Seculo

 

STJ determina trancamento de ação penal contra procurador federal


08/09/2017 às 14:10
A Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou o trancamento de uma ação penal contra um procurador federal acusado de falsidade ideológica pela inserção de informações falsas em seu currículo Lattes. No exame do RHC 81451, no último dia 22, o colegiado entendeu que o texto não pode ser classificado como um “documento digital” para fins penais. Também foi declarada nula a outra parte da denúncia que tratava do suposto crime de peculato-furto.

O caso foi denunciado pelo Ministério Público Federal no Espírito Santo (MPF-ES). Inicialmente, o órgão ministerial entendia pelo arquivamento do caso, mas o juiz federal rejeitou a justificativa e determinou o seguimento do processo. Logo após, o procurador – lotado na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) – entrou com habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), que acabou sendo negado.

Na ação penal, o MPF entendia que, em 2010, o procurador federal inseriu dados falsos na plataforma acadêmica com objetivo de obter uma melhor avaliação do curso de mestrado da instituição, do qual seria o coordenador. Ele teria afirmado que trabalhava como professor adjunto num regime de 40 horas semanais, quando, na verdade, seriam 20 horas. Para o órgão ministerial, houve uma tentativa de ludibriar o CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) em suas avaliações.

Entretanto, a ministra-relatora no STJ, Maria Thereza de Assis Moura, considerou que o currículo Lattes do CNPq não é assinado digitalmente, não ostentando, portanto, a qualidade de “documento digital” para fins penais. Segundo ela, a checagem da autenticidade das informações cabe a quem tem nela interesse, o que demonstraria a atipicidade (quando não há crime) na conduta do procurador. O voto foi acompanhado pelo restante do colegiado.

Em relação à parte declarada nula no processo, a relatora considerou que a atuação do MPF foi equivocada. O órgão ministerial alegava que o procurador tinha o dever de agir para que o montante recebido pela Fundação Ceciliano Abel de Almeida (FCAA) em decorrência de uma ação fiscal fosse repassado à Ufes.

“Na hipótese de que se cuida, a atuação do recorrente como advogado da FCAA, em 2001, não é objeto da persecução penal, tampouco o recebimento dos consequentes honorários advocatícios, embora conste na denúncia que teria engendrado, no particular, ato ‘ilícito’”, afirmou a ministra em seu voto. O acórdão do julgamento foi publicado no último dia 31.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tudo em casa

A eleição do PSDB capixaba acabou, mas não para o novo presidente do partido, César Colnago...

OPINIÃO
Editorial
'Caos' das artes
Previsão de gastos com Cais das Artes até 2018 daria para comprar 60 clubes iguais ao Saldanha da Gama
Piero Ruschi
Perseguição à honra de Ruschi
Infelizmente, de nada valeram meus 14 anos de contribuição mediante a minha postura de defender o Museu Mello Leitão, criado por meu pai
Renata Oliveira
HH ganha força
O fortalecimento do presidenciável Luciano Huck influencia na escolha do governador Paulo Hartung, que tenta ser vice do apresentador
Gustavo Bastos
Bancas de jornal
A banca de jornal, hoje, é um mundo que tem tudo
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Morre desembargador Carlos Henrique Rios do Amaral (1945-2017)

Município de Ibitirama é condenado a indenizar servidor vítima de assédio moral

Tudo em casa

Juiz eleitoral arquiva denúncia contra prefeito de Ponto Belo

Trabalhadores da Vale aprovam contraproposta para fechamento do acordo coletivo