Seculo

 

Hartung busca lideranças de centro para agenda progressista para o País


06/09/2017 às 15:27
A movimentação do governador Paulo Hartung (PMDB) em nível nacional continua repercutindo nos meios políticos do Estado, sobretudo porque o debate inclui o PSB, do ex-governador Renato Casagrande — adversário político do peemedebista. Interlocutor do Palácio Anchieta no processo, o secretário de Agricultura, Octaciano Neto, explicou o processo e diz que o debate nacional é muito maior do que questões “paroquiais”. 
Segundo Octaciano, o governador vem acompanhando o debate nacional e entende que o País não pode correr o risco de caminhar nem para uma direita populista, nem para uma esquerda defasada. Daí a busca de lideranças de centro para construir uma agenda nacional. Nesta lista de lideranças estão o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM); o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin; e o prefeito de São Paulo, João Dória, ambos do PSDB e, mais recentemente, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. 
 
Sobre as declarações dadas ao jornal Valor Econômico de que o governador não vê dificuldade intransponível no debate com o PSB, partido que estaria na mira de Barbosa, mas que também abriga o ex-governador Casagrande, Octaciano Neto afirmou que o debate nacional deve suplantar as incompatibilidades locais, pois se trata de uma questão maior e mais importante. 
 
Para o secretário, nada impede que um presidenciável possa estar em dois palanques locais no Estado, que tenha compromisso com essa agenda nacional de reconstrução. O PSB, segundo Ocataciano, está para Hartung como um partido com o qual deve se manter a conversa dentro desta linha, e não como um destino certo. Ele acrescenta que esse debate está começando a ser construindo e não indica “uma chapa puro sangue” pelo PSB com Joaquim Barbosa e Hartung. 
 
O secretário destacou ainda que os próximos passos desse debate são os de continuar buscando o aprofundamento das questões nacionais e da proposição de soluções equilibradas para crise. Ele afirmou que o governador deve manter sua agenda política no Estado. A visão do governador hoje se projeta nacionalmente, garante o secretário. Ele diz ainda que as agendas de entregas do governador pelo interior do Estado “são administrativas, embora tenham efeitos políticos, sim”, reconheceu.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações