Seculo

 

Assembleia mantém vetos do governo à Lei de Promoção de praças e oficiais


04/09/2017 às 19:16
A Assembleia Legislativa manteve o veto do governador Paulo Hartung (PMDB) a artigos da Lei Complementar 864/2017, a Lei de Promoção de Oficiais e Praças da Polícia Militar, na sessão ordinária desta segunda-feira (4). Apesar de as entidades que representam militares terem conseguido inserir emendas no Projeto de Lei Complementar (PLC) 21/2017, que foram aprovadas, os vetos miraram justamente nessas emendas.
 
Na sessão houve divergências de parlamentares que não concordavam com os vetos. O deputado Eustáquio de Freitas (PSB) sugeriu aguardar até o próximo ano para apreciar o veto, retardando o regime jurídico, já que o veto atinge uma conquista negociada, que foi o pouco que os militares conseguiram.
 
Os apelos não foram suficientes, e os vetos foram mantidos por 15 votos a favor a cinco contra, com uma abstenção.
 
O deputado Josias Da Vitória (PDT), que encaminhou voto pela derrubada do veto, disse que, caso fosse derrubado, o governador teria de refazer o erro que cometeu. Segundo ele, o governo viu que estava errando demais com o projeto, e acolheu as emendas das associações, através do deputado Gilsinho Lopes (PR) e, sem os vetos, o estrago seria menor.
 
Ele acrescentou que se a Casa aprovasse a derrubada do veto, o governo ia ter de fazer, no mínimo, justiça aos 282 soldados que estão esperando para serem promovidos a cabo.
 
O parlamentar disse, ainda, que o governador comete improbidade administrativa ao não cumprir a Lei de Promoção, já que a regra é de promoção automática em caso de surgimento de vagas.
 
O parágrafo 2º do artigo 103 da Lei Complementar 864/2017, era uma das emendas mais importantes, já que estabelecia uma regra de respeito aos militares, no que tange às promoções atrasadas, aplicando-se os preceitos da lei anterior.
 
O governador vetou o parágrafo alegando que todas as promoções foram regularizadas, quando há quase 700 promoções atrasadas. Além dos cabos, há mais de 470 promoções de sargentos atrasadas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018