Seculo

 

Movimento oculto


12/09/2017 às 11:09
Um movimento dentro da área da Arcelor Mittal paralisou as atividades durante toda a manhã dessa segunda-feira (11). O movimento foi coordenado supostamente pelo Sindicato da Construção Civil (Sintraconst). Supostamente, porque o sindicato não assume a ação. Uma estratégia nova que causa surpresa a quem acompanha a história do movimento sindical. 
 
Diante do desgaste do movimento sindical, algumas entidades parecem estar se escondendo em movimentos ocultos. Há realmente uma investida dura da direita, que tentam desqualificar a luta de classes e atingir os sindicatos, para enfraquecer a luta e as garantias dos trabalhadores, precarizando o trabalho e explorando a mão de obra em favor do lucro do patrão. 
 
Mas isso não é motivo para que o movimento sindical se esconda, muito pelo contrário. Se durante a ditadura militar, os sindicatos enfrentaram uma luta muito mais sangrenta, atuando na clandestinidade, em favor da democracia, o movimento hoje vai se calar diante da investida da direita? Vai o movimento permitir que os direitos dos trabalhadores escorram pelo ralo pelo medo da crítica?
 
Não foi para isso que muitos companheiros lutaram pela democracia no passado. Não foi para isso que muito sangue foi derramado para os direitos dos trabalhadores fossem conquistados. É inadmissível a ideia de um sindicato se esconder em um movimento de luta, tentando fazer transparecer que os protestos são voluntários dos trabalhadores, ou seja, sem a coordenação da entidade. 
 
Não dá para aceitar que os sindicatos se acovardam diante dos ataques da direita e se escondam nas sombras, atrás do trabalhador. Por comodidade no período democrático, o movimento sindical não fortaleceu a democracia, não investiu na formação política e  não colocou em prática a plataforma de luta para garantir a permanência de todas as conquistas dos trabalhadores. 
 
Agora, depois do golpe, em vez de o movimento tomar a frente de um enfrentamento à direita, prefere se omitir, deixando o trabalhador e a sociedade ao deus-dará. Isso não é papel do sindicato. Isso é um papelão.
 
Saia da sombra, sindicato!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba