Seculo

 

Deputado critica omissão do governo e do Judiciário ao relatório da CPI do Pó Preto


05/09/2017 às 17:38
Empresas poluidoras, governo estadual e Poder Judiciário. Ninguém cumpriu as recomendações do Relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Pó Preto da Assembleia Legislativa. Prestes a completar dois anos da apresentação do documento, em outubro de 2015, o deputado Gilsinho Lopes (PR) denunciou a omissão generalizada em seu discurso no Plenário da Casa nesta terça-feira (5).

“Fizemos vários encaminhamentos e até hoje nem satisfação tivemos”, reclama o parlamentar, que foi um dos integrantes da CPI, como membro efetivo, ao lado de Euclério Sampaio (PDT), além de Rafael Favatto (PEN), Erick Musso (PP) e Dary Pagung (PRP), presidente, vice e relator, respectivamente. 

Nem mesmo a própria Assembleia cumpriu com os compromissos elencados no Relatório final da CPI, entre eles, a fiscalização da atuação das empresas poluidoras – Vale, ArcelorMittal e Samarco/Vale-BHP e propor ações civis públicas ou ingressar como assistente litisconsorcial nas ações coletivas já existentes.

Em seu discurso, Gilsinho citou outro acordo não cumprido, com relação à poluição por pó preto: a assinatura, em 2007, do Termo de Compromisso Ambiental entre o Estado, o Ministério Público, a Vale e nove associações de moradores, “que não representavam na época nem 20% dos moradores da Grande Vitória”. “O TCA foi encerrado e seus objetivos não atingidos e ninguém foi responsabilizado nem punido”, denunciou.

Desde o TCA, os únicos entes públicos que tomaram medidas mais enérgicas sobre o assunto, destaca o parlamentar, foram a Polícia e a Justiça Federal, que, em janeiro de 2016, determinaram a paralisação dos píeres do Porto de Tubarão, devido à poluição do mar constatada pelos policiais federais, “poluição do mar que os técnicos do Iema [Instituto Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos] nunca visualizaram”, criticou Gilsinho, citando ainda a auditoria feita pela PF sobre as Wind fences instaladas pela Vale, e que “são ineficientes”, contrariando frontalmente a divulgação feita pela empresa e os signatários do TCA, sobre uma possível eficiência de 77,4%.

Gilsinho também alertou sobre uma Instrução de Serviço datada de 20 de janeiro de 2017, em que a diretora-presidenta do Iema tenta realizar um novo TCA. “É ineficaz!”, bradou.

“Nós sabemos que o controle da poluição, as condicionantes impostas e apresentadas pela CPI e pelos técnicos, por estudiosos, nós ouvimos aqui vários peritos, médicos de outros estados da federação e do Estado, e que uma das consequências mais graves de internações nos hospitais é exatamente a questão da poluição”, relaciona o deputado.

“E nós não tivemos respostas dos órgãos públicos, principalmente do Ministério Público [Estadual] que deveria ter dado uma resposta positiva até o presente momento”, pressiona. “Nós iremos cobrar, porque o pó preto está chegando em todos lares e a doença vindo com ele e matando as nossas famílias”, anunciou.

Recomendações não cumpridas

Além da própria Ales, o Relatório final da CPI do Pó Preto fez recomendações às poluidoras, aos órgãos ambientais do Estado, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e ao Poder Judiciário.

Aos órgãos caberia impetrar ações civis públicas e cobrar e fiscalizar o cumprimento de 23 obrigações delegadas às empresas Vale, ArcelorMittal e Samarco/Vale-BHP, entre elas, o ressarcimento à população sobre os danos causados pela poluição, sejam danos materiais ou à saúde.

O Relatório também enfatizou a necessidade de mudança dos parâmetros de qualidade do ar adotados pelo Decreto estadual 3463/2013, por estarem muito mais permissivos, em total desacordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Os deputados da CPI também indicaram a adoção de medidas, pelo governo estadual, que facilitem o acesso da população a informações precisas sobre a qualidade do ar em vários pontos da região metropolitana e sobre a poluição do mar no final da praia de Camburi, próximo à Ponta de Tubarão, onde a Vale e a ArcelorMittal estão instaladas.

O documento final propôs ainda a criação de um Fundo Estadual de Controle, Monitoramento e Fiscalização de Impactos Ambientais, com recursos das poluidoras e gestão, de um Sistema Estadual de Proteção ao Meio Ambiente e Combate à Poluição, integrando e melhor aparelhando os conselhos estadual, regionais e municipais de meio ambiente, e de um Código Ambiental, que sistematize as diversas leis sobre o tema. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Gandini e a máquina

Atual 'sacada' eleitoral de Fabrício Gandini é na área de segurança e com reforço de comitiva da prefeitura, onde até outro dia era o ''supersecretário''

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Blocos governistas buscam equilíbrio entre Hartung e Amaro Neto

Agricultores orgânicos de Santa Maria de Jetibá e de Linz organizam intercâmbio

Ministro do STF mantém afastamento do prefeito de Itapemirim

MPF quer que motoristas multados tenham acesso às imagens das infrações

STJ concede habeas corpus para ortopedista preso em Lama Cirúrgica