Seculo

 

Patriotismo seletivo


03/10/2017 às 11:04
Em 02 de outubro de 1917, há exatos cem anos, aproximadamente 10 milhões de camponeses russos se transformaram em soldados e deram todo o apoio necessário ao partido bolchevique. No dia 3, há três momentos históricos a serem recordados. O primeiro aconteceu em 1917, cresce o apoio dos bolcheviques, aumentou o motim contra a guerra. 
 
No Brasil, em 1930, no mesmo dia, deflagrou a revolução tenentista no Rio Grande do Sul e em 1953, Getúlio Vargas decreta a lei 2004, que cria a Petrobras. Mais de 70 anos depois, desse segundo evento, o que têm feito os trabalhadores da Petrobras para proteger esse patrimônio. Veem a empresa ser dilapidada e preparada para a venda, como aconteceu com a Telebras e a Vale do Rio Doce. 
 
O que acontece é que os trabalhadores da empresa hoje, não lutaram por sua criação, não acompanharam esse processo, não passaram pelo regime militar. Receberam o que lhe foi transmitido ao longo dos anos, por isso não criam identidade com a empresa, não conseguem ver nela, um patrimônio a ser defendido, não só pela manutenção dos postos de trabalho, mas como um patrimônio do País. 
 
Muita gente pensa e defende a ideia de que ser patriota é apenas vestir uma camiseta da seleção brasileira e ir para a rua bater panela pedindo mudança, mesmo que isso signifique a perda de direitos adquiridos durante muitos anos e com muita luta. Mas entendem que se a empresa estatal tem problema, a solução é vendê-la e tirar o dinheiro do Estado e entregar ao Capital para que ele a toque. 
 
Isso não é patriotismo, é burrice. A privatização da Telebras não garantiu melhorias na geração de emprego, muito pelo contrário, muitos postos de trabalho foram fechados e o serviço não é lá essa maravilha toda. Na Vale do Rio Doce, cerca de metade da mão de obra foi reduzida. Os exemplos não são nada positivos. 
 
O que chama atenção é que o Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) foi quem bancou os recursos para essas privatizações. Então, por que não se usa o recurso dele para recuperar a Petrobras? Além de se há uma investigação sobre quem levou e quanto, que se devolva o dinheiro. 
 
Vender, nunca!

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

SOCIOECONÔMICAS
'Devoção' cega

Enquanto lideranças partidárias ecoam o ‘Volta Hartung’, o próprio lava as mãos e deixa seu exército fiel em apuros nas eleições deste ano

OPINIÃO
Piero Ruschi
O Governo do ES e seu amor antigo ao desamparo ambiental
Mais um ''Dia Mundial do Meio Ambiente'' se passou. Foi um dia de ''comemoração'' (política)
Gustavo Bastos
Carta ao inventor da música
''Mas que alma mora no sol?''
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Roberto Junquilho
Tem jabuti na árvore
Por trás da conturbada escolha do candidato ao governo, há uma clara demostração de poder de Hartung
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Último desejo
MAIS LIDAS

Ministério Público investiga suspeita de cartel em licitações da Secretaria de Agricultura

Amancio, um cantador da capoeira

'Devoção' cega

Vagas no Senado viram a grande disputa deste ano no Espírito Santo

A quadrilha democrática da Rua Sete