Seculo

 

Comparecimento a audiência compromete descanso e bolso dos policiais militares


04/09/2017 às 15:49
A Associação de Cabos e Soldados do Estado (ACS/PMBM-ES) vem recebendo questionamentos e reclamações de praças que, durante o período de descanso, têm de se deslocar para audiências para testemunhar em favor do Estado. As convocações acabam por ter impacto financeiro para os militares, que já têm o subsídio defasado.

Em alguns casos, que chegaram ao conhecimento da associação, os soldados tiveram de comparecer em até dez audiências em um só mês, sempre arcando com as despesas que, se considerado o número alto de audiências, pode refletir nas finanças pessoais dos praças.

A entidade, inclusive, já tentou dialogar com o governo a respeito da interrupção do descanso dos militares para comparecimento em audiências, enviando proposta construída com a ajuda dos praças, mas o diálogo não prosperou. A interrupção do descanso, somada à despesa que comparecer às audiências provoca é mais um fator de desmotivação da tropa.

O departamento jurídico da associação não considera que o problema esteja no exercício do dever cívico de servir como testemunha, mas na ausência de regramento da jornada de trabalho dos policiais e na indiferença que o Comando da Polícia Militar apresenta em relação ao bem-estar do militar.

Mesmo que a Procuradoria Geral do Estado (PGE) reconheça que a diligência de servir de testemunha não seja “ato de serviço”, os dias de folga usados nessa tarefa acabam por não ser repostos, comprometendo justamente a finalidade do intervalo entre as jornadas. A Administração acaba por não considerar o fato de o policial ter ou não descanso adequado no intervalo entre as jornadas.

Com o descanso comprometido, há mais possibilidade de erros no desempenho da função, o que para um policial militar, principalmente para aquele que atua ostensivamente, pode ter proporção maior do que um erro burocrático.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Uma revoada de colibris
MAIS LIDAS

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso

Hartung, o suspense

LDO será votada na próxima segunda-feira na Assembleia