Seculo

 

Recuerdos de Buenos Aires


16/09/2017 às 18:43
A memória mais tenra da maioria das pessoas habita um sótão abarrotado de objetos entre os quais avultam os livros-tesouros de ideias e palavras decifradas aos poucos com a ajuda dos  pais, dos irmãos, da professora, dos jornais, das embalagens que circulavam dentro de casa e dos nomes dos estabelecimentos entrevistos nas ruas.
 
Meio século depois, tudo isso tende a virar uma sopa de letrinhas, uma torre de babel ou uma completa algaravia ouvida em algum lugar público -- o mercado público de Marrakesh, a praça de Veneza, o carnaval de rua em Salvador, os arredores do Maracanã em dia de FlaxFlu, as arquibancadas do Hipódromo de Buenos Aires em dia de GP Carlos Pellegrini.
 
Mesmo que tudo volte no bojo de uma zoeira nos ouvidos, é bom lembrar nomes/marcas como Chocolate Neugebauer, Fósforos Beija-Flor e Querosene Jacaré. Foi num desses momentos mágicos-fugazes que Manuel Bandeira elevou à condição de poema as três mulheres do sabonete de Araxá.  
 
Ora, vamos lá: pegue seu lápis Johann Faber Nº 2 e uma folha de papel almaço e faça a lista dos nomes/marcas que habitam sua memória. Tipo rascunho que, depois, V. passará a limpo molhando a pena de sua caneta Compactor no vidro de tinta Parker (ou vice-versa).
 
Ou datilografará em espaço dois na sua Olivetti portátil ou naquela Remington pesadora?
 
Ou digitará num arquivo Word em seu computador de mesa. Ou registrará no seu laptop. Ou fá-lo-á no seu smarth phone, transformará tudo imediatamente num “post” no Facebook ou quem sabe naquele “algo mais”, como prometeu Pelé em nome da Shell em algum momento de nossas vidas, isso quando havia logo ali um posto Ipiranga ou um tigre da Esso ou um simples posto Texaco ou Atlantic para que nossos pais pudessem abastecer seu calhambeque. 
Vida que segue mutante sempre. 
 
 
LEMBRETE DE OCASIÃO
 
“Há dois grandes grupos de memória que se podem subdividir ou não. Um é o da memória de procedimentos, de atos motores ou de concatenações de atos motores, como, por exemplo, saber escrever à máquina, saber nadar, esse tipo de coisas. Essa memória tem uma localização cortical em parte, pelo menos inicialmente, mas depois envolve os gânglios basais e o cerebelo. É a chamada memória procedural. Conhecemos as suas vias, a sua arquitetura, digamos, mas não quem a "habita", não conhecemos muito bem como funciona. A outra é a memória declarativa, que é o que todos chamam comumente de memória. É a memória de fatos, de eventos, de sequências de fatos e eventos, de pessoas, de faces, de conceitos, de idéias etc. Esta é memória sobre a qual mais sabemos do ponto de vista bioquímico e neuroanatômico.”
 
Ivan Izquierdo, neurocientista argentino naturalizado brasileiro, em depoimento à Revista Argentina de Neurociencias (RAN) e reproduzido por http://www.cerebromente.org.br 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

OPINIÃO
Editorial
Maquiagem oficial
Depois de episódios de repressão, governo Hartung tira a semana para valorizar uma das piores áreas de sua gestão: segurança pública
JR Mignone
Rádio Carnaval
'Taí' um dos poucos eventos em que o rádio perde feio para a televisão
Roberto Junquilho
O dia seguinte
O governador Paulo Hartung terá que se voltar mais intensamente à sua sucessão, depois de desfeito o sonho de ser vice de Luciano Huck
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Majeski busca sensibilizar presidente do TJES sobre fechamento de escolas

Repasses da prefeitura à Lieges já foram alvos de investigações no MPES e Polícia Civil

Mergulho profissional sem condições de segurança condena empresas no Estado

Maquiagem oficial

Imetame será tema de audiência pública em Aracruz