Seculo

 

Hartung busca lideranças de centro para agenda progressista para o País


06/09/2017 às 15:27
A movimentação do governador Paulo Hartung (PMDB) em nível nacional continua repercutindo nos meios políticos do Estado, sobretudo porque o debate inclui o PSB, do ex-governador Renato Casagrande — adversário político do peemedebista. Interlocutor do Palácio Anchieta no processo, o secretário de Agricultura, Octaciano Neto, explicou o processo e diz que o debate nacional é muito maior do que questões “paroquiais”. 
Segundo Octaciano, o governador vem acompanhando o debate nacional e entende que o País não pode correr o risco de caminhar nem para uma direita populista, nem para uma esquerda defasada. Daí a busca de lideranças de centro para construir uma agenda nacional. Nesta lista de lideranças estão o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM); o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin; e o prefeito de São Paulo, João Dória, ambos do PSDB e, mais recentemente, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. 
 
Sobre as declarações dadas ao jornal Valor Econômico de que o governador não vê dificuldade intransponível no debate com o PSB, partido que estaria na mira de Barbosa, mas que também abriga o ex-governador Casagrande, Octaciano Neto afirmou que o debate nacional deve suplantar as incompatibilidades locais, pois se trata de uma questão maior e mais importante. 
 
Para o secretário, nada impede que um presidenciável possa estar em dois palanques locais no Estado, que tenha compromisso com essa agenda nacional de reconstrução. O PSB, segundo Ocataciano, está para Hartung como um partido com o qual deve se manter a conversa dentro desta linha, e não como um destino certo. Ele acrescenta que esse debate está começando a ser construindo e não indica “uma chapa puro sangue” pelo PSB com Joaquim Barbosa e Hartung. 
 
O secretário destacou ainda que os próximos passos desse debate são os de continuar buscando o aprofundamento das questões nacionais e da proposição de soluções equilibradas para crise. Ele afirmou que o governador deve manter sua agenda política no Estado. A visão do governador hoje se projeta nacionalmente, garante o secretário. Ele diz ainda que as agendas de entregas do governador pelo interior do Estado “são administrativas, embora tenham efeitos políticos, sim”, reconheceu.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba