Seculo

 

Corte no orçamento da Defensoria Pública precariza atendimento aos mais pobres


03/10/2017 às 17:58
Com redução anual no orçamento, fechamento de unidades regionais e queda de pessoal, a Defensoria Pública, que é o órgão que garante assistência jurídica à população hipossuficiente do Estado, tem a capacidade de atendimento reduzida a olhos vistos. Em desacordo com a Emenda Constitucional n° 80/14 – que fixa a necessidade de todas as unidades jurisdicionais terem um defensor público – o Estado tem apenas 26 municípios com a Defensoria em funcionamento.
 
Atualmente, há 52 municípios sem Defensoria, o que corresponde a 77% do total. O fato acarreta em sobrecarga para aqueles defensores que atuam nas comarcas que ainda têm alguma unidade, já que acumulam o serviço das vizinhas. Esse arranjo prejudica toda a cadeia de atendimento que, não fosse o esforço dos defensores, estaria ainda mais prejudicada.
 
As últimas unidades a serem fechadas foram as de Mantenópolis e Barra de São Francisco, no noroeste do Estado, e de Jaguaré, no norte, o que deixa o Estado com apenas 26 municípios com Defensoria.
 
A próxima na mira do fechamento pode ser Linhares, na região norte, o sexto município mais populoso do Estado. De acordo com a Constituição Federal, os critérios que determinam que um município deva ter uma unidade da Defensoria Pública são o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) baixo e a alta densidade populacional. Sendo Linhares um dos municípios 10 mais populosos, é incoerente cogitar o fechamento da unidade no município.
 
Na última semana, o presidente da Associação dos Defensores Públicos do Estado (Adepes), Pedro Coelho, enviou ao secretário de Estado de Economia e Planejamento, Régis Mattos, um ofício expondo a situação atual da Defensoria e como o baixo investimento acarreta na dificuldade de prestação do serviço.
 
De acordo com o documento, o orçamento da Defensoria reduz a cada ano. Em 2016 foi de R$ 68,2 milhões, o que corresponde a 0,40% do Orçamento do Estado; em 2017 e de R$ 64,3 milhões, ou 0,39% do Orçamento; e para 2018 a Lei Orçamentária Anual (LOA) prevê orçamento de apenas R$ 49,6 milhões, o que impossibilita a Defensoria Pública de cumprir o mandamento constitucional, garantindo a presença de no mínimo um defensor por comarca.
 
Este valor também impede a possibilidade de manutenção dos serviços atualmente prestados, o que acarretará na descontinuidade do serviço de assistência jurídica prestado à população do Estado.
 
Não bastasse o baixo orçamento, a Defensoria também padece com a evasão de defensores, visto que o salário de um defensor público do Estado é o menor dentre as Defensorias de todo o País.
 
O salário de início de carreira de um defensor no Estado é de R$ 10,3 mil, podendo chegar a R$ 15,5 mil depois de 35 anos de carreira. A média nacional é de R$ 19,7 mil, podendo chegar a R$ 26,1 mil. Essa remuneração provoca a evasão, já que os defensores deixam o órgão em busca de melhores oportunidades na carreira, seja no Judiciário ou até em outras Defensorias do País.
 
A evasão na Defensoria beira os 50%, sendo o quadro atual de 168 defensores, com a iminência de ser reduzido. A previsão legal é de 269 cargos e o número atual coloca o Estado em primeiro lugar no ranking nacional de evasões, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com um pedido de exoneração a cada 30 dias.
 
No último concurso foram nomeados todos os 90 aprovados, sendo que apenas 70 tomaram posse, ou seja, mais de 20% dos aprovados sequer quiseram entrar na carreira. Em setembro de 2013, o quadro contava com 215 defensores e atualmente tem 168, o que sobrecarrega os profissionais inviabilizando qualquer planejamento de trabalho da instituição.
 
O Ipea recomenda um defensor público por 15 habitantes, sendo que o Estado tem, atualmente, um defensor público responsável por 24 mil habitantes.
 
Público alvo
 
A Defensoria Pública é a instrumento garantidor de direitos da maior parcela da população, tendo como público-alvo 78% dos capixabas. A maior demanda é na área de família, com atendimentos acerca de pensão alimentícia, divórcio, guarda, medicamentos, internações e creches. Em seguida vem a questão criminal, com atendimento a pessoas presas ou que respondem criminalmente e não têm condições de constituir advogados.
 
Com a crise econômica, aumentou também a demanda na questão do direito do consumidor, visto que as famílias se veem às voltas com juros de cartões de crédito, bancos, negativação de cadastro e cobranças abusivas em serviços básicos, como água e luz.
 
A preocupação dos defensores é com a demanda represada desses atendimentos, que deve aumentar caso não haja investimento na Defensoria.

Leia Também

Comentários

Os comentários não representam a opinião do jornal; a responsabilidade é do autor da mensagem

.

Deu zebra

Já está na hora de passar o governador Paulo Hartung a limpo...

OPINIÃO
Editorial
Mais uma porta na cara
O racismo institucional do Palácio Anchieta ficou ainda mais claro com a presença do jornalista Willian Waack, demitido da Rede Globo por comentários racistas
Bruno Toledo
Estado sem PIEDADE!
As tragédias que se sucedem no Morro da Piedade sintetizam as contradições mais evidentes e brutais do modelo de sociedade e de Estado que estamos mergulhados
Erfen Santos
O Cidadão Ilustre
O filme suscita reflexões pertinentes sobre prêmios literários como o Nobel, que rejeitou grandes escritores
Geraldo Hasse
Notícias do fundo do poço
Se não ceder às pressões externas, a Petrobras pode voltar a liderar a economia
JR Mignone
A importância das eleições
Cada empresa de comunicação tem de se esmerar nas campanhas, sem partido ou cores políticas
BLOGS
Mensagem na Garrafa

Wanda Sily

Além das lágrimas
MAIS LIDAS

Enivaldo diverge de Neucimar e expõe risco de racha na base governista

Corregedoria da Prefeitura de Vitória é acionada para investigar perda de recursos de compensação ambiental

Fase Escelsa e Rádio Capixaba de Hugo Borges

Chapa de deputados estaduais do PCdoB se arma para fortalecer Givaldo Vieira

A importância das eleições