Seculo

 

Secretário de Itapemirim foi morto por vingança, revela investigação


13/09/2017 às 12:59
O secretário de Gerência Geral de Itapemirim (região litoral sul), José Mauro Sales da Penha, 58, foi morto por vingança. O crime teria sido cometido pela servidora pública Carla Rogéria Ribeiro Lima, 46, exonerada do cargo de diretora da Defesa Civil municipal poucos dias antes do crime. Essa foi a conclusão do inquérito do homicídio pela Policia Civil, divulgada nesta quarta-feira (13). A Justiça já decretou a prisão preventiva de Carla, que se encontra foragida.

Em coletiva na sede da Secretaria de Segurança Pública (Sesp), o delegado Djalma Pereira Lemos, responsável pela investigação, revelou que os depoimentos de testemunhas indicam que Carla foi a autora dos seis disparos de arma de fogo que mataram o secretário. Ela teria ido à residência de José Mauro usando um taxi, cometido o crime e deixando o local no mesmo veículo.

O taxista foi identificado por imagens de câmeras de videmonitoramento e ouvido pela Polícia Civil, confessando que a suspeita teria admitido o crime. No entanto, ele disse não ter procurado as autoridades policiais antes por medo de morrer. A suspeita do crime teria inclusive falado para familiares da intenção de matar o secretário. O marido e o enteado de Carla também foram ouvidos pela Polícia.

A motivação do crime seria a vingança pela sua exoneração do cargo. Além disso, Carla também estaria insatisfeita com o secretário pela suposta perda de contratos da empresa do seu marido, que atua no ramo de fogos de artifício. Logo após o crime, a servidora pública – que tem o cargo efetivo de telefonista na Prefeitura – teria arrumado suas coisas em uma mala e viajado para destino ignorado. Hoje, a Polícia está à caça da assassina do secretário.

José Mauro Sales foi morto dentro de sua residência no balneário de Itaoca na noite do último dia 3. O caso teve grande repercussão em Itapemirim, tanto que a cúpula da Segurança Pública foi ao município no dia seguinte ao crime e garantiu o emprego de todos os esforços nos trabalhos de investigação. O secretário morto era apontado como o braço direito do prefeito interino Thiago Peçanha (PSDB).

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Revoada tucana

Que a saída de Majeski do PSDB é iminente, não há dúvida. Mas circula que os tucanos contrários ao projeto de Colnago pensam em bater asas com ele

OPINIÃO
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Ministério Público vai destinar mais R$ 700 mil a gastos com terceirizados

Prefeitura de Vitória perde mais uma contra ocupantes do Santa Cecília

Movimento nacional para ser vice abre nova janela de oportunidade para Hartung

Seminário debate formas de erradicar o trabalho infantil

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba