Seculo

 

Escola no campo recebe alimento da merenda fora das embalagens


07/09/2017 às 19:12
A comunidade escolar da Escola Estadual Unidocente de Ensino Fundamental (EEUEF) Maria Julita, na zona rural de Santa Teresa, região serrana do Estado, se espantou com a forma como a merenda escolar foi entregue na unidade, na remessa que vale para o intervalo entre 28 de agosto a oito de setembro.

A quantidade de alimento – que é pouca, considerando que a escola rural tem dez alunos e a remessa vale para dez dias – não foi razão do estranhamento, já que ela já havia sido reduzida, mas a forma como a alimentação foi entregue.

Os alimentos, que deveram estar embalados, com data de fabricação, origem e validade, foram entregues em sacolas plásticas sem qualquer identificação de procedência. Os alimentos, como grãos, farinhas, arroz e feijão, foram entregues em sacos amarrados, com as quantidades descritas na comanda de atendimento.

Os professores e pais de alunos estranharam a forma como os alimentos chegaram à escola. Eles alertam que, sem a indicação de procedência, não é possível garantir a qualidade dos alimentos servidos aos alunos.

Educação no campo

Movimentos de camponeses, sem-terras, indígenas e quilombolas sempre apontam para a necessidade de um ensino de qualidade voltado para a realidade dos moradores das zonas rurais.

Em contrapartida, escolas e turmas têm sido fechadas. Entre os anos de 2007 e 2015, foram fechadas 544 escolas do campo, entre estaduais e municipais.

As entidades que compõem o Comitê Estadual de Educação do Campo apontam que houve um retrocesso no setor desde o início do atual mandato e atribuem a responsabilidade ao governador Paulo Hartung, por não priorizar a educação.

Com a justificativa de corte de gastos, a atual gestão reduziu a contratação de professores para este ano e tentou extinguir a gerência da educação no campo. A Secretaria de Estado de Educação (Sedu) também fez pressão para fechar as escolas que têm poucos alunos e, em alguns municípios, quis fundir turmas de séries diferentes.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Precipitou-se

Com um olho em 2018 e outro em 2020, Luciano Rezende antecipou o processo eleitoral, mas esqueceu a Lava Jato. Aí mora o problema.

OPINIÃO
Renata Oliveira
Majeski deve bater asas
Pelo andar da carruagem da disputa pela presidência do PSDB estadual, a história do deputado com o partido caminha para um melancólico fim
JR Mignone
Qual rádio ouviria hoje?
Sinceramente, não saberia explicar que tipo de rádio eu ouviria hoje, isto é, que me motivaria a ligar o botão para ouvi-la: uma de notícia ou uma só de música selecionada
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
Caetano Roque
Emprego de ficção
Diariamente vagas e mais vagas são prometidas nos jornais e onde está o sindicato para cobrar isso
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Subseção da OAB-ES cobra esclarecimento sobre atuação de Homero Mafra na defesa de acusado

Posse de tucano no Turismo é demonstração interna de força de Colnago

Justiça Federal determina que 14 municípios adotem ponto eletrônico para médicos e dentistas

Dary Pagung vai fechar a porta para emendas de deputados no orçamento

Ato público abre Semana Sem Petróleo no Espírito Santo