Seculo

 

Movimento oculto


12/09/2017 às 11:09
Um movimento dentro da área da Arcelor Mittal paralisou as atividades durante toda a manhã dessa segunda-feira (11). O movimento foi coordenado supostamente pelo Sindicato da Construção Civil (Sintraconst). Supostamente, porque o sindicato não assume a ação. Uma estratégia nova que causa surpresa a quem acompanha a história do movimento sindical. 
 
Diante do desgaste do movimento sindical, algumas entidades parecem estar se escondendo em movimentos ocultos. Há realmente uma investida dura da direita, que tentam desqualificar a luta de classes e atingir os sindicatos, para enfraquecer a luta e as garantias dos trabalhadores, precarizando o trabalho e explorando a mão de obra em favor do lucro do patrão. 
 
Mas isso não é motivo para que o movimento sindical se esconda, muito pelo contrário. Se durante a ditadura militar, os sindicatos enfrentaram uma luta muito mais sangrenta, atuando na clandestinidade, em favor da democracia, o movimento hoje vai se calar diante da investida da direita? Vai o movimento permitir que os direitos dos trabalhadores escorram pelo ralo pelo medo da crítica?
 
Não foi para isso que muitos companheiros lutaram pela democracia no passado. Não foi para isso que muito sangue foi derramado para os direitos dos trabalhadores fossem conquistados. É inadmissível a ideia de um sindicato se esconder em um movimento de luta, tentando fazer transparecer que os protestos são voluntários dos trabalhadores, ou seja, sem a coordenação da entidade. 
 
Não dá para aceitar que os sindicatos se acovardam diante dos ataques da direita e se escondam nas sombras, atrás do trabalhador. Por comodidade no período democrático, o movimento sindical não fortaleceu a democracia, não investiu na formação política e  não colocou em prática a plataforma de luta para garantir a permanência de todas as conquistas dos trabalhadores. 
 
Agora, depois do golpe, em vez de o movimento tomar a frente de um enfrentamento à direita, prefere se omitir, deixando o trabalhador e a sociedade ao deus-dará. Isso não é papel do sindicato. Isso é um papelão.
 
Saia da sombra, sindicato!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

'Tem boi na linha'

Metendo-se no meio da disputa caseira entre Hartung e Casagrande, Rose de Freitas tem realmente alguma chance?

OPINIÃO
Editorial
As novas roupagens da censura
Os resquícios da ditadura militar ainda assombram a liberdade de expressão no País, estendendo seus tentáculos para o trabalho da imprensa
Eliza Bartolozzi Ferreira
Cada qual no seu lugar
As escolas fazem ciência; as igrejas doutrinação. Projeto Escola Sem Partido é, no mínimo, uma contradição de base do vereador de Vitória, Davi Esmael (PSB)
Erfen Santos
Sugestão Netflix – um filme necessário
Indicado ao Oscar, Strong Island supera a maioria dos documentários, por mesclar a experiência familiar com a crítica social
JR Mignone
A batalha
Não sei se posso dizer, mas ainda hoje me sinto um pouco frustrado com a nossa profissão. Sério!
Roberto Junquilho
Renovar o quê?
Os ''novos'' na política mantêm velhos conceitos e se agarram em grandes corporações empresariais
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Produtor rural teme uma tragédia na região da Barragem do Rio Jucu

Sicoob em Cariacica é processado por falta de acessibilidade

As novas roupagens da censura

Ufes sedia seminário do Dia Internacional contra a Tortura