Seculo

 

Será mesmo?


09/09/2017 às 19:03

O governador Paulo Hartung tem feito um trabalho muito forte para tentar se colocar em posição de destaque no cenário nacional. Ainda bem, para ele, que as idiossincrasias incutidas em seu discurso não são exploradas pela mídia nacional, senão a projeção poderia não ser assim tão impressionante.

A grande façanha que Hartung apresenta para sustentar seu status de grande economista é o fato de estar pagando em dia o funcionalismo público, apesar da crise, sempre usando o Rio de Janeiro como exemplo do que não se fazer. Esse argumento, porém, é relativo. Evidentemente, a crise no Rio de Janeiro é causada por uma desorganização administrativa e a corrupção revelada por seus últimos governantes.

Mas, vamos relativizar a coisa. O Espírito Santo tem pouco mais de 90 mil servidores,  o Rio de Janeiro tem 233 mil funcionários. O Orçamento do Rio de Janeiro foi R$ 58 bilhões, com déficit de R$ 19 bilhões. Uma situação crítica.

Quando assumiu o governo, Hartung disse ter encontrado um rombo nas contas públicas de R$ 1,5 bilhão, o que o fez promover uma política de cortes de gastos. Com o arrocho nos servidores, o Estado “voltou aos trilhos”, logo, não há o que reclamar.

Como podemos ver, a coisa não era tão feia se comparada ao Rio de Janeiro. O déficit de Hartung poderia ser facilmente transformadosem superávit, se fossem incorporadas os cerca de R$ 4 bilhões em renúncias fiscais que são concedidos à boca miúda, sem transparência no Espírito Santo. Há uma forçada de barra para que o governador do Espírito Santo seja apresentado como o grande gestor de um Estado, com base apenas em sua planilha de ativos e passivos zerada.

Mas por que há esse equilíbrio? O equilíbrio existe porque os investimentos não foram feitos, estão sendo feitos agora. Só viatura entregue não resolve o problema da segurança; o sucateamento das escolas e das unidades de atendimento à saúde segue cada vez mais grave, mas a gestão de alguns Oasis em meio ao caos, como a Escola Viva, foi entregue à iniciativa privada como bem gosta o povo do mercado, que festeja Hartung como o grande modelo de gestor.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba