Seculo

 

Conselheiro substituto pede saída de procurador de Contas em casos nos quais atua


27/09/2017 às 12:49
Depois de ter sido acusado de ser parcial no julgamento sobre consultorias, o conselheiro substituto do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Marco Antônio da Silva, reagiu e partiu para o ataque contra o procurador de Contas, Heron Carlos Gomes de Oliveira. O auditor da Corte entrou com pedido de suspeição do membro ministerial em todos os casos nos quais atua. Ele alegou que o procurador altera a verdade dos fatos para atingir a sua honra e dignidade. No entanto, o pedido não foi sequer conhecido pela conselheira substituta Márcia Jaccoud Freitas, em decisão publicada nesta quarta-feira (27).
A relatora do processo TC 7191/2017 considerou a pretensão de Marco Antônio como “pouco razoável”, já que o eventual deferimento da medida representaria praticamente a exclusão do integrante do Ministério Público de Contas (MPC) de suas funções junto à Corte. Heron de Oliveira atua no plenário e na 1ª Câmara. Ele é conselheiro substituto. Márcia Jaccoud ponderou ainda que o auditor não é parte legítima para suscitar a suspeição de procurador nos feitos em que atua.
 
“Importa destacar que, ainda que se sinta atingido pela atuação do procurador de contas, a qual define como persecutória, o expediente não se demonstra adequado ao debate proposto, uma vez que o excipiente não pode ser caracterizado como responsável ou como interessado, na acepção legal dos termos, nos processos nos quais atua – e, por consequência, nos quais pleiteia a declaração de suspeição do Procurador”, afirmou a relatora, rechaçando a hipótese da atuação de Heron de Oliveira representar qualquer prejuízo à atuação de Marco Antônio.
 
O pedido de suspeição do procurador surgiu pouco depois de Marco Antônio protocolar um expediente semelhante contra o conselheiro substituto no julgamento sobre a possibilidade de empresas de consultoria para atuar na recuperação de créditos tributários. O MPC alega que uma das partes no processo está sendo acusado de beneficiar o auditor da Corte. Marco Antônio votou favoravelmente à terceirização dos serviços, enquanto o órgão ministerial é contrário por entender que a atividade é típica de servidor público.
 
No incidente de suspeição, o MP de Contas cita uma ação do Ministério Público Estadual (MPES) contra o ex-prefeito de Aracruz, Luiz Carlos Cacá Gonçalves, acusado de beneficiar Marco Antônio com o suposto pagamento indevido de precatórios de R$ 243 mil. 
 
Para o MPC, uma decisão favorável à legalidade da contratação da CMS Consultoria e Serviços Ltda, como votou Marco Antônio, beneficiaria o ex-prefeito. Por conta desse incidente, o julgamento do processo principal foi suspenso. O placar está empatado em 1 X 1, sendo que o relator, conselheiro Sebastião Carlos Ranna, se manifestou pela proibição deste tipo de contratação.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Carta ao inventor da música
''Mas que alma mora no sol?''
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Roberto Junquilho
Tem jabuti na árvore
Por trás da conturbada escolha do candidato ao governo, há uma clara demostração de poder de Hartung
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

'Devoção' cega

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete