Seculo

 

Em Conquista, famílias em situação de risco lutam por benefícios habitacionais


03/09/2017 às 18:53
A Prefeitura de Vitória está se negando a estender benefícios habitacionais para 31 famílias do bairro Conquista. Uma audiência realizada na última terça-feira (28) na 4ª Vara da Fazenda Pública Estadual tentou contornar o problema. As famílias recebem há três meses o aluguel provisório, benefício transitório disponibilizado pelo município que pode chegar a um salário mínimo.
O prazo do benefício, no entanto, expirou este mês. As famílias, que viviam em imóveis em situação de risco, alugaram casas na região de São Pedro. O objetivo, agora, é lutar pela concessão Bolsa Moradia e Auxílio Moradia. O primeiro é um benefício mensal também com valor de até um salário mínimo disponibilizado até a entrega da unidade habitacional. O segundo é um benefício único para aquisição de novo imóvel em local adequado. 
 
As famílias foram acolhidas em uma ação da Defensoria Pública Estadual (DPES) contra o município de Vitória requerendo o ingresso delas em programas de habitação social. A prefeitura alega falta de recursos para atender as famílias. Uma nova audiência será realizada em 18 de outubro para discutir o problema. 
 
Um dos casos é o da dona de casa Adriana Rodrigues, que hoje mora com os sete filhos na Ilha das Caieiras. Ela conta que abria as portas e janelas do barraco de madeira de cinco cômodos quando ventava forte. “Era para o vento correr e não balançar o barraco”, diz. As tábuas do banheiro estão cedendo. Ela teme perder o benefício. “Como vou fazer se não tenho renda?”, questiona.
 
Segundo os moradores, pelo menos mais 13 famílias vivem em situação de risco no bairro. Elas não estão contempladas por nenhum benefício habitacional.
 
O bairro, encravado numa encosta íngreme do Maciço Central, na região de São Pedro, registra casos dramáticos de famílias vivendo em casas com perigo de desabamento. Em abril, a Prefeitura de Vitória iniciou o cumprimento de decisão judicial determinando a efetivação do Projeto Terra Mais Igual, programa municipal de habitação, no bairro. 
 
Cerca de 30 famílias foram chamadas para realizar cadastramento e formalização da documentação para serem incluídas em programas de aluguel social. O cumprimento obedeceu a decisão judicial em ação também apresentada pela DPES com igual teor e contra o município.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Lá e cá

Enquanto Rose volta a se movimentar em Brasília, Casagrande delimita território no Estado. Cada um no seu quadrado...

OPINIÃO
Gustavo Bastos
Black Block
Pensou que a poeira iria baixar, que ele estava mascarado e ninguém iria identificá-lo. Resolveu ir ao RJ...
Geraldo Hasse
Vendilhões no comando
Os governos petistas deram mole aos Mercados, mas o MDB escancara a prática do entreguismo
Roberto Junquilho
Nem tudo o que parece é!
Investigação a Ferraço, exoneração no Iema...casos podem dar dor de cabeça aos envolvidos em ano de eleição
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Admirável mundo novo
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Familiares de soldado preso fazem manifestação em frente ao comando da PM

Bancários param atividades nas agências do BB por uma hora nesta sexta-feira

Filho de Jango vem a Vitória em março e lança candidatura à Presidência

Graffiti e o não graffiti de Renato Ren

Anama expõe argumentos ineptos da ArcelorMittal para se livrar de ação na Justiça