Seculo

 

Emprego de ficção


26/09/2017 às 12:09
Se a coluna fosse contabilizar as vagas de emprego que são divulgadas nos jornais do Estado, com a vinda de empreendimentos e abertura de novos serviços a serem prestados, certamente já teríamos ultrapassado a marca de 200 mil colocações no mercado, o que, se não acabasse com o desemprego, ajudaria pelo menos a diminuir bastante. 
 
Mas isso é tudo ficção, promessas que são alimentadas pelas grandes corporações e pelo governo para manter o otimismo na população para continuar consumindo. Diariamente, os SINES continuam lotados de gente que não consegue se recolocar no mercado de trabalho. 
 
Enquanto essas  vagas acabam se perdendo na mesma medida em que os jornais são descartados no dia seguinte, não há concretização alguma. Isso acontece porque não há acompanhamento dessas vagas por parte dos sindicatos das categorias. É que os sindicatos parecem ocupados de mais com outras questões do que em se esforçar para cobrar as ocupações das vagas. 
 
O movimento sindical em vez de buscar unidade sindical real fica deixando o judiciário, que não tem credibilidade alguma mais, resolver os problemas, problemas esses que em maioria se relacionam com as disputas internas de poder. A vontade de manter o poder a qualquer custo hoje domina parte do movimento sindical, que deixou de entender sua razão de existir. 
 
Sem lutar pelo emprego, o sindicato não terá o trabalhador que sua base, sem a conscientização dos trabalhadores que ainda estão empregados, o sindicato não tem força para se manter em pé. Ou seja, é um processo de autodestruição, que foi acelerado pelo governo golpista. 
 
A única saída é uma urgente mudança de postura. Enquanto as lideranças sindicais continuarem se digladiando pelo poder, a perda será para todos. Ou os sindicatos buscam a união ou vão morrer em frangalhos. 
 
União, já!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Próximos capítulos

Com Colnago no comando, dá para imaginar como ficaria o PSDB em 2018, inserido no projeto de Hartung...mas e se Max Filho levasse o pleito, como seria a relação do partido com o governador?

OPINIÃO
Piero Ruschi
O ‘Santo Graal’ de Augusto Ruschi
Eventos recentes de desrespeito ao Museu Mello Leitão, camuflados sob a criação do INMA, ressuscitam episódios históricos lamentáveis
Renata Oliveira
Uma nova bandeira se ergue
O programa de combate à violência contra a mulher leva o governador Paulo Hartung a nova narrativa para 2018
Gustavo Bastos
O verão do amor e o movimento hippie
O que representava o movimento hippie como tal era a utopia
Geraldo Hasse
As abelhas e o Agro
Alguns líderes se dão conta da mútua dependência entre animais e plantas
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Panorama Atual

Roberto Junquilho

Este blog fica por aqui
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Algo de novo no ar
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

As abelhas e o Agro

'Refiliação' de secretário aumenta tensão no PSDB

Sessão solene de homenagem a professores é marcada por protesto

Uma nova bandeira se ergue

Bancada apresenta R$ 1,4 bi em emendas para o Espírito Santo