Seculo

 

TCE julga improcedente denúncia contra patrocínio a evento evangélico em Vila Velha


02/09/2017 às 18:58
O Tribunal de Contas do Estado (TCE) julgou improcedente uma denúncia de irregularidades no patrocínio da Prefeitura de Vila Velha ao evento evangélico Proclamação do Evangelho 2015, ocorrido em maio daquele ano, durante os festejos dos 480 anos do município. A representação do Ministério Público de Contas (MPC) pedia a devolução dos R$ 149.995 mil que a gestão do então prefeito Rodney Miranda (DEM), secretário estadual de Desenvolvimento Urbano, fez à Associação dos Pastores Evangélicos de Vila Velha (Aspevive) para a realização do evento. 
 
O órgão questionou a relevância turística e cultural do evento e citou a vedação constitucional ao fomento a cultos religiosos.
 
No entanto, a instrução técnica elaborada pela Secretaria de Controle Externo de Denúncias e Representações do TCE opinou pela improcedência da representação, determinando apenas a adoção de medidas administrativas para verificar a prestação de contas referente ao patrocínio. Em seguida, o próprio MPC opinou por acompanhar o entendimento da equipe técnica.
 
O relator Domingos Augusto Taufner entendeu o caso pode acolher o artigo 180 da Constituição Federal, ou seja, fomento ao turismo, desde que se possa apontar a primazia do caráter turístico sobre a questão religiosa.
 
O relator também ponderou que a mera contratação de shows religiosos só poderia ser entendida como subvenção se houvesse exclusividade de público, ou seja, a predominância do interesse de um grupo religioso em relação ao interesse público em geral. “Verifica-se que o evento era aberto ao público, no Parque da Prainha, de modo que não estava restrito a um público fechado”, disse.
 
O TCE apenas determinou que o secretário municipal de Cultura, Esporte e Lazer, Luiz Felipe Faria de Azevedo, adote medidas administrativas para verificar a prestação de contas referente ao patrocínio.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento

Ato público abre Semana Sem Petróleo no Espírito Santo