Seculo

 

Futuro do INMA em debate


06/09/2017 às 10:31
Nesta semana deu-se início o processo de seleção do primeiro diretor do Instituto Nacional da Mata Atlântica (INMA), instituição criada à custa da extinção do Museu de Biologia Prof. Mello Leitão.
 
A disputa pelo cargo incluiu a apresentação pública da visão pessoal e planejamento futuro para o INMA de cada um dos seis candidatos ao cobiçado cargo. O planejamento dos candidatos variou enormemente sob diversos aspectos institucionais decisivos à linha de funcionamento do Instituto. Dentre as propostas apresentadas, chamou a atenção o alto contraste entre a visão dos candidatos capixabas Cláudio Nicoletti Fraga e Sérgio Lucena Mendes, os quais apresentam histórico com o Museu de Biologia Prof. Mello Leitão.
 
Na visão de Cláudio Nicoletti Fraga, atual chefe da Divisão de Ciência do INMA, a modernização institucional é prioritária para efetivar os demais objetivos institucionais de pesquisa e educação ambiental. Fraga questionou as prioridades do planejamento estratégico vigente (norteador do plano diretor, ainda a ser elaborado). 
 
Para ele, existem diversas opções seguras de expansão das instalações que tornam desnecessária a remoção das coleções e laboratórios da área urbana do município: construção de novos prédios dentro do terreno do próprio museu substituindo as edificações antigas; uso de terrenos vizinhos ao Instituto; ou uso do prédio que sediava o antigo Hospital Municipal. Medidas que também garantem manter o espaço atual do Instituto para visitação e educação ambiental.
 
No que diz respeito ao orçamento ministerial disponível para os recursos humanos, Fraga ressaltou a necessidade de renegociar com o Ministério a quantidade de cargos concedidos – um problema gerado pela displicência no prosseguimento da criação do Instituto sem resolução de problemas capitais, neste caso, a ausência de estrutura orçamentária.
 
Fraga também destacou a importância de desenvolver parcerias com município e o Estado, ou seja, ter o Instituto participando de tudo que se refere à Mata Atlântica no ES. Essa medida, segundo o candidato, permitiria que emendas parlamentares da bancada capixaba auxiliassem na captação de recurso, o que também deverá ser feito pelo aumento de parcerias com iniciativas privadas.
 
O chefe da Divisão de Ciência do INMA citou também a importância em ter um planejamento condizente com a missão institucional do INMA, que é muito maior que aquela do extinto museu. Ele ressaltou a necessidade de promover o crescimento científico da instituição por meio de colaborações exógenas e investimentos em bolsistas internos, considerados a força braçal da ciência do INMA, bem como a importância de se manter o boletim científico. Por fim, Fraga chamou a atenção à necessidade do INMA em “dar sua cara a tapa” e contribuir com estudos da Bacia do Rio Doce.
 
Em contraste à posição de Fraga, os presentes ao debate puderam conhecer a visão do candidato de Sergio Lucena Mendes, coordenador do Movimento de Defesa da Criação do INMA (MoveINMA).
 
Segundo Mendes, o novo Instituto deverá alcançar um tamanho médio e possuir uma equipe leve, focando no desempenho de suas atividades em parcerias com grandes instituições, sem objetivar a implementação de tecnologias laboratoriais de custo elevado.
 
Outros pontos marcantes da opinião de Mendes, que divergiram à de Fraga, foram suas ideias para destinação do boletim científico criado por Augusto Ruschi, e a localização das instalações de pesquisa do Instituto. Para ele, o melhor a se fazer com o Boletim do Museu de Biologia Prof. Mello Leitão seria rebaixá-lo a um difusor de ciência e trabalhos técnicos. Quanto às instalações de pesquisa, o candidato acredita que os laboratórios e coleções devam ser removidos da localidade original e situados em prédios novos a serem construídos na região de Aparecidinha, que fica na zona rural de Santa Teresa.
 
Mendes concluiu frisando que o novo diretor precisará “correr atrás” de recursos privados para a instituição, indicando os recursos da indústria florestal capixaba, sobretudo a de celulose, como uma fonte potencial adequada ao novo Instituto: “Precisamos, de alguma forma, nos aproximar do setor florestal para conseguir recursos”.
 
A comparação entre as propostas dos candidatos revela perspectivas de dois institutos: um mais nacional, voltado para a ciência e expansão, que se apóia na própria estrutura física e científica deixada pelo patrono da Ecologia do Brasil para ampliar suas metas frente ao plano científico e tecnológico do Ministério que abriga; e outro que abre mão da sua história, até mesmo de seu periódico científico destinado a promover o avanço da ciência, sendo mais interiorano, mas que apesar do menor porte faz questão de remover da área urbana do município suas instalações de pesquisa, e que conta com a verba do setor industrial que mais devastou a Mata Atlântica capixaba.
 
Em tempo: mais informações sobre o desrespeitoso processo de desmanche do MBML podem ser encontradas nos textos anteriores desta coluna e reportagens de Século Diário. Detalhamentos sobre a devastação da Mata Atlântica capixaba pela indústria florestal podem ser encontrados nos artigos de Augusto Ruschi, publicados no boletim do MBML sob a série proteção natureza.
 

Piero Ruschi é Biólogo, doutor em zoologia pelo Museu Nacional/UFRJ, atuante nas áreas de Biodiversidade Genética, Evolução, Conservação da Natureza e Responsabilidade Socioambiental

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Mais um 'lote'

Depois de conseguir o controle do PSDB e retomar o do DEM, Hartung se volta para um antigo aliado: o PDT

OPINIÃO
Editorial
'Caos' das artes
Previsão de gastos com Cais das Artes até 2018 daria para comprar 60 clubes iguais ao Saldanha da Gama
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
Cidadãos ilustres
Assembleia deve tomar cuidado com suas medalhas, pois os homenageados de hoje podem ser os apedrejados de amanhã
Gustavo Bastos
Bancas de jornal
A banca de jornal, hoje, é um mundo que tem tudo
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
Caetano Roque
Agora é tarde
Não adianta a bancada fazer discurso a favor do trabalhador se ela votou quase à unanimidade a favor do impeachment
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Mais um 'lote'

Operação da Polícia Federal pune empresa que lançava esgoto in natura no Rio Doce

PDT realiza convenção estadual em dezembro de olho em 2018

Impopularidade de proposta teria pressionado recuo em homenagem a Lula

MPES quer reinclusão do fundador da Imetame em ação de improbidade