pela própria política de metas da empresa. Os empregados não devem se submeter às pressões e precisam procurar o Sindicato. É lamentável que, esgotadas as formas de diálogo com a direção do banco, tenhamos que recorrer à justiça para preservar a dignidade do trabalhador e garantir condições adequadas de trabalho, o que deveria ser premissa de uma empresa pública”, afirma Lizandre Borges, diretora de saúde e condições de trabalho do Sindibancários.

O pagamento da indenização de R$ 1 milhão por dano moral coletivo será destinado ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A decisão foi proferida em primeira instância, cabendo recurso por parte da Caixa.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Gandini e a máquina

Atual 'sacada' eleitoral de Fabrício Gandini é na área de segurança e com reforço de comitiva da prefeitura, onde até outro dia era o ''supersecretário''

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Blocos governistas buscam equilíbrio entre Hartung e Amaro Neto

Agricultores orgânicos de Santa Maria de Jetibá e de Linz organizam intercâmbio

Ministro do STF mantém afastamento do prefeito de Itapemirim

MPF quer que motoristas multados tenham acesso às imagens das infrações

STJ concede habeas corpus para ortopedista preso em Lama Cirúrgica