Seculo

 

Hartung busca lideranças de centro para agenda progressista para o País


06/09/2017 às 15:27
A movimentação do governador Paulo Hartung (PMDB) em nível nacional continua repercutindo nos meios políticos do Estado, sobretudo porque o debate inclui o PSB, do ex-governador Renato Casagrande — adversário político do peemedebista. Interlocutor do Palácio Anchieta no processo, o secretário de Agricultura, Octaciano Neto, explicou o processo e diz que o debate nacional é muito maior do que questões “paroquiais”. 
Segundo Octaciano, o governador vem acompanhando o debate nacional e entende que o País não pode correr o risco de caminhar nem para uma direita populista, nem para uma esquerda defasada. Daí a busca de lideranças de centro para construir uma agenda nacional. Nesta lista de lideranças estão o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM); o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin; e o prefeito de São Paulo, João Dória, ambos do PSDB e, mais recentemente, o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. 
 
Sobre as declarações dadas ao jornal Valor Econômico de que o governador não vê dificuldade intransponível no debate com o PSB, partido que estaria na mira de Barbosa, mas que também abriga o ex-governador Casagrande, Octaciano Neto afirmou que o debate nacional deve suplantar as incompatibilidades locais, pois se trata de uma questão maior e mais importante. 
 
Para o secretário, nada impede que um presidenciável possa estar em dois palanques locais no Estado, que tenha compromisso com essa agenda nacional de reconstrução. O PSB, segundo Ocataciano, está para Hartung como um partido com o qual deve se manter a conversa dentro desta linha, e não como um destino certo. Ele acrescenta que esse debate está começando a ser construindo e não indica “uma chapa puro sangue” pelo PSB com Joaquim Barbosa e Hartung. 
 
O secretário destacou ainda que os próximos passos desse debate são os de continuar buscando o aprofundamento das questões nacionais e da proposição de soluções equilibradas para crise. Ele afirmou que o governador deve manter sua agenda política no Estado. A visão do governador hoje se projeta nacionalmente, garante o secretário. Ele diz ainda que as agendas de entregas do governador pelo interior do Estado “são administrativas, embora tenham efeitos políticos, sim”, reconheceu.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Tabuleiro de 2018

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018