Seculo

 

Agência de Recursos Hídricos retoma estado de alerta: prejudicado é o pequeno agricultor


11/09/2017 às 16:31
A Resolução nº 058/2017 da Agência Estadual de Recursos Hídricos (Agerh), publicada no Diário Oficial desta segunda-feira (11), restabelece o estado de Alerta em todo o Espírito Santo.

Assinada pelo diretor-presidente, Leonardo Deptulski, e outros três diretores da Agerh –Antonio de Oliveira Junior, Anselmo Tozi e Márcio Luis Bragato –, a Resolução retoma as restrições de captação de água em mananciais durante o período diurno, exceto para as regiões onde existem os Acordos de Cooperação Comunitários (ACCs).

O Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) ressalta, porém, que os maiores prejudicados com a medida são os pequenos agricultores, que não têm estrutura, dinheiro nem a localização privilegiada dos grandes produtores para manter, mesmo que de forma clandestina, o abastecimento de suas propriedades.

“Quem tem mais recursos, mais condição, são os que menos respeitam a legislação. Na hora da seca, os grandes fazem poços artesianos de 100, 200 metros de profundidade, cujos preços são superiores a R$ 20 mil. Não pega água na represinha, no córrego quando ainda tem, mas capta lá do poço”, relata Sérgio Conti, da coordenação estadual do MPA.

Outra ação comumente empreendida pelos grandes fazendeiros em períodos de seca é a captação irregular de água dos grandes mananciais por meio de uma rede já previamente instalada, antes das declarações de proibição desse tipo de estrutura, que enche seus reservatórios e represas com água que será usada durante o dia. Essas extrações clandestinas são geralmente feitas à noite, diz Sérgio, quando a fiscalização é inexistente.

“A noite só pode captar de um córrego que passa dentro da propriedade. Mas os que não têm esses córregos, vão no rio público que abastece a cidade próxima, e sequestra algo que não está autorizado”, descreve.

A própria construção dos poços artesianos, inacessíveis financeiramente para o camponês, conta Sérgio, também está maculada de irregularidades. “Tem legislação que proíbe, mas o Estado não fiscaliza essa exploração da água do subsolo. A legislação não é muito clara e eles aproveitam para não fazer nada”, reclama.

Barragens 

Desproporcionalmente prejudicados pela proibição de irrigação, os camponeses capixabas também são desfavorecidos no Programa Estadual de Barragens. Sérgio aponta que o discurso de que as barragens visam garantir o abastecimento das cidades, a localização escolhida para as mesmas visa, claramente, beneficiar os grandes produtores de monocultivos, como café e eucalipto.

“Existem vários lugares propícios para fazer as represas, mas não, eles vão exatamente nos lugares onde há impacto ambiental maior e mais perto dos grandes proprietários”, conta o coordenador do MPA, referindo-se a regiões onde o rio em questão corre numa espécie de valão, com uma “parede” maior, o que permite uma área alagada menor e em áreas de menor vegetação. “Só que dificilmente, nesses lugares mais 'morrados', tem produção grande por perto”, explica.

O formato de parcerias firmadas para a construção dessas barragens – cujo Programa custará aos cofres públicos em torno de R$ 90 milhões – também indica a clara intenção de privilegiar os grandes produtores, pois o Movimento ES Em Ação, criadi por empresários ligados à Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes), é o ente responsável pela contratação dos projetos de barragens, que é apenas acompanhada pela Secretaria Estadual de Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca (Seag).

“Enquanto o Estado brasileiro não cumprir com a sua função no aspecto dos recursos hídricos, não tem legislação que dê conta. Tem uma lei que proíbe, mas não incentiva, não dá condições e nem coloca uma regra firme pra recuperar as nascentes e as matas ciliares. Só tem projetos de expansão de grandes cultivos de café e eucalipto, que só vão causar mais problema”, reflete o líder camponês, que também critica a abrangência e resultados pífios do Programa Reflorestar. “Não acontece porque o governo não tem vontade, só tem discurso. É um faz-de-conta”. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba