Seculo

 

Ganha corpo


04/09/2017 às 11:52
A senadora Rose de Freitas (PMDB) escolheu Água Doce do Norte, município que tem o sétimo pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do Estado, para fazer um encontro com a participação de um grupo consistente de lideranças políticas. Quando se fala em Rose de Freitas é claro que não pode faltar um séquito de prefeitos que reconhecem a movimentação da senadora em Brasília para trazer recursos para os municípios que, muitas vezes, asseguram a sobrevivência política de algumas gestões. 
 
Mas também estiveram por lá deputados e o senador Ricardo Ferraço (PSDB). No sábado (2), foi o ex-governador Renato Casagrande (PSB) que atraiu apoiadores em um encontro do partido, em Vitória. Os apoiadores que entoaram gritos de “Volta Casão” saíram do encontro sem uma resposta do socialista positiva em relação à disputa ao governo. 
 
Ao que parece, o grupo de oposição ao Palácio Anchieta começa a ganhar corpo. Se o movimento carecia de uma liderança, a senadora Rose de Freitas parece ter ocupado esse espaço e articula uma estratégia para 2018 em que ela encabeçará o palanque ao governo. O fato de Casagrande não sinalizar projeto neste sentido, reforçando a conversa com a senadora, mostra que ele está cada vez mais próximo da disputa ao Senado. Afinal, o único espaço que caberia à senadora seria o governo, já Casagrande pode flexibilizar sua posição.
 
Resta saber quem seria o parceiro de Casagrande e qual palanque presidencial vai sustentar o grupo. A presença do prefeito da Serra e maior liderança da Rede no Espírito Santo, Audifax Barcelos, pode significar uma conversa com a menina do Acre, Marina Silva. Embora não haja muita afinidade entre Rose e a presidenciável, Casagrande tem. Ele ofereceu seu palanque para a disputa dela em 2014, quando foi abrigada pelo PSB nacional e assumiu a candidatura a presidente após a morte de Eduardo Campos. 
 
Quanto ao parceiro em uma eventual candidatura de Casagrande ao Senado, a presença de Ricardo no encontro mostra que o tucano está disposto a conversar com quem oferecer a melhor acomodação para ele em um palanque. 
 
Casagrande também já teria conversado com o senador Magno Malta (PR), mas ainda há um nome solto por aí que pode dar o rótulo anti-Paulo para esse palanque de Rose. Caso o grupo consiga convencer o deputado estadual Sergio Majeski (PSDB) a disputar o Senado com eles, essa chapa vai dar trabalho, muito trabalho para Hartung. 
 
Fragmentos:
 
1 – A declaração do ex-ministro do Supremo, Joaquim Barbosa, se desdobrando em elogios ao governador Paulo Hartung (PMDB) é artificial. A estratégia parecer ser a de influenciar de fora para dentro a classe política sobre a projeção da imagem do governador.
 
2 – O grupo de oposição a Paulo, que começa a se desenhar, contabiliza o apoio dos prefeitos. Uma estratégia que já não deu certo em dois momentos. Na eleição de 2014 e na disputa da Associação dos Municípios do Estado (Amunes). 
 
3 – Aliás, há três anos, neste mesmo dia, um evento reunia a assinatura de 60 prefeitos à candidatura à reeleição de Renato Casagrande (PSB). No final, o movimento foi esvaziado e os prefeitos, incluindo alguns do PSB, acabaram apoiando a candidatura de Paulo Hartung.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba