Seculo

 

Portuários fazem ‘Abraço ao Porto’ contra a privatização da Codesa


05/09/2017 às 18:49
Os portuários, unidos à classe trabalhadora, realizaram na manhã desta terça-feira (5) um ato solidário de união em defesa do patrimônio público. De mãos dadas, os trabalhadores fizeram um “Abraço ao Porto” contra a privatização da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa).
 
No protesto, foi formada uma corrente humana em torno do porto, mostrando à sociedade a necessidade de união das categorias para defender o patrimônio público.

O Sindicato Unificado da Orla Portuária (Suport-ES) — que representa os trabalhadores da companhia docas e portuários que atuam em outros terminais — contou com mais 13 sindicatos, federações de trabalhadores e de moradores e centrais, além de funcionários e assessorias do Suport, trabalhadores da ativa, aposentados e pensionistas da Codesa, portuários avulsos, vinculados de terminais, trabalhadores e sociedade em geral, que formaram uma rede de apoio em defesa da companhia.

Em um carro de som, os trabalhadores fizeram um alerta para as consequências da privatização da maior empresa pública do Estado, que vai trazer impactos negativos para a economia capixaba. Também foram distribuídos panfletos informando sobre as perdas à sociedade com a privatização.

As categorias temem a criação de um modelo portuário que trará monopólios e cartéis, fazendo com que cargas deixem de operar pelos nossos portos. Além disso, trabalhadores serão demitidos, até mesmo os concursados e operadores portuários vão perder espaço para grandes empresários.

O presidente do Suport-ES, Ernani Pereira Pinto, fez duras críticas ao governo do presidente Michel Temer. “Dizemos não ao entreguismo do patrimônio público. Querem nos privatizar e não vamos aceitar. Esse governo não fala a linguagem da classe trabalhadora. Os portos são essenciais para manter a economia e os empregos que são gerados”, destacou Ernani.

Participam, além do Suport-ES, os Sindicatos dos Estivadores (Sindiestiva-ES), dos Arrumadores, dos Vigias, dos Amarradores e dos Conferentes, da Guarda  Portuária do Espírito Santo (Sindguapor-ES), dos Trabalhadores em Transporte Aquaviário (Aquasind), Central Única dos Trabalhadores (CUT) e Central dos Trabalhadores Brasileiros (CTB), Federação Nacional dos Portuários (FNP), Federação Nacional dos Estivadores (FNE),  Federação dos Conferentes e Arrumadores, além da Associação dos Operadores Portuários (Aopes).

O movimento realizado na manhã desta terça-feira é o segundo “Abraço ao Porto” realizado em torno da Codesa. Nos anos 1990, o Movimento Nacional em Defesa dos Portos (MNDP) foi uma grande mobilização, quando o então presidente Fernando Collor propôs uma nova legislação portuária que modificou as questões institucionais, bem como toda a relação capital e trabalho.

O MNDP foi criado em Vitória, como parte de um processo de unificação de estratégia sindical, que teve papel estratégico e foi marcado por um grande “abraço ao porto público”. Na época, eram mais de mil empregados na Codesa e hoje são pouco mais de 300 trabalhadores. Já houve desvalorização da mão de obra, extremamente qualificada, e o evento marca a luta para que os trabalhadores sejam reconhecidos e valorizados.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mais um 'lote'

Depois de conseguir o controle do PSDB e retomar o do DEM, Hartung se volta para um antigo aliado: o PDT

OPINIÃO
Editorial
'Caos' das artes
Previsão de gastos com Cais das Artes até 2018 daria para comprar 60 clubes iguais ao Saldanha da Gama
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Cidadãos ilustres
Assembleia deve tomar cuidado com suas medalhas, pois os homenageados de hoje podem ser os apedrejados de amanhã
Gustavo Bastos
Bancas de jornal
A banca de jornal, hoje, é um mundo que tem tudo
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mais um 'lote'

Operação da Polícia Federal pune empresa que lançava esgoto in natura no Rio Doce

PDT realiza convenção estadual em dezembro de olho em 2018

Impopularidade de proposta teria pressionado recuo em homenagem a Lula

MPES quer reinclusão do fundador da Imetame em ação de improbidade