Seculo

 

Enivaldo dos Anjos pede união da classe política em torno de eventual chapa Barbosa-Hartung


05/09/2017 às 18:53
Repercutiu na Assembleia Legislativa na sessão desta terça-feira (5) os destaques conquistados nos últimos dias pelo governador Paulo Hartung na mídia nacional. O deputado Enivaldo dos Anjos repercutiu as declarações do ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, que elogiou o governador em entrevista ao jornal Valor (01/09/17). Barbosa disse que decidisse entrar na disputa a presidente da República chamaria Hartung para compor uma parceria. 
 
Enivaldo, após enaltecer o convite do ex-ministro ao governador, defendeu a união de liderança em favor de Hartung. O discurso governista de Enivaldo recebeu resposta imediata de Sergio Majeski (PSDB). Ele afirmou que a promoção da imagem de Hartung é fruto de um ótimo trabalho de marketing.
 
O deputado Enivaldo criticou a antecipação do debate por algumas lideranças para discutir a sucessão ao governo, com encontros no interior do Estado - uma clara referência à movimentação da senadora Rose de Freitas (PMDB) pelo interior do Estado. Serviu também para o ex-governador Renato Casagrande (PSB), que também se movimenta pelos municípios. 
 
Em seguida, Enivaldo destacou o debate sobre a sucessão nacional, com a movimentação dos possíveis pré-candidatos. Ele falou sobre as declarações de Joaquim Barbosa ao governador, enfatizando que a composição de uma chapa à Presidência da República Barbosa-Hartung seria uma oportunidade para o Espírito Santo. Para o deputado, a classe política deveria deixar as vaidades de lado e se concentrar nesse projeto nacional. “Isso é bom para o Espírito Santo, facilita a acomodação política”. Ele acrescentou que esse é o momento de se unir forças em favor de uma candidatura única, juntando as forças capixabas às forças nacionais. 
 
Na contramão da narrativa de Enivaldo, Majeski rebateu a ideia de que presidentes ou vices, da redemocratização para cá, não devolveram bons legados para seus estados natais. Ele citou como exemplo o ex-presidente José Sarney, que não beneficiou em nada o Maranhão. Mesmo sendo uma das lideranças mais influentes no cenário político por décadas, o estado natal de Sarney, lembrou Majeski, tem hoje o terceiro pior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do País. 
 
O deputado lembrou ainda que o então presidente Fernando Collor também deixou Alagoas no esquecimento. O senador Renan Calheiros, outra liderança de relevo, também nada fez pelos alagoanos. O tucano ainda lembrou que Pernambuco, estado natal de Lula, também não recebeu a atenção do ex-presidente. “A meu ver, é ilusório que ter um conterrâneo como presidente ou vice possa beneficiar o Espírito Santo”.
 
Além disso, o deputado afirmou que a projeção que vem sendo dada ao governador na mídia nacional é resultado de um trabalho de marketing, que tem conquistado espaço na mídia nacional. Majeski disse que esses espaços na imprensa têm sido comprados com dinheiro público. 
 
O tucano esclareceu que não há nada de extraordinário na gestão de Hartung. Ele afirmou que outros estados mais pobres que o Espírito Santo também estão conseguindo manter a folha de pagamento do funcionalismo em dia, mas não conseguem a mesma visibilidade que o governador porque não dispõem de uma assessoria tão eficiente quanto à de Hartung. O tucano destacou ainda os problemas na saúde, educação e segurança, que vem sendo sentidos pela população. 
 
Para Majeski, a maioria da população enxerga o governo do Estado da mesma forma que ele, e não tem essa percepção de grande gestor que Hartung construiu. O deputado provocou os colegas, afirmando que os parlamentares que rodam o Estado sabem que ele está falando a verdade.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Bicho-papão
O ajuste fiscal de Paulo Hartung precisa do exemplo do Rio de Janeiro tanto para cortar quanto para supervalorizar a liberação de recursos
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Precipitou-se

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento