Seculo

 

Escola no campo recebe alimento da merenda fora das embalagens


07/09/2017 às 19:12
A comunidade escolar da Escola Estadual Unidocente de Ensino Fundamental (EEUEF) Maria Julita, na zona rural de Santa Teresa, região serrana do Estado, se espantou com a forma como a merenda escolar foi entregue na unidade, na remessa que vale para o intervalo entre 28 de agosto a oito de setembro.

A quantidade de alimento – que é pouca, considerando que a escola rural tem dez alunos e a remessa vale para dez dias – não foi razão do estranhamento, já que ela já havia sido reduzida, mas a forma como a alimentação foi entregue.

Os alimentos, que deveram estar embalados, com data de fabricação, origem e validade, foram entregues em sacolas plásticas sem qualquer identificação de procedência. Os alimentos, como grãos, farinhas, arroz e feijão, foram entregues em sacos amarrados, com as quantidades descritas na comanda de atendimento.

Os professores e pais de alunos estranharam a forma como os alimentos chegaram à escola. Eles alertam que, sem a indicação de procedência, não é possível garantir a qualidade dos alimentos servidos aos alunos.

Educação no campo

Movimentos de camponeses, sem-terras, indígenas e quilombolas sempre apontam para a necessidade de um ensino de qualidade voltado para a realidade dos moradores das zonas rurais.

Em contrapartida, escolas e turmas têm sido fechadas. Entre os anos de 2007 e 2015, foram fechadas 544 escolas do campo, entre estaduais e municipais.

As entidades que compõem o Comitê Estadual de Educação do Campo apontam que houve um retrocesso no setor desde o início do atual mandato e atribuem a responsabilidade ao governador Paulo Hartung, por não priorizar a educação.

Com a justificativa de corte de gastos, a atual gestão reduziu a contratação de professores para este ano e tentou extinguir a gerência da educação no campo. A Secretaria de Estado de Educação (Sedu) também fez pressão para fechar as escolas que têm poucos alunos e, em alguns municípios, quis fundir turmas de séries diferentes.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018