Seculo

 

Patriotismo seletivo


03/10/2017 às 11:04
Em 02 de outubro de 1917, há exatos cem anos, aproximadamente 10 milhões de camponeses russos se transformaram em soldados e deram todo o apoio necessário ao partido bolchevique. No dia 3, há três momentos históricos a serem recordados. O primeiro aconteceu em 1917, cresce o apoio dos bolcheviques, aumentou o motim contra a guerra. 
 
No Brasil, em 1930, no mesmo dia, deflagrou a revolução tenentista no Rio Grande do Sul e em 1953, Getúlio Vargas decreta a lei 2004, que cria a Petrobras. Mais de 70 anos depois, desse segundo evento, o que têm feito os trabalhadores da Petrobras para proteger esse patrimônio. Veem a empresa ser dilapidada e preparada para a venda, como aconteceu com a Telebras e a Vale do Rio Doce. 
 
O que acontece é que os trabalhadores da empresa hoje, não lutaram por sua criação, não acompanharam esse processo, não passaram pelo regime militar. Receberam o que lhe foi transmitido ao longo dos anos, por isso não criam identidade com a empresa, não conseguem ver nela, um patrimônio a ser defendido, não só pela manutenção dos postos de trabalho, mas como um patrimônio do País. 
 
Muita gente pensa e defende a ideia de que ser patriota é apenas vestir uma camiseta da seleção brasileira e ir para a rua bater panela pedindo mudança, mesmo que isso signifique a perda de direitos adquiridos durante muitos anos e com muita luta. Mas entendem que se a empresa estatal tem problema, a solução é vendê-la e tirar o dinheiro do Estado e entregar ao Capital para que ele a toque. 
 
Isso não é patriotismo, é burrice. A privatização da Telebras não garantiu melhorias na geração de emprego, muito pelo contrário, muitos postos de trabalho foram fechados e o serviço não é lá essa maravilha toda. Na Vale do Rio Doce, cerca de metade da mão de obra foi reduzida. Os exemplos não são nada positivos. 
 
O que chama atenção é que o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) foi quem bancou os recursos para essas privatizações. Então, por que não se usa o recurso dele para recuperar a Petrobras? Além de se há uma investigação sobre quem levou e quanto, que se devolva o dinheiro. 
 
Vender, nunca!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
Rabiscos eleitorais

Articuladores já fazem suas contas de 2018. Entre os deputados considerados reeleitos, está quase toda bancada do PMDB, incluindo Erick Musso. Mas, antes, terá que colocar um ''bonde'' pra correr

OPINIÃO
Editorial
À oposição, o respeito!
Seja manifestando uma simples opinião ou criticando medidas do próprio legislativo ou do governo, falou em Sergio Majeski, o tiroteio é garantido
Piero Ruschi
Carta de aniversário ao papai
‘Venho lhe desejar um feliz aniversário de 102 anos, o mais feliz possível, diante de todas mazelas que atormentam o Museu que o senhor criou e o meio ambiente que tanto defendeu
Gustavo Bastos
Destino e acaso
''Quanto ao cético do acaso, ele chama destino de delírio e acaso de nada''
Geraldo Hasse
Em defesa da soberania
Manifesto combate o entreguismo, filho dileto do colonialismo neoliberal
Roberto Junquilho
Hartung e seu muro
Sem a presença da senadora Rose de Freitas, evento com lideranças do PMDB vira palanque para o governador
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

Rabiscos eleitorais

Hartung reforça interesse em projeto nacional nas eleições de 2018

Greve dos auditores da Receita Federal adia início do 'Bike VV'

Manifesto denuncia ameaças a lideranças mobilizadas contra agrotóxicos em Boa Esperança

Fundação Renova é multada e Samarco/Vale-BHP vira alvo de mais uma ação civil pública