Seculo

 

Reforma Agrária Popular é uma demanda de toda a sociedade


06/09/2017 às 17:45
A celebração de um grande encontro entre o campo e a cidade é o que se espera acontecer durante a 2ª Feira de Produtos da Reforma Agrária do Espírito Santo, que será realizada de 14 a 16 de setembro, no Centro de Vitória.

Os itens que estarão disponíveis para comercialização são uma amostra da diversidade que é produzido nos assentamentos e acampamentos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) no Estado: verduras, legumes, frutas e agroindustrializados, como café, pães, biscoitos, arroz e licores, além de mudas de plantas e artesanatos diversos.

Mas, muito além da compra e venda de produtos – a maioria deles já agroecológicos ou em transição para a agroecologia –, a Feira é um espaço e um momento privilegiado para aproximar os moradores da cidade dos trabalhadores do campo, evidenciando a necessidade de unir as lutas por um novo modelo de sociedade, em que a democratização da terra e a soberania alimentar sejam um dos seus fundamentos.

“Mesmo na cidade, uma pessoa sem relação formal com sindicato ou movimentos sociais, tem três ou mais encontros diários com os trabalhadores do campo, no café da manhã, no almoço e no jantar”, lembra Débora Nunes, membro da coordenação nacional do MST em Alagoas e que fará a palestra A Relação Campo e Cidade na Conjuntura Atual: Alianças e Perspectivas.

“A aliança é nesse aspecto, de compreender que a reforma agrária pode contribuir para solucionar a falta de mobilidade urbana, que é consequência do inchaço das cidades, em decorrência da expulsão dos trabalhadores do campo. Ou o próprio preço do alimento, pois uma oferta menor do que a procura faz aumentar o preço, e, ao contrário, tendo mais gente no campo produzindo alimento saudável, tem impacto positivo direto sobre os moradores das cidades”, exemplifica Débora.

A coordenadora nacional do MST enfatiza a diferença entre a Reforma Agrária clássica, empenhada de forma canhestra pelo Estado, e a Reforma Agrária Popular, reivindicada pelos movimentos sociais.

A primeira, explica, é uma demanda do próprio capital, que precisa de mão de obra barata para produzir matéria-prima para as indústrias e alimento para a cidade. Desde a década de 1970, ela é feita com esse objetivo, distribuindo terra para uma pequena parcela dos trabalhadores.

Já a Reforma Agrária Popular tem como pressuposto a democratização da terra, não com políticas pontuais para resolver conflitos, mas com medidas que transformem a desigual estrutura fundiária brasileira, colocando a terra nas mãos dos camponeses. E, uma vez democratizada a terra, explica Débora, dar um novo uso aos bens da natureza, a água, o solo, a biodiversidade, os rios, as florestas, além de prover o acesso à cultura e ao lazer, compreendendo as diversas dimensões da vida humana.

“A sociedade precisa saber que esse modelo hegemônico de produção rural, concebido pelo Estado, por meio do direcionamento dos recursos públicos ao agronegócio, não produz alimentos saudáveis”, salienta a líder camponesa, lembrando que a média de consumo de agrotóxicos pelos brasileiros já chegou a sete litros por ano por pessoa. “A Reforma Agrária Popular é um projeto para o campo, sim, mas tem a ver com toda a população, é um outro projeto de sociedade”, enuncia. 

 
Serviço:

2ª Feira de Produtos da Reforma Agrária do Espírito Santo

Data: 14 a 16 de setembro

Local: Praça Costa Pereira (e debates no auditório do Sindibancários - Rua Wilson Freitas, 93, Centro, Vitória)

Programação:

Quinta-feira, dia 14
7h às 19h – Feira de Produtos e Rádio Universitária SOY LOCO POR TI
12h – O Homem Máquina
14h – Abertura da Feira
15h às 16h30 – Troca de Sementes
17h às 19h – Debate: Produção e alimentação saudável, com Ana Terra (MST) e Alcemi Barros (UFES). Local: Auditório Sindibancários
19h30 – Culinária da Terra.
20h às 22h – Show com Regional da Nair

Sexta-feira, dia 15
7h às 19h – Feira de Produtos Culinária da Terra e Rádio Universitária SOY LOCO POR TI
12h – Lançamento do Livro Poesia Sem Tetra, uma produção da Juventude nos Assentamentos do MST/Editora Cousa
14h – Cortejo pela Rua Sete
15h às 16h30 – Oficina de Plantas Comestíveis Não Convencionais (PANCS). Coletivo Casa Verde
17h às 19h – Debate: A relação campo e cidade na conjuntura atual: Alianças e Perspectivas, com Débora Nunes (MST) e Carlos P. de Araújo
19h30 – Homenagem à Revolução Cubana e à Revolução Russa e a Construção de uma Utopia Socialista Ademar Bogo (UFBA) e Olga Perez Souto (Universidad de Havana)
20h às 22h – Show com Grupo de Forró Chapéu de Palha

Sábado, dia 16
7h às 14h – Feira de Produtos e Culinária da Terra
9h – Teatro do Oprimido. Grupo de Estudos em Cultura e Educação Popular
11h – Show com 5.SAMBA
14h – Encerramento
 
 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Quem dá mais?

Enquanto o mercado político se divide cada vez mais entre o bloco palaciano e o puxado por Casagrande, Audifax segue com acenos para o lado que mais convém

OPINIÃO
Editorial
Castigada seja a hipocrisia!
Ideal, mesmo, seria ver tamanha indignação dos deputados estaduais no debate sobre nudez artística em casos reais de atentado à paciência da sociedade
Geraldo Hasse
Manobras perigosas
Os empresários, que surfaram na onda de Lula, estão assustados com a pororoca de Temer
JR Mignone
Banalização
O carnaval fez com que se desse uma trégua nas informações sobre política no Brasil
Roberto Junquilho
Hora do plano B
Os planos de Hartung e Colnago retornam à estaca zero com a saída de Luiz Paulo do PSDB
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Castigada seja a hipocrisia!

Hora do plano B

Ricardo Ferraço ensaia chapa casada ao Senado com Amaro Neto

Quem dá mais?

Estudantes reagem contra manutenção do reajuste na passagem de ônibus