Seculo

 

Projeto de lei cobra mais transparência por beneficiários de incentivos fiscais


11/09/2017 às 12:16
As empresas que recebem incentivos fiscais no Espírito Santo poderão ter que divulgar, no Diário Oficial, os seus balanços sociais e da verificação da distribuição das riquezas geradas a partir dos benefícios. A ideia partiu do deputado estadual Sergio Majeski (PSDB), que protocolou o projeto de lei (PL 328/2017) na última semana. Ele justifica que esse tipo de divulgação é obrigatório para companhias abertas e é justo que as empresas incentivadas demonstrem o benefício de suas atividades à população.
 
Segundo o PL, as empresas contempladas pelos programas de incentivo do governo – Invest-ES e Compete-ES – deverão publicar anualmente sua Demonstração do Valor Adicionado (DVA), além das notas técnicas com indicadores sociais e ambientais. Somente as empresas com receita bruta superior a R$ 3,6 milhões por ano seriam obrigadas a cumprir a medida. O prazo sugerido para publicação das informações é de até 30 dias após o fim do exercício financeiro, sendo que a manutenção dos benefícios ficaria condicionada à publicidade dos dados.
 
Na justificativa da matéria, Majeski alega que é justa a adoção de mecanismos para comprovação dos benefícios com os incentivos por parte das empresas. Segundo o tucano, o Estado deixa de arrecadar mais de R$ 1 bilhão por causa dos incentivos fiscais: “É justo que sejam estabelecidos mecanismos que demonstrem à população o seu benefício, uma vez que as renúncias de receita podem ser tidas como uma perda aos cofres públicos caso não gerem os resultados sociais e econômicos esperados”.
 
O DVA é um tipo de demonstrativo contábil da riqueza criada pela empresa e tem por finalidade evidenciar a distribuição da riqueza gerada com a remuneração dos financiadores, empregados e acionistas, além dos impostos pagos ao governo. A proposta de Majeski é de que o documento, em conjunto com uma nota técnica, evidencie os impactos sociais e ambientais da organização na sociedade. O Demonstrativo é regulamentado pelo do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC).
 
O projeto de lei foi lido no expediente da sessão da última segunda-feira (4). O texto está sendo examinado pela Procuradoria da Assembleia Legislativa. Em seguida, o PL vai passar pelas comissões de Justiça, de Meio Ambiente e de Finanças.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Carta ao inventor da música
''Mas que alma mora no sol?''
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Roberto Junquilho
Tem jabuti na árvore
Por trás da conturbada escolha do candidato ao governo, há uma clara demostração de poder de Hartung
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

'Devoção' cega

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete