Seculo

 

Livro registra pesquisa sobre os grupos de jongo e caxambu do Espírito Santo


06/09/2017 às 16:33
O livro Jongos e Caxambus: culturas afro-brasileiras no Espírito Santo, dos professores da Ufes Aissa Afonso Guimarães e Osvaldo Martins de Oliveira, é registra um processo de pesquisa de uma manifestação de origem africana que, apesar de estarem sob os eucaliptais da Fíbria (ex-Aracruz Celulose), não sucumbiu. 
 
Se manifestações como o Reis de Boi foram dilapidadas em cerca de 80% com a expansão predatória das plantações de eucalipto, os grupos de Jongo continuam não apenas ativos, como também crescentes. Recentemente, grupos estão surgindo, já que, em que pese a origem africana do jongo, os grupos não discriminam participantes com base na cor da pele.
 
Um encontro de jongo semana passada na região do Linharinho, em Conceição da Barra, reuniu nove grupos na região norte. Jongo de São Benedito e São Sebastião (Itaúnas); Jongo de Santa Bárbara (Linharinho); Jongo de São Bartolomeu (Quilombo Novo); Jongo de Santa Ana (Sant'Ana); Jongo de Cosme e Damião (Porto Grande); Jongo de Nossa Senhora Aparecida (Córrego do Alexandre), todos de Conceição da Barra; e Jongo de São Benedito (Sernamby); Jongo de Santo Antônio (São Cristóvão) e Jongo de São Benedito (Campo Grande), estes de São mateus.
 
Caxambu é como o jongo é conhecido no sul do Estado - são as mesmas manifestações, com algumas pequenas diferenças. Os autores do livro foram ao encontro para exibir aos grupos e ouvir deles o que tinham a comentar. O encontro acabou se constituindo em uma boa conversação entre jongueiros e pesquisadores.
 
O jongo é uma expressão de origem africana, que, ao som de tambores, eles dançam nos versos tirados pelos participantes. 
 
Com sabedoria e um toque de humor, Hermógenes Lima da Fonseca resume a riqueza de manifestações que pode revestir o jongo: “São tantas as modalidades que ninguém ainda se meteu a gato mestre de juntar os pés com as orelhas para dizer o que é jongo por essas plagas, qual a influência da cultura afro que desafia quem a estude”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Agência Senado
Cotações

Apesar de já ter anunciado apoio a Majeski, sobem as apostas de que Max Filho poderá, mesmo, é fixar lugar no palanque de Rose

OPINIÃO
Piero Ruschi
Visita à coleção zoológica de Augusto Ruschi
Visitei a coleção zoológica criada por meu pai e seu túmulo na Estação Biológica. Por um lado, bom, por outro, angústia
Gustavo Bastos
Minha luta com o sol - Pentagrama - Parte I
''vi o sol inca ficar vermelho''
Wilson Márcio Depes
A Frente Ampla começou em Cachoeiro?
Município do sul do Estado mantém a falta de entressafra política
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Roberto Junquilho
Gestão de marca
Manter elos com redutos eleitorais faz a cabeça da classe política
Geraldo Hasse
Refém do Mercado
O País está preso ao neoliberalismo do tucano Pedro Parente, presidente da BR
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Arrogância também conta?
MAIS LIDAS

Especialista critica projeto Escola Sem Partido proposto por vereador de Vitória

TSE define quanto cada partido receberá do Fundo Eleitoral

Pesquisa de R$ 2 milhões financiada pela ArcelorMittal é aprovada em regime de urgência pela Ufes

Procons fiscalizam aumentos nos preços dos combustíveis em postos de Vitória e Serra

Trabalhadores e empresários da Construção Civil dão trégua de um mês para negociações