Seculo

 

Livro registra pesquisa sobre os grupos de jongo e caxambu do Espírito Santo


06/09/2017 às 16:33
O livro Jongos e Caxambus: culturas afro-brasileiras no Espírito Santo, dos professores da Ufes Aissa Afonso Guimarães e Osvaldo Martins de Oliveira, é registra um processo de pesquisa de uma manifestação de origem africana que, apesar de estarem sob os eucaliptais da Fíbria (ex-Aracruz Celulose), não sucumbiu. 
 
Se manifestações como o Reis de Boi foram dilapidadas em cerca de 80% com a expansão predatória das plantações de eucalipto, os grupos de Jongo continuam não apenas ativos, como também crescentes. Recentemente, grupos estão surgindo, já que, em que pese a origem africana do jongo, os grupos não discriminam participantes com base na cor da pele.
 
Um encontro de jongo semana passada na região do Linharinho, em Conceição da Barra, reuniu nove grupos na região norte. Jongo de São Benedito e São Sebastião (Itaúnas); Jongo de Santa Bárbara (Linharinho); Jongo de São Bartolomeu (Quilombo Novo); Jongo de Santa Ana (Sant'Ana); Jongo de Cosme e Damião (Porto Grande); Jongo de Nossa Senhora Aparecida (Córrego do Alexandre), todos de Conceição da Barra; e Jongo de São Benedito (Sernamby); Jongo de Santo Antônio (São Cristóvão) e Jongo de São Benedito (Campo Grande), estes de São mateus.
 
Caxambu é como o jongo é conhecido no sul do Estado - são as mesmas manifestações, com algumas pequenas diferenças. Os autores do livro foram ao encontro para exibir aos grupos e ouvir deles o que tinham a comentar. O encontro acabou se constituindo em uma boa conversação entre jongueiros e pesquisadores.
 
O jongo é uma expressão de origem africana, que, ao som de tambores, eles dançam nos versos tirados pelos participantes. 
 
Com sabedoria e um toque de humor, Hermógenes Lima da Fonseca resume a riqueza de manifestações que pode revestir o jongo: “São tantas as modalidades que ninguém ainda se meteu a gato mestre de juntar os pés com as orelhas para dizer o que é jongo por essas plagas, qual a influência da cultura afro que desafia quem a estude”.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba