Seculo

 

Pressão neles


19/09/2017 às 10:18
Em 2018 os deputados federais e senadores estarão disputando a reeleição. Querem manter suas cadeiras, mas para isso vão ter de enfrentar uma disputa muito acirrada no campo político e muito difícil no campo ideológico. É que para pedir votos, vão ter de encarar o trabalhador que tanto prejudicaram com suas votações no Congresso Nacional. 
 
Na bancada capixaba, é fácil identificar quem está do lado do povo e quem não está. No que se refere à Reforma trabalhista, a coisa ficou meio dividida e os deputados que votaram contra o trabalhador já estão encontrando dificuldade em encarar o trabalhador. 
 
Com relação à reforma da previdência a coisa será mais complicada. Os deputados e senadores entendem que isso pode trazer muito prejuízo eleitoral e estão adotando a cautela. Mas no debate do impeachment, quando apenas os dois deputados do PT – Givaldo Vieira e Helder Salomão que votaram contra o impeachment, que é a causa de toda essa crise –, o restante votou contra o trabalhador, e a popularidade quase inexistente do presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB) mostra o quanto isso pode ser prejudicial para os candidatos no próximo ano. 
 
É aí que entra o movimento sindical. Não adianta ficar só na internet criticando, os sindicatos devem retomar o trabalhado de chão de fábrica, retomando os informativos para mostrara ao trabalhador quem está do lado dele e quem está contra. Os informativos devem se voltar para isso, para denunciar quem são os deputados que votaram contra o trabalhador para que eles não sejam reeleitos. Todo informativo deve trazer os nomes e o posicionamento de cada um sobre esses temas para que o trabalhador saiba quem é quem. 
 
É preciso que movimento sindical – e aí a coluna chama atenção do sindicato dos aposentados, afinal é a reforma da previdência que está na berlinda –, tome consciência de que é preciso ajudar a eleger lideranças políticas que representem a classe trabalhadora e que possam tentar retomar a garantias dos trabalhadores que foram retiradas pelo presidente ilegítimo com o apoio do congresso nacional. 
 
A mudança no perfil político do País depende desse trabalho de conscientização política e o movimento sindical precisa entrar em campo para retomar o espaço que o capital lhe tomou. 
 
É hora de fazer a limpa!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Próximos capítulos

Com Colnago no comando, dá para imaginar como ficaria o PSDB em 2018, inserido no projeto de Hartung...mas e se Max Filho levasse o pleito, como seria a relação do partido com o governador?

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

As abelhas e o Agro

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

Uma nova bandeira se ergue

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo