Seculo

 

Vendedor de ilusões


18/09/2017 às 23:49
A edição desse fim de semana da revista Época traz uma entrevista com o governador Paulo Hartung. Mais uma que o peemedebista conseguiu emplacar num importante veículo de comunicação nacional. Na mesma batida da recente entrevista publicada no Valor Econômico, Época enaltece Hartung como o governador que encontrou a fórmula mágica para enfrentar e vencer a crise econômica. 
 
A abertura da entrevista apresenta o governador como um homem público abnegado, que pega voos de carreira para viajar a trabalho para economizar o dinheiro público. Convenhamos, uma demonstração prosaica de mostrar que gasta o dinheiro do contribuinte com parcimônia. Tomar um voo de linha não é exclusividade do governador capixaba, outros tantos homens públicos fazem o mesmo. Mas, no contexto da entrevista, a maneira “franciscana” de voar quer evidenciar que a austeridade para o governador é quase um modo de vida. 
 
Em seguida, a revista toca num ponto delicado. Lembra que Hartung apareceu na delação da Odebrecht como destinatário de R$ 1 milhão em propina. Mas imediatamente acalma os leitores, ao ponderar que a denúncia já foi enterrada e sepultada pela Justiça. Em outras palavras, o entrevistado está “limpo”. 
 
Mesmo assim, se o leitor ainda ficou com a pulga atrás da orelha, a dúvida se dissipará na frase seguinte. O jornalista lembra que recentemente Hartung foi citado pelo ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa como o companheiro ideal para compor uma eventual chapa à Presidência da República. Hartung passa a ser imaculado pelo manto da honestidade de Barbosa, reconhecidamente, uma das raras reservas morais do País. 
 
A partir daí, o perfil do entrevistado está criado: um agente público abnegado, que não pensa duas vezes na hora de cortar na própria carne. Um gestor à frente do seu tempo, que está preparado para empreender ideias modernas dentro de uma nova visão de gestão da máquina pública. A cereja do bolo. Não bastasse, ainda leva o selo de honestidade de Joaquim Barbosa. Pronto. Agora o leitor pode ler a entrevista e conhecer melhor quem é este espécime em extinção da política nacional. Talvez, ao final, o leitor fique com a sensação de que ainda há esperança na desacreditada política brasileira. 
 
Quem já leu outras reportagens sobre o “milagre capixaba” de Hartung, talvez ache a entrevista de Época enfadonha. Como num almanaque de gestão, o governador repete frases feitas. Basta dar um “google”,por exemplo, na expressão: “avesso do avesso do avesso Hartung”. O leitor poderá contar quantos vezes o governador já usou a frase para exemplificar disparates que vão na contramão da sua doutrina econômica, que tem a austeridade fiscal como princípio. Em Época, ele fala a frase no seguinte contexto. Diz que toda vez que o governo federal “se mete a besta de achar que pode tudo, cria uma crise fiscal. Daí vem a frase eternizada na música “Sampa”, de Caetano Veloso.
 
Além das frases de efeito, o  Rio de Janeiro volta a aparecer como seu sparring favorito. O estado relapso que não fez a lição de casa. A propósito, desde que adotou o modelo da austeridade, no início do seu governo, o Rio vem sendo seu saco de pancada. Ele adora comparar sua gestão com a do vizinho em desgraça. Esse exemplo já serviu para ameaçar os servidores públicos estaduais que reivindicavam reajuste salarial. Na linha: “aqui os salários são pagos em dia. Não adianta dar aumento e não conseguir pagar os salários lá na frente, como está acontecendo no Rio”. Ele gosta de repetir que a “falência do Rio é pedagógica”. Não para ele, que já havia previsto o desastre há muito tempo. Mas para todas aqueles que resistem à política de austeridade. 
 
O Rio, aliás, voltaria a ser associado a Hartung em outro veículo. O colunista Lauro Jardim de O Globo, noticiou que há um movimento em curso no Rio, capitaneado pelo ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, para lançar Hartung candidato a governador do Rio. Piada à parte do Jardim, porque é óbvio e ululante que o peemedebista não vai governar o Rio, a nota quer na verdade reforçar que Hartung é a bola da vez. O homem capaz de solucionar o caso mais agudo de crise fiscal do País. O supergestor que tem a receita infalível para recuperar estados quebrados como o Rio. 
 
A exemplo do seu “cabo eleitoral” carioca, que costuma dizer que uma guinada para o populismo jogaria tudo para o brejo, Hartung também faz advertências apocalípticas sobre o risco de a crise jogar o País nos braços de “aventureiros, de pescadores de águas turvas”. Ele faz o alerta sobre os “vendedores de terrenos na Lua”. Outra frase clichê que faz que faz parte do almanaque deste terceiro mandato. 
 
Faltou dizer que é ele quem vem vendendo ilusões aos brasileiros, que estão conhecendo sua gestão pelas matérias “cavadas” pela sua competente assessoria na grande imprensa. Quem se propor a conhecer o Espírito Santo de perto, poderá comprovar que o Estado está longe da Dinamarca vendida pelo governador. 

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Apertem os cintos...

Senadora Rose de Freitas, a ‘mãe do aeroporto’, corre o risco de perder o melhor da festa para Paulo Hartung

OPINIÃO
Editorial
Disciplina X Autoritarismo
Hartung tem sido um péssimo exemplo para a tropa da PM no que diz respeito ao cumprimento das leis
Gustavo Bastos
Sobre um pesadelo
“Nos meus oito ou nove anos de idade, eu tinha obsessão pelos diferentes nomes dados ao tinhoso”
Roberto Junquilho
Gestão hi-tech
O prefeito de Vitória, como seguidor da modernidade, agora virou ator de peças publicitárias
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

A arte de pilotar motocicletas – ou com Chico na garupa
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Yes, nós também!
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Disciplina X Autoritarismo

Evangélicos se dividem em dois grupos na disputa deste ano

Sobre um pesadelo

Apertem os cintos...

Gestão hi-tech