Seculo

 

Manobra regimental encerra mandato de militantes ambientais no Condema


03/10/2017 às 16:43
"Uma manobra regimental, ao arrepio da lei". É assim que Mário Camilo, representante da Associação Capixaba de Meio Ambiente  (Acapema) no Conselho Municipal de Meio Ambiente de Vitória (Comdema), reagiu ao anúncio de encerramento, em reunião nessa segunda-feira (2), do mandato da militância combativa que ainda restava no Conselho, por determinação do presidente e secretário de Meio Ambiente, Luiz Emanuel Zouain (PPS). Após 20 anos de atuação, será a primeira vez que a Acapema, a mais antiga ONG ambiental do Estado, não terá assento no Comdema.
Isso ocorre, como explica Mário Camilo, porque o secretário retroagiu numa alteração do Regimento Interno de  2015, impedindo o direito à recondução dos atuais conselheiros, após dois anos de atuação. Pela nova regra, que deveria passar a vigorar desde então, esse seria ainda o fim do primeiro mandato, restando mais um período completo, mas o secretário resolveu antecipar a saída. "A lei não pode retroagir para prejudicar", enfatiza. 
Para ele, trata-se de artifício e irregularidade, com claro objetivo de afastar a militância ambiental, que é crítica à gestão de Zouain. "Com cadeira ou sem, vamos seguir com a militância por outros meios, denunciando a conhecida inércia da secretaria em não fiscalizar nem determinar providências em relação, principalmente, aos grandes projetos", avisa Mário Camilo. 
Além da representação da Acapema, o Comdema já havia perdido, no mês passado, a outra vaga destinada a entidades ambientalistas, e igualmente combativa, da Associação dos Amigos da Praia de Camburi (AAPC), ocupada pelo também presidente da Juntos-SOS Espírito Santo Ambiental, Eraylton Moreschi Junior.
No caso da AAPC, o fim do mandato se deu pela extinção jurídica da própria entidade, segundo o ex-presidente Paulo Pedrosa, motivado pelo constante desgaste com processos burocráticos e falta de voz, inclusive, no Conselho. Moreschi pretendia permanecer atuante, numa composição junto com a Acapema, no entanto, conhecido pela aversão ao contraditório, o executivo não perdeu a oportunidade de eliminar os dois conselheiros de uma só vez.
As vagas, agora, serão ocupadas por entidades escolhidas em reunião formal realizada entre as instituições representativas do setor. Mas, pela maneira que se deu o processo, Mário Camilo não tem expectativa de reivindicar a cadeira para outro militante da Acapema. Até porque, entende como certa uma articulação do executivo para eleger entidades "chapa branca", reproduzindo uma prática política antiga, e que enfraquecerá ainda mais o Comdema.
O Conselho já sofria esvaziamento e, embora sua composição seja apresentada como bipartite, as decisões colegiadas sempre favoreceram o poder público, como ocorre também nos conselhos estaduais. "O governo estadual e municipal são afinados e votam com o setor produtivo", sinalizou.
Luiz Emanuel, como critica Mário Camilo, sequer compareceu à reunião dessa segunda-feira, que decretou o fim do mandato da Acapema antecipadamente, enviando um porta-voz. " O circo está armado", indignou-se.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

O poder político mudou de domicílio

Perfil de Marcelo Santos, um viciado governista, não interessa a PH no Tribunal de Contas. Mas, sim, um aliado fiel para todas as intempéries

OPINIÃO
JR Mignone
Sessão nostalgia
Músicas do passado continuam soberanas, encantando novos ouvintes e matando a saudade dos mais velhos
Geraldo Hasse
Aprimorando a arte das panacéias
Proliferam nas ruas os vendedores de panos de prato a 10 reais por meia dúzia
BLOGS
Flânerie

Manuela Neves

Quem me ensinou a nadar
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Quem quer dinheiro?
Gustavo Bastos
Blog destinado à divulgação de poesia, conteúdos literários, artigos e conhecimentos em geral.
MAIS LIDAS

O poder político mudou de domicílio

Polêmico projeto da Marina de Vitória é tema de audiência pública na Câmara