Seculo

 

Governo se compromete com associações de militares a fazer promoções atrasadas


05/09/2017 às 13:33
O veto do governador Paulo Hartung (PMDB) a diversos pontos da Lei Complementar 864/17, a Lei de Promoção de Praças e Oficiais da Polícia Militar, provocou a movimentação de associações que representam policiais militares em busca de garantias que as promoções fossem concedidas.
De acordo com o presidente da Associação de Cabos e Soldados do Estado (ACS/PMBM-ES), sargento Renato Martins Conceição, a entidade foi chamada para reuniões em três ocasiões, sendo a primeira na Assembleia Legislativa, com a liderança do governo, o deputado estadual Rodrigo Coelho (PDT); representantes das associações classistas; da Procuradoria Geral do Estado (PGE); e da Polícia Militar.
 
A segunda foi feita na Casa Civil, com os mesmos atores da primeira, além dos comandantes da Polícia Militar e Bombeiro Militar. Ficou acordado nas duas reuniões que as associações indicariam a quantidade de promoções atrasadas e as razões encontradas para derrubada do veto. Esse arrazoado foi enviado a todos os deputados pelos e-mails institucionais.
 
Os comandantes se comprometeram a realizar todas as promoções nos termos da Lei 467/2008, alegando que a emenda vetada não seria razão para obstáculos a esse entendimento. O presidente da ACS, então, solicitou uma reunião com a PGE, que aconteceu nessa segunda-feira (4).
 
Na PGE também houve a garantia que as promoções represadas também seriam efetuadas apesar da manutenção do veto. Segundo o sargento, abriu-se, também, uma janela para ampliação de vagas de promoções a cabo numa sugestão feita pela ACS de revisão do quadro organizacional, equalizando a quantidade de cabos em sua proporção com a de soldados.
 
A grande questão que envolve o veto e as promoções represadas se refere ao cancelamento da prova para o quadro de acesso à graduação de cabos da Polícia Militar, que deveria ter acontecido em 6 de agosto e foi cancelada apenas três dias antes da realização, com base na legislação ainda em tramitação. Já existem mais de 40 ações individuais ajuizadas contra o cancelamento.
 
O presidente da ACS espera que o governo realize as promoções atrasadas o mais rápido possível.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Cara e crachá

Uns publicaram vídeos e notas nas redes sociais, outros só notas, outros nada. Mas a CPI da Lava Jato continua na conta dos deputados arrependidos

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Geraldo Hasse
Mundo velho sem catraca
Cinquenta anos depois, é possível fazer um curso técnico por correspondência via internet
Roberto Junquilho
Hartung, o suspense
O governador Paulo Hartung mantém o suspense e pode até não disputar a reeleição em 2018
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

‘Lutava contra um sistema podre e falido com os braços amarrados. Agora estou livre’

Visita de interlocutores de Hartung a Rodrigo Maia sinaliza mudança de cenário

Juiz Leopoldo mais próximo de ir a Júri Popular por assassinato de Alexandre Martins

Hartung, o suspense

Contrato do governo do Estado com a Cetesb sobre poluição do ar continua sigiloso