Seculo

 

Adversário a ser batido


28/09/2017 às 17:50
O DEM criou coragem e encomendou uma pesquisa ao Instituto GPP para conhecer à quantas anda a imagem dos partidos junto ao eleitorado. Não tinha dúvida que o resultado seria ruim. Mas as lideranças do partido se surpreenderam com o que viram. A coluna da jornalista Mônica Bergamo (Folha de S. Paulo) desta quinta-feira (28), com base na pesquisa, apontou que o DEM foi rejeitado por 60% dos entrevistados. Praticamente, o mesmo índice do PT, que chegou a 62% de rejeição. 
 
Mas se as imagens do PT e DEM estão na lona, PSDB e PMDB experimentaram resultados ainda mais impressionantes. A rejeição dos dois partidos está na casa dos 75% e a aprovação não passa de 13%. 
 
A pesquisa do Instituto GPP confirma a crise da democracia representativa que foi corroída pelos seguidos escândalos de corrupção que parecem não ter fim. O que leva a crer que a rejeição do eleitor será o principal adversário dos políticos em 2018. 
 
A eleição de 2016 já havia apontado a repulsa do eleitorado aos chamados políticos tradicionais, revelando a tendência pelos “apolíticos”. João Dória (PSDB) talvez seja o produto mais evidente dessa tendência. Com esse apelo, o tucano bateu três ex-prefeitos — Fernando Haddad (PT), Marta Suplicy (PMDB) e Luiza Erundina (PSol) — e liquidou a fatura no primeiro turno das eleições para prefeito de São Paulo com mais de 53% dos votos válidos.
 
O resultado da pesquisa e o desempenho de candidatos com o perfil de Dória convenceram o DEM a partir para uma “depuração” de imagem. Como já fizeram outros partidos, a legenda do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já decidiu que o DEM será “rebatizado”. Estão discutindo se o partido vai passar a se chamar Mude, Centro ou Centro Democrático. 
 
A visão das lideranças do DEM explica porque os partidos estão em baixa. Isso quer dizer que o DEM encomendou uma pesquisa nacional e após confirmar o óbvio concluiu que a melhor solução é mudar o nome do partido, como já fizeram Podemos, Avante e Livres, que atendiam, até pouco tempo, respectivamente, por PTN, PTdoB e PSL. Há ainda o PEN, que pensa em virar Patriotas e o PMDB, que cogita tirar o P da frente. 
 
Aliás, em comum, todas essas agremiações tentam se livrar do “maldito” P de partido. É incrível como os políticos continuam subestimando o eleitor. Acham que a simples mudança do nome purificará as legendas, dando um verniz de renovação aos partidos.
 
Ante a crise de imagem, os dirigentes partidários apostam que dar conotação de “movimento” às agremiações é a solução de todos os problemas. Algumas especialistas em mercado lembram que a lógica segue a mesma das empresas, que muitas vezes mudam estrategicamente o nome de algum produto para “reinventá-lo” ou porque enfrentam problemas de desgaste com seus clientes.
 
É preciso ponderar, porém, que partidos não são empresa ou produtos. Quando abre mão de seu nome, é como se partido estivesse jogando fora toda a sua história. Um passo para perder de vez a identidade e o restinho de dignidade que ainda podiam tentar salvar.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Facebook
Sem freio

Palestras, CPI, ''showmícios'' e até lançamento de disco. Quem para o casal Magno Malta e Lauriete?

OPINIÃO
Editorial
A Ponte da Discórdia
Terceira Ponte entra novamente no centro dos debates políticos em ano eleitoral. Enquanto isso, a Rodosol continua rindo à toa...
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Conto surrealista
''virei pasta para entrar mais fácil na pintura de Dalí''
Eliza Bartolozzi Ferreira
A raposa cuidando do galinheiro
Na lógica do custo-benefício, governo Hartung entende que deve ofertar um ensino pasteurizado, de baixo custo e restrito a quem podem estudar em período integral
JR Mignone
A cobertura da Copa
No mês que antecedeu a Copa e no mês do desenrolar da competição, a Globo abusou da cobertura a ponto de cansar até o telespectador que gosta de esportes
Roberto Junquilho
A carne mais barata
A população de pessoas em situação de rua aumenta, como sinal de falência da gestão pública
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Entre a salada e o vinho
MAIS LIDAS

Hartung recebe alertas sobre gastos, publicidade e execução de programas em ano eleitoral

Ministério Público acusa superintendente do Ibama/ES de improbidade administrativa

Conto surrealista

Comunidade reforça que base da PM deve ser instalada na parte alta do Morro da Piedade

Sem freio