Seculo

 

Para agradar o governo, deputados votam contra interesses próprios


12/09/2017 às 18:07
Mais uma vez a subserviência ao governo do Estado foi mais forte que os interesses dos próprios deputados estaduais. Por 12 votos a 8, os parlamentares derrubaram o Projeto de Resolução nº 04/2017, do deputado Sergio Majeski (PSDB), que altera o parágrafo 2º e suprime o parágrafo 3º do artigo 241 da Resolução nº 2.700, de 15 de julho de 2009, vedando a possibilidade das emendas ao orçamento serem votadas em grupos. 
 
A matéria se referia a grupos de emendas que fossem inferiores a dez por deputado, o que permitiria que assuntos diferentes pudessem ser tratados de forma separada. O parecer da Comissão de Justiça foi pela inconstitucionalidade e acompanhado pela maioria do plenário.
 
Votaram a favor da inconstitucionalidade os deputados Amaro Neto (SD), Hércules Silveira (PMDB), Eliana Dadalto (PTC), Esmael Almeida (PMDB), Gildevan Fernandes (PMDB), Gilsinho Lopes (PR), Jamir Malini (PP), Marcos Bruno (REDE), Nunes (PT), Raquel Lessa (SD) e Rodrigo Coelho (PDT). 
 
Além de Majeski, autor da proposta, outros sete deputados acompanharam o voto contrário à inconstitucionalidade, o que permitiria a tramitação do projeto: Bruno Lamas (PSB), Da Vitoria (PDT), Enivaldo dos Anjos (PSD), Euclerio Sampaio (PDT), Freitas (PSB), Janete de Sá (PMN) e  Theodorico Ferraço (DEM).
 
Na justificativa do voto, o deputado Sergio Majeski explicou o objetivo do projeto era justamente fazer com que os destaques das emendas ficassem separados, facilitando a análise e evitando que assuntos diferentes fossem tratados em grupo. Mas, lembrou o deputado, os deputados deram mais uma vez um “atestado de subserviência”, votando contra os próprios interesses. 
 
O deputado Envialdo dos Anjos, que faz parte da base do governo, fez mea-culpa, afirmando que, de fato, a análise de menos de 10 destaques separadamente não atrapalharia em nada a votação do orçamento e permitira que assuntos diferentes na fossem tratados em conjunto. Disse ainda que a matéria poderia ser reapresentada em outro momento para que os deputados pensassem melhor sobre o assunto.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
E o Homero, hein?

Defender o ex-marido da médica Milena Gottardi deve custar profundos arranhões a Homero Mafra

OPINIÃO
Editorial
Um Estado que mata suas mulheres
Crime da médica Milena Gottardi chama atenção para os casos de feminicídios, que fazem do ES um dos estados mais violentos do País para as mulheres
Piero Ruschi
ES: um inferno promissor economicamente moldado
Discursos empresariais e políticos são carregados de conotações sustentáveis, mas a verdadeira sustentabilidade não está incluída no planejamento econômico
Renata Oliveira
PSDB repete PT
A possibilidade de uma manobra no ninho tucano para eleger quem Hartung quer lembra a eleição do PT no inicio do ano
Gustavo Bastos
O Diabo é o pai do rock
Um fenômeno que envolve satanismo no rock e na música é a prática de rodar os discos ao contrário
Geraldo Hasse
A doença da intolerância
Ela está nos estádios, nos governos, nas igrejas, nos parlamentos, nas ruas, nos tribunais
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Branca, o Teatro e a sala de estar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Fuzis e baionetas, nunca mais!
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Turista acidental
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

PSDB repete PT

A doença da intolerância

Governo nomeia 30 auditores fiscais do concurso de 2013

E o Homero, hein?

Projeto revive o Melpômene, um dos teatros mais importantes da história capixaba