Seculo

 

PH quer a bênção do povo


09/09/2017 às 12:04
O governador Paulo Hartung (PMDB) está mostrando que sabe, como ninguém, tirar proveito desta crise aguda que o País atravessa. Lá atrás, em 2015, logo que iniciou seu terceiro mandato, ele fez a leitura do cenário político numa velocidade impressionante, superando lideranças locais e nacionais ao transformar o Espírito Santo num caso de sucesso: o Estado que desenvolveu a receita para vencer a crise.
 
Ao mesmo tempo em que martelava a narrativa do ajuste fiscal, PH conquistava espaço na grande mídia nacional, sendo cortejado pelos formadores de opinião, sobretudo do mercado econômico, como o governador que empreendeu um modelo de gestão fiscal severo, capaz de dar um nó na crise. 
 
A cereja do bolo veio com a entrevista de Joaquim Barbosa ao jornal Valor Econômico (01/09/17). O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que é considerado uma das raras reservas morais deste País, afirmou que, caso decida entrar na política, só o faria na companhia de um homem como Hartung, abrindo assim a possibilidade de compor uma chapa à Presidência da República com o governador capixaba na vice. 
 
O afago de Barbosa, obviamente, está sendo comemorado por PH até agora. Ele vai tirar proveito máximo desse elogio. O problema desta suposta parceria é a posição que está sendo oferecida a PH. Não sei se ele é homem de assumir o papel de coadjuvante. Mesmo sendo numa chapa à Presidência, isso não deixa de ser um papel diferente do qual ele está acostumado a exercer, que é o de comando, de protagonista. 
 
Apesar da repercussão que a classe política está dando a essa incipiente parceria Barbosa-PH, sigo apostando que o governador segue sendo candidato à reeleição. Ninguém sabe onde esta história com Barbosa vai parar, mas é certo que PH vai tirar dela o que puder.
 
Já escalou o deputado Enivaldo dos Anjos (PSD) na Assembleia e alguns interlocutores palacianos para repercutir para dentro do Estado a virtual chapa com Barbosa. Enivaldo já pediu a união de toda a classe política em torno do projeto Barbosa-PH, destacando que está é uma chance única para o Espírito Santo entrar definitivamente no mapa político do Brasil.
 
Há uma estratégia por trás dessa movimentação interna. Vamos supor que essa aliança com Barbosa não avance. Amanhã, o ex-ministro pode acordar é dizer simplesmente que a política não é para ele e tirar o time de campo. PH, de qualquer maneira, já terá tirado os dividendos dessa história. Se isso acontecer, a reflexão que fica é a seguinte: “O Espírito Santo tem o privilégio de ter como governador um homem que estava sendo cotado para ser vice-presidente da República”. 
 
As condições estariam criadas para o “Fica, Paulo Hartung”. Se isso acontecer, virtuais candidatos ao governo como a senadora Rose de Freitas (PMDB) e o ex-governador Renato Casagrande (PSB) passam a ter suas chances bem reduzidas de enfrentá-lo de igual para igual.
 
Essa é sem dúvida uma jogada espetacular de PH, dentro desse ambicioso projeto de ser reeleito nos braços do povo. O quarto mandato, nessas condições, pavimentaria seu caminho ao Senado, sem solavancos, em 2022, quando a Casa abre somente uma cadeira, tornando a disputa mais acirrada. 
 
Esse cenário parece, por ora, bem favorável a PH, especialmente porque não há ninguém no campo se movimentando contra o seu governo, que segue incólume. 
 
É um governante que está sendo laureado por este pequeno Espírito Santo, que nunca imaginou que pudesse sonhar em alçar um representante numa posição tão importante. 
 
Deslumbramento dos mais entusiasmados à parte, insisto que PH é candidato à reeleição. Mas não a qualquer reeleição. Ele quer ser aclamado desta vez, quer que a população lhe peça bênção.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
CMV
Gandini e a máquina

Atual 'sacada' eleitoral de Fabrício Gandini é na área de segurança e com reforço de comitiva da prefeitura, onde até outro dia era o ''supersecretário''

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Agricultores orgânicos de Santa Maria de Jetibá e de Linz organizam intercâmbio

Ministro do STF mantém afastamento do prefeito de Itapemirim

MPF quer que motoristas multados tenham acesso às imagens das infrações

STJ concede habeas corpus para ortopedista preso em Lama Cirúrgica

Câmara de Vitória realiza a primeira de três audiências sobre Escola Sem Partido