Seculo

 

Privatização não é só alegria


13/09/2017 às 23:43
Depois do acidente do último domingo (10) que matou 11 jovens na BR 101 sul, a indignação tomou conta da classe política capixaba. De vereador a senador, passando por deputados estaduais e federais, todos têm se revezado para “bater” na ECO 101. Não é para menos. A concessionária é acusada de negligenciar o contrato de concessão que prevê, entre outras melhorias, a duplicação da rodovia - obra considerada essencial para a redução de acidentes. Nos últimos 80 dias 34 pessoas morreram em apenas dois acidentes.
 
Dentre as lideranças que têm atacando o consórcio, algumas têm batido mais forte. Caso do senador Ricardo Ferraço (PSDB), que para ganhar visibilidade, pede o cancelamento unilateral do contrato. Magno Malta (PR) tem feito críticas mais pontuais e moderadas, tratando a polêmica envolvendo o consórcio pela superfície.
 
Completando a trinca de senadores, Rose de Freitas (PMDB) disputa com o governador Paulo Hartung (PMDB) o protagonismo pelo destravamento das obras de duplicação. A senadora deu a volta em Hartung ao se reunir com o presidente Michel Temer na véspera do governador encontrá-lo em Brasília, nesta quarta-feira (13). 
 
Hartung, incomodado com a sombra da senadora, que, por ora, é a única virtual adversária a enfrentá-lo na disputa ao Palácio Anchieta em 2018, após a conversa com Temer, quis passar a mensagem que é ele quem vai convencer o governo federal, por meio da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), a pressionar a concessionária a cumprir o contrato. 
 
A chamada da notícia no site do governo não deixa nenhuma dúvida: “Após pedido do Governador Paulo Hartung, ANTT e ECO Rodovias debatem duplicação da BR 101”. Hartung quer mostrar aos capixabas que ele, na condição de autoridade máxima do Estado, é quem tem força política para solucionar o impasse. Apesar da mensagem otimista, a leitura atenta da notícia deixa claro que Hartung voltou de Brasília sem nada nas mãos. 
 
Legalista, Hartung insiste na manutenção do contrato com o grupo Eco Rodovias, acreditando numa saída negociada para o impasse. Mas essa narrativa não convence alguns críticos, que avaliam que o governador tem tido uma postura muito condescendente com o consórcio. 
 
Faz sentido. Alguns perguntaria: Por que Hartung não aproveita todo o seu prestígio com a grande imprensa nacional para “meter a boca” na ANTT e no consórcio? Temer, apavorado com a onda de notícias negativas, talvez se esmerasse mais para fazer a Eco Rodovias cumprir o contrato. 
 
Vira e mexe Hartung é notícia nos jornais mais importantes do País. Depois de uma entrevista no Valor Econômico de página inteira, que lustrou sua imagem de gestor-modelo, o governador que criou a receita de enfrentar a crise, faz uma semana o governador comemorava outra entrevista, no mesmo jornal, em que o ex-ministro do Supremo Joaquim Barbosa, após elogiá-lo como um dos políticos mais preparados do País, o incluiu como parceiro, no caso vice, numa eventual chapa à Presidência da República. 
 
A sequência de matérias positivas “cavadas” na imprensa confirma a competência da assessoria de Hartung, que é capaz de abrir espaço onde o governador quiser. Por que não usar o seu prestígio, por exemplo, para emplacar uma matéria (pode ser no Valor, que fala diretamente ao mercado econômico) e cobrar o consórcio a entregar o que está previsto no contrato? 
 
Ora, Hartung pisa em ovos com a Eco Rodovias porque não pode se voltar contra uma das suas principais convicções. Não é segredo para ninguém que Hartung é um ferrenho defensor das privatizações. Entusiasta do Estado mínimo, seria constrangedor para ele admitir que nem toda privatização é só alegria. Pior ainda seria fazer críticas agudas a grandes empresários. Logo Hartung que é tratado como “queridinho do mercado” justamente por sua defesa incondicional de políticas que os favoreçam. 
 
É oportuno lembrar que 27,5% da fatia do consórcio que administra a ECO 101 pertence a empresas capixabas. Algumas delas, inclusive, foram doadoras de carteirinha das últimas campanhas eleitorais de Hartung. Isso talvez ajude a explicar o discurso tolerante do governador. Seria ingenuidade não levantar suspeição sobre a relação do governador e dos empresários que compõem o consórcio. Ou alguém ainda acredita que os empresários são pessoas abnegados que financiam campanhas eleitorais pensando apenas no fortalecimento da democracia?

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Tabuleiro de 2018

Ele já negou intenção de deixar o PT ou mudanças de planos, mas movimentações de Givaldo continuam chamando atenção do mercado político

OPINIÃO
Editorial
Fosso social
No Espírito Santo, população negra é mais vulnerável à violência, é maioria no sistema carcerário e nas filas de desempregados
Renata Oliveira
Solidão sem fim
A oposição de Majeski na Assembleia não encontra coro entre os pares, nem no grupo arredio
JR Mignone
Rádio bandeira
A trajetória deste segmento de rádio em capitais é grande
Caetano Roque
A força da CUT
É hora de a Central assumir sua função de agregadora dos trabalhadores e das bandeiras de luta
Geraldo Hasse
Os golpes se sucedem
Em plena era do GPS, a reforma trabalhista sugere multiplicar os ''chapas''
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Fuga do Paraíso
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

'Orgânico não tem que ser caro'

Tabuleiro de 2018

Conselheiro José Antônio Pimentel vira réu em ação penal por corrupção

Eleição da nacional alimenta divisão no PSDB capixaba

Cariacica pode ter redistribuição de votos para disputa eleitoral de 2018