Seculo

 

Assembleia mantém vetos do governo à Lei de Promoção de praças e oficiais


04/09/2017 às 19:16
A Assembleia Legislativa manteve o veto do governador Paulo Hartung (PMDB) a artigos da Lei Complementar 864/2017, a Lei de Promoção de Oficiais e Praças da Polícia Militar, na sessão ordinária desta segunda-feira (4). Apesar de as entidades que representam militares terem conseguido inserir emendas no Projeto de Lei Complementar (PLC) 21/2017, que foram aprovadas, os vetos miraram justamente nessas emendas.
 
Na sessão houve divergências de parlamentares que não concordavam com os vetos. O deputado Eustáquio de Freitas (PSB) sugeriu aguardar até o próximo ano para apreciar o veto, retardando o regime jurídico, já que o veto atinge uma conquista negociada, que foi o pouco que os militares conseguiram.
 
Os apelos não foram suficientes, e os vetos foram mantidos por 15 votos a favor a cinco contra, com uma abstenção.
 
O deputado Josias Da Vitória (PDT), que encaminhou voto pela derrubada do veto, disse que, caso fosse derrubado, o governador teria de refazer o erro que cometeu. Segundo ele, o governo viu que estava errando demais com o projeto, e acolheu as emendas das associações, através do deputado Gilsinho Lopes (PR) e, sem os vetos, o estrago seria menor.
 
Ele acrescentou que se a Casa aprovasse a derrubada do veto, o governo ia ter de fazer, no mínimo, justiça aos 282 soldados que estão esperando para serem promovidos a cabo.
 
O parlamentar disse, ainda, que o governador comete improbidade administrativa ao não cumprir a Lei de Promoção, já que a regra é de promoção automática em caso de surgimento de vagas.
 
O parágrafo 2º do artigo 103 da Lei Complementar 864/2017, era uma das emendas mais importantes, já que estabelecia uma regra de respeito aos militares, no que tange às promoções atrasadas, aplicando-se os preceitos da lei anterior.
 
O governador vetou o parágrafo alegando que todas as promoções foram regularizadas, quando há quase 700 promoções atrasadas. Além dos cabos, há mais de 470 promoções de sargentos atrasadas.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento

Ato público abre Semana Sem Petróleo no Espírito Santo